Conta Loios
rostos.pt
PESQUISAR     
    HOME  |   FICHA TÉCNICA   |   ESTATUTO EDITORIAL   |   ASSINATURAS  |   EDIÇÃO IMPRESSA  |   NEWSLETTER  |    RSS  |    TWITTER  |    FACEBOOK  
INFERÊNCIAS
Horóscopos Diários
Dia 21 de Novembro 2017
Por Maria Helena


Barreiro / Moita - Associativismo e Comunicação
Valorizar as dinâmicas de comunicação na vida associatva


Por dentro dos dias - Barreiro
Eu tinha acabado de fazer 15 anos e sonhava….


Rosto da Semana – Barreiro
José Paulo Rodrigues – entrar com o pé direito


Barreiro - Por dentro dos dias
Tens valores, sorri!


Inferências
O concelho do Barreiro é mais que o centro da cidade


COLUNISTAS
Lo dia de los muertos
Por Nuno Santa Clara
Barreiro


Saúde um direito constitucional que não se cumpre na Vila da Baixa da Banheira
Quanto mais prometem, menos cumprem!
Por Nuno Cavaco


Cada cor, seu paladar!
Por Jorge Fagundes
Barreiro


Falar de mim
Por Carlos Alberto Correia
Barreiro


Vigiar e intervir antes de ser tarde demais!
Por Nuno Banza
Barreiro


AUTARQUIAS e CONTABILIDADE DE CUSTOS
por José Caria
Montijo


BASTIDORES
Grupo de deputados do PS eleitos pelo Distrito de Setúbal
CUMPREM PALAVRA E INICIAM ‘CONTACTOS DE PROXIMIDADE’


Aumento das acessibilidades marítimas vão estar em foco
Na conferência «Porto de Setúbal: Uma solução para a região de Lisboa»


Barreiro – João Lampreia responde ao Bloco de Esquerda
Retirada da confiança politica não me torna em nada diferente


DEPUTADOS SOCIALISTAS DE SETÚBAL
SAÚDAM INVESTIMENTO DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO NO DISTRITO


No Barreiro os professores e educadores não estão dispostos a cruzar os braços
Uma adesão massiva à Greve


Caos nas urgências nos hospitais da Península de Setúbal
PSD quer medidas do Governo para evitar repetição de 2016


União das Freguesias do Barreiro-Lavradio
Bloco de Esquerda retira confiança política ao cidadão independente eleito


Barreiro - CMB aprova por unanimidade moção do PSD
a exigir um serviço de maior qualidade à Soflusa


PSD ao aceitar pelouros reafirma disponibilidade para trabalhar pelo Barreiro
Bruno Vitorino reafirma que «quem ganha governa»


PS conta com todos que desejem trabalhar em prol do Barreiro
Não queremos acreditar que PCP pareça mais centrado em desculpas que assumir pelou


AS EMPRESAS
Barreiro/ Seixal / Montijo - Grupo Transtejo moderniza bilheteiras automáticas
com pagamentos Multibanco e Visa Electron


Barreiro - Lisbon South Bay
Promove Portugal Connection Event


Concurso Montras de Natal Barreiro 2017
Inscrições abertas



Transportes Coletivos do Barreiro
Reforçam frota com 5 novos autocarros Mercedes Citar


Transportes Colectivos do Barreiro
Concurso público para aquisição de 60 autocarros a Gás Natural


DESPORTO
Festa do Desporto a grande homenagem do Município do Barreiro
Aos seus muitos clubes/atletas/treinadores


Barreiro - Torneio Jovem Santoantoniense
Uma prova de Xadrez muito concorrida no total competiram 47 crianças


Circuito de Atletismo do Barreiro
Corta-Mato na Mata da Machada a 8 de dezembro


AS ESCOLAS
Setúbal - Especialistas debatem envelhecimento ativo
Fórum de discussão no no Politécnico de Setúbal promovido pela rede IN2SET


Escola Secundária Augusto Cabrita - Barreiro
Comemora 30º aniversário


Agrupamento de Escolas Augusto Cabrita do Barreiro
Participa numa reunião transnacional que decorre em Ljubljan


Barreiro - Agrupamento de Escola de Casquilho na Eslováquia
Aprovação de mais um projeto Erasmus+ este ano letivo


Plano Europeu de Formação eTwinning>
Barreiro presente no eTwinning - Seminário Bilateral Portugal España em Madrid


Agrupamento de Escolas de Santo André - Barreiro
BREAKING DOWN WALLS!
Erasmus+ Strategic Partnership


REPORTAGEM
Barreiro - Cada vez há mais casos de diabetes nas escolas
Actualmente estão referenciadas 34 crianças


Barreiro - Projéctor no «Teatro de Bolso» da Verderena
«Estrelas no Céu da Manhã» - onde espreitámos a luz a rasgar o tempo


Barreiro - «A cultura não rima com ditadura»
50 anos depois cantar «os vampiros» e reviver a luta pela Liberdade


Barreiro – Uma viagem que antecedeu eleição de Donald Trump
«Há mais América que aquela que nos chega pelos media»


Barreiro - Pepe Brix, fotógrafo, no Auditório Municipal Augusto Cabrita
«Uma experiência que vou guardar para o resto da minha vida»


Barreiro - Tomada de Posse dos Juízes Sociais
Vão se aperceber das «dificuldades dos juízes em julgar»


Barreiro - Concurso de «Fornos Solares»
Sara Baltazar e Pedro Damas vencedores vão viajar até à Alemanha.


Barreiro - Um musical para todas as idades
Um convite a mergulhar por dentro da imaginação


MOLDURA
Monte da Caparica – Almada
2 detidos por tráfico de estupefacientes


Voluntários do Sul e Sueste – Barreiro
Participação no Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais


Robertinho Marques 8º melhor cabeleireiro do mundo no Barreiro
Cabeleireiro dos youtubers portugueses no salão da Igreja de Santo António da Ch


Paróquia de Santa Maria do Barreiro
Vai recomeçar a Catequese de Adultos e o Convívio Infantil Paroquial


No Auditório da Biblioteca Municipal do Barreiro
Conferência «Os Recursos Estratégicos e as Guerras»


Centro Hospitalar Barreiro Montijo
Comemora o seu 8º aniversário


Barreiro - Workshop Diabetes
Acerca da Diabetes e o seu controlo eficaz


Barreiro - Auditório Municipal Augusto Cabrita recebe
Fado enCante – Mestre António Chainho & Monda


COMANDO DISTRITAL DE OPERAÇÕES DE SOCORRO DE SETÚBAL
Prorrogação do PERÍODO CRÍTICO DE INCÊNDIOS


Barreiro - «Cientistas do Solo» no Centro de Educação Ambiental da Mata da Machada e Sapal do Coina
«Reserva o Sábado»


AUTARQUIAS
Barreiro - Repavimentação da Rua Prof. Joaquim Vicente França
Condicionamento de trânsito


Barreiro - Um avanço do ponto de vista tecnológico e ambiental
Contribui para uma redução de custos e rapidez na resolução dos problemas


«As potencialidades do Barreiro estão à vista»
Secretária de Estado do Turismo e Empresários do ramo visitam o Barreiro


Reunião Pública da Câmara Municipal da Moita
No Salão Nobre dos Paços do Concelho


OPINIÃO
Reabilitação Urbana: Oportunidade para o Barreiro – I
Por Rui Lopo
Barreiro


ALERTA AOS PAIS!
Por Clara Soares
Bareiro


PARA QUE NUNCA ESQUEÇA
11 NOVEMBRO 1967 - 11 NOVEMBRO 2017 – FAZ HOJE 50 ANOS
Por Alfredo Matos
Barreiro


Sobre os incêndios florestais e incendiários
Por Rui Lopo
Barreiro


ASSOCIATIVISMO
«Gala da Diferenç@» no Barreiro
Promover e divulgar as boas-práticas de inclusão


Barreiro - Jardim de Infância D. Pedro V
Assembleia Geral analisa orçamentos


Barreiro - Bombeiros Voluntários do Sul e Sueste
Assembleia Geral analisa Plano de Atividades e Orçamento para 2018


Barreiro- 5.ª edição da Caminhada
Treino Solidário de Natal


Barreiro - Futebol Clube Barreirense
Assembleia Geral analisa relatório e contas e plano de atividades


CULTURA
Workshop - Mês da Fotografia
Fotógrafos do Barreiro: os Resende (1900-1940)


Barreiro - «Histórias Vivas na Biblioteca»
Apresentam «Como Apanhar uma Estrela»


POSTAIS
Barreiro – Aprovado Contrato de Rede de Drenagem Doméstica da Penalva
Só agora foi possível avançar por existirem condições de financiamentos

Barreiro – Proposta de Empréstimo de 1 milhão e 500 mil euros
Aprovada com os votos favoráveis do PS e CDU
. PSD votou contra


Barreiro – Retirada da Ordem de trabalhos proposta de Auditoria Financeira
«Não é uma caça às bruxas»


Barreiro - IMI, Derrama e Participação variável do IRS
Vão manter em 2018 os mesmos valores de 2017


Moita - Exposição de Pintura - «Reflexos de uma Consciência Cósmica»
Uma exposição onde a arte toca os neurónios


Barreiro – Loja Solidária no Mercado 1º de Maio
Artesanato - «tudo produzido pelos nossos associados»


AGENDA
Barreiro - Biblioteca Júnior
Eventos agendados para novembro


Barreiro - AMAC Júnior
Programação


FORUM BARREIRO
Castello Lopes Cinemas
Programação Semanal


EUROPA
Comissão Europeia apoia Portugal
Reconstrução após incêndios com 1,5 milhões de euros


colunistas rostos.pt - o seu diário digital

Falar de mim
Por Carlos Alberto Correia
Barreiro

Falar de mim<br />
Por Carlos Alberto Correia<br />
BarreiroA edição deixou de ser sinónimo de gosto, de bem escrever e passou a estar disponível para quantos, tendo o necessário poder de compra, entreguem os originais nesses mercadores de folhas agrupadas. Por isso nunca se publicou tanto, tão mau e cada vez mais se rarefaz o mercado dos livros.

Não se importam de parar um pouco o coro de protestos? Certo! Parece muito desplante de qualquer meco utilizar o espaço do jornal e a paciência dos leitores, com a arrogância de um discurso sobre si próprio, isto como se cada escrito, cada crónica, por muito que aparente distância do autor não fosse, de outra forma, o seu reflexo no espelho. Que mais não seja porque, escrevendo-se sobre coisa diversa, continuamente se estará a escrever nos moldes em que pensa o mundo, a partir de si, das suas experiências, gostos e decisões. Já lá dizia Barthes, “quem fala, fala-se”, ou, traduzindo para o assunto em causa, quem escreve, sempre se escreve.

Se aguentaram até aqui a discursata em que me envolvi, terão o direito absoluto a exigirem-me as razões da mesma. E o anterior pedido de acalmia nos protestos nasce do reconhecimento de que têm esse poder. Vou, pois, por ínvios caminhos, ao assunto.

Pertenço ainda à geração do livro! Neste momento, certamente, o coro de protestos recrudescerá em bastos, também eu, também eu! Sei muito bem ser isso verdade. Para ser sincero a maior parte de nós faz parte dela. Lembro-me de quando, em início de adolescência, conseguia uns cobres para comprar algum livro cobiçado desde há muito, correr para casa, agarrar num corta-papéis e entre emoção e nervosismo, abrir as páginas, deixando sobre a mesa as raspas de papel sobrantes ao sacrifício da abertura original. Nesse tempo o livro era assim! Comportava um ritual desvirginador garantindo, a quem o comprava, ser o seu único e primeiro possuidor. Estão a ver a semelhança com os rituais núbeis? Pois, em sociedade as coisas não só se tocam como vão mudando com os tempos. A tradição é uma grande mentira securizante!

O que foi de gritos e destemperos (estou a exagerar) quando os livros começaram a aparecer aparadinhos, folhinhas abertas a todos e certinhas no corte, nunca sabendo o comprador quantos mais teriam passado os dedos molhados na língua e os olhos ávidos pelas suas páginas. Os brados lancinantes, os anátemas garantidos, não mudaram o produto industrial e, vejam lá, estenderam-se às relações amorosas. A virgindade deixou de ter sentido absoluto tornando-se o objeto livro, ou a pessoa feminina, valores por si próprios, independentemente de terem, ou não, sido primordialmente tocados por outras mãos. É o efeito do tempo, a mudança de valores, a acompanhar e a produzir serventias técnicas e sociais diferenciadas. Os conservadores bramiram por muito tempo o descontentamento, mas a tradição foi-se tornando outra, fortificando, ganhando raízes, obrigando pela omnipresença à diminuição paulatina dos bramadores do antes é que estava bem.

Perguntar-me-ão de novo, para que serve tudo isto? Porque estou a perder o meu tempo a ler este tipo? Pois, a curiosidadezinha, o querer saber para onde os quero, docemente, conduzir. A desagradável e fria resposta é a enunciada no título: a mim!

Então porque fala de livros, de virgindades e absurdos congéneres? Porque, meus amigos, lhes vou dar uma notícia em primeira mão. Claro, ela importa sobretudo ao próprio, mas, para além do egoísmo demonstrado, pode ser que, por algum modo, vos venha também a interessar. Sabem, o escritor é um autocentrado megalómano. Parte do princípio que o escrito não só tem quem o procure e espere, como poderá alterar comportamentos, modos de pensar, estilos de vida. Esteja embora por provar, não deixa o escriba de, mesmo não o confessando abertamente, ter lá, muito no fundo, este bichinho de esperança a roer-lhe a expectativa.

Pois a notícia, estão a ver como eu estendo o mistério buscando que a curiosidade do leitor supere o tédio do discurso, é que vou mudar de paradigma!

Pressinto os vossos olhos a abrirem-se de admirados, na boca um sopro irónico, a pergunta desencantada: que quer ele dizer e o que tenho a ver com isto? Com mais um pouco de paciência, lá chegaremos.

No tempo dos livros abertos com espátula eram eles objetos caros, raros, valiosos. Não existiriam no país muitos editores. Conseguir a publicação “do Livro” exigia um percurso de artigos em revista, jornais, referências académicas e mais um rol de coisas de aborrecida enumeração. Chegados lá, porém, seria a consagração. Era assim como erigir um farol ou um altar. Haveria dissidentes? Certamente! Mas o feito estava firme nas montras das livrarias, nas estantes das bibliotecas, nos suplementos da imprensa, nos ensaios a respeito. Com o livro aparadinho chegou maior facilidade de publicação. A técnica passou da tipografia ao “offset”, as chapas podiam guardar-se para novas edições, os preços diminuíam. Muito mais gente começou a publicar e livros e autores dominaram a praça publica. Nessa altura o Editor era ainda uma figura respeitada e interessada que, escolhida a obra, a acompanhava desde a releitura e correção, passando pela impressão, divulgação e distribuição do livro. Este era o seu trabalho! A ele se dedicava a tempo inteiro, pugnando pelo êxito da obra.

Os tempos e as técnicas continuaram a mudar. Tornou-se fácil editar fosse lá o que fosse. O Editor dedicado transformou-se num funcionário, muitas das vezes a recibos verdes e pelo tempo de duração de um estágio, que, na ótica do patrão, procura menos, ou quase nada, a qualidade do texto, visando meramente o cálculo de quanto pode render. Tais empresas de serviços, arvoradas em editoras, fazem livros como poderiam fazer tijolos ou ensacar feijões, caso tais atividades se revelassem mais remuneratórias. Assim, em grande parte, exigem ao autor o pagamento de edição, contra a aposição de uma chancela que liberte o livro da menoridade de edição de autor, e, recebido o dinheiro, produzem meramente o número de exemplares requeridos pelo consumo imediato e declarado, deixando o autor sozinho, não distribuindo nem divulgando o livro. A edição deixou de ser sinónimo de gosto, de bem escrever e passou a estar disponível para quantos, tendo o necessário poder de compra, entreguem os originais nesses mercadores de folhas agrupadas. Por isso nunca se publicou tanto, tão mau e cada vez mais se rarefaz o mercado dos livros. Claro que outros factos haverá – tudo é mais complexo do que aparenta – mas estas são as principais razões a apontarem para a revelação que, desde inicio, vos prometo.

Farto de consultar e discutir com os novéis editores as condições de aparição de cada uma das obras, obrigando-me embora a perder o contacto com o objeto físico, deixando de parte a sensualidade de sentir o ruge-ruge do passar das folhas, aceitando o caminho de desmaterialização a impor-se a muitas atividades, com alguma mágoa, confesso, decidi partir para nova experiência. Retirei da Editora o meu romance “Momentos para inventar o amor” e entreguei-o, para ser publicado como ”e-book”, a uma parceria de grande credibilidade – “escritores online” – entre a Associação Portuguesa de Escritores e a CLEPUL, organização da Faculdade de Letras de Lisboa.

Esta era mudança que vos queria comunicar. Lutando contra o hábito de ter o escrito corporizado em objeto físico vou entrar pelo caminho, que prevejo como o futuro, do livro a existir numa nuvem informática sabendo que, para os amantes dos livros será decisão desilusória, mas, por outro lado, fundado em organizações credíveis, saber da possibilidade de chegar a outro público, interessado, informado e, acrescendo, pelo preço que custará (2,95 euros) a possibilidade de alargar a fruição do texto a quantos não podem esportular a dezena de euros de uma publicação impressa.

Falei de mim, confessei aderir ao futuro, espero não me desiludir, nem desiludir os putativos leitores. Façam um esforço! Alterem hábitos! Não o podendo garantir reconheço que pode valer a pena.

Carlos Alberto Correia

09.11.2017 - 17:39
Imprimir   imprimir

rostos.pt - o seu diário digital

rostos.pt - o seu diário digital

Partilhar: partilhar no facebook  TwitThis  digg it  Google Bookmark  Technorati  guardar link no del.icio.us 

rostos.pt - o seu diário digital

PUB.

rostos.pt - o seu diário digital

comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

rostos.pt - o seu diário digital

envie o seu comentário

rostos.pt - o seu diário digital

PUB.

rostos.pt - o seu diário digital





rostos.pt - o seu diário digital

Pesquisar outras notícias no Google

rostos.pt - o seu diário digital

rostos.pt - o seu diário digital

Design: Rostos Design. Fotografia e Textos: Jornal Rostos.
Copyright © 2002-2017 Todos os direitos reservados.

PUB.

PUB.

REVISTA ROSTOS

PUB.

PUB.

ROSTOS APOIA

DAMOS ROSTOS ÀS CIDADES

PUB.

PUB.

PUB. - ANUNCIO

DIVULGAÇÃO

EDIÇÃO IMPRESSA


OUTRAS EDIÇÕES

  

  

VIDEOS ROSTOS

CANAL ROSTOS NOS VIDEOS SAPO


LIGAÇÕES

MARTA SOUSA PEREIRA Photography


ENTRE TEJO E SADO - BLOG SAPO LOCAL


SAPO LOCAL


GOOGLE NEWS - BARREIRO


JORNAIS E REVISTAS


CAMARA MUNICIPAL DO BARREIRO


CAMARA MUNICIPAL DA MOITA


BLOG DEDICADO A LAURA SEIXAS


ARTBARREIRO.COM


BANDA MUNICIPAL DO BARREIRO


MEMBRO DA

AIND