Conta Loios
rostos.pt
PESQUISAR     
    HOME  |   FICHA TÉCNICA   |   ESTATUTO EDITORIAL   |   EDIÇÃO IMPRESSA  |   NEWSLETTER  |    RSS  |    TWITTER  |    FACEBOOK  
INFERÊNCIAS
Horóscopos Diários
Dia 25 de Maio 2019
Por Maria Helena


A(nota)mentos
Todo o associativismo é presente


Rota 66 – Barreiro
Da iluminação da zona polis aos factos históricos do associativismo


Barreiro – Por dentro dos dias
Criação do «Observatório Pensar o Associativismo no Barreiro»


Inferências
A Quinta de Braamcamp não é um território abandonado
. O proprietário é a CMB


COLUNISTAS
Guerra privada
Por Nuno Santa Clara
Barreiro


Falam, falam, falam e não fazem nada…
Por Nuno Miguel Fialho Cavaco
Moita


Quadro Comunitário de Apoio para o período 2021-2027
Por José Caria
Montijo


Até amanhã Sr. Alexandre. Bom Natal
Por Jorge Fagundes
Barreiro


O Barreiro está um pouco mais pobre!
Por Nuno Banza
Barreiro


CARTA AO DIRECTOR
No Lavradio há gatos por todo o lado.
Um atentado à saúde e um incómodo


BASTIDORES
Associação Montijo Primeiro
Casa cheia na apresentação pública


Graves problemas que afetam a supressão de carreiras fluviais da Soflusa e Transtejo.
Bloco de Esquerda reúne com Soflusa e mantêm motivos de p


Bloco de Esquerda vai reunir com a administração da Transtejo/Soflusa
por causa da grave degradação do serviço prestado à população da margem


CDS Barreiro considera situação actual da Soflusa
insustentável para os Barreirenses


Concelhia do Barreiro do PSD
Problema não é político partidário é dos Barreirenses e do Barreiro
. O caos na Soflusa


Atual momento da Soflusa
PS Barreiro apela ao bom senso e responsabilidade
para salvaguardar os que dependem do transporte no seu dia-a


ENTREVISTA
Barreiro - Faustino Mestre, Presidente da Direcção do GD Fabril
«Esta casa tem que estar destinada a andar nos campeonatos nacionais»


AS EMPRESAS
Transportes Colectivos do Barreiro
Reforço de Ligações Com a Estação Ferroviária de Coina


Barreiro - Validação e carregamento de títulos Zapping nos TCB
A partir de 1 de junho


DESPORTO
Barreiro - Agrupamento de Escolas de Santo André
Sagra-se campeão distrital de Basquetebol de Iniciados B


Barreiro - No Pavilhão Municipal Luís de Carvalho
Barreirense - Maia na final da Pró- Liga


No Ginásio Sede do Seixal Clube 1925
Fase Final da XXI Taça Nacional de Sub 19 Feminino


Patinagem Artística do Fabril do Barreiro
Conquista títulos de Campeã e vice-Campeã Distrital de Juniores.


Barreiro - GDESSA realizou Torneio de Minibasquete Feminino
Com a presença de 258 meninas dos 6 as 12 anos.



Barreiro - Santoantoniense vence nacional da 2ª Divisão
Conquista subida à 1ª divisão do Campeonato Nacional de Xadrez


Final da Taça da Associação de Futebol de Setúbal - Futsal
FC Barreirense - CD Cova da Piedade


PERSONALIDADES
Barreiro - Nuno Banza ex-vereador da CMB
Nomeado Presidente do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas


AS ESCOLAS
Barreiro - Agrupamento de escolas de Santo António
Conquista 1º lugar no Campeonato Regional de Basquetebol de Iniciados


No Auditório da Escola Superior de Tecnologia do Barreiro
Clube de Teatro Augusto Cabrita apresenta «Tipo... Cenas Soltas»


Na Escola Superior de Tecnologia do Barreiro do IPS
Jornadas discutem as «múltiplas abordagens« da Bioinformática em Portugal


Parceria entre a Câmara Municipal do Barreiro e a Baía Tejo
Programa de Empreendedorismo nas Escolas já arrancou


Barreiro - Escola Secundária de Santo André
Prémio Floresta e Sustentabilidade 2019


Barreiro - Escola Secundária de Casquilhos
Reconhecida como Escola Inovadora do ano
. Mérito grau ouro


Barreiro - Jantar de Antigos Alunos dos Casquilhos.
Reencontro de amigos para fortalecer amizades


REPORTAGEM
Barreiro – Carlos Alberto Correia Encontros «O autor e os livros»
A poesia nasceu como forma de indignação


Barreiro - Uma centena de participantes numa acção de voluntariado
Limpeza de todas as praias do concelho
. «Esta iniciativa é igual a u


Rede Intermunicipal de Bibliotecas da Região de Setúbal
Um grupo de trabalho com 36 anos de actividade


Barreiro - Escola de Música do Penalvense
Onde se aprende música fazendo música


MOLDURA
Barreiro - Concerto na SFAL
«Cruzados» de regresso aos palcos


Centro Hospitalar de Setúbal
Laboratório de Hemodinâmica e Intervenção Coronária assinala 20º Aniversário


No Mercado 1º de Maio do Barreiro
Celebra-se Dia Mundial da Criança


Carta Aberta à População do Barreiro
Quinta do Braamcamp, as Obras Previstas não Avançaram Saiba Porquê


Barreiro – Festas Populares de Palhais
Bélito Campos encerra as festas em honra de Nossa Senhora da Graça


Barreiro - Exercício Europeu CASCADE de Proteção Civil
Maior de sempre em território nacional,
. De 28 de maio a 1 de junho


Moita - VII Feira da Saúde de Alhos Vedros:
«A Saúde Vai à Fonte da Prata»


BARREIRO - FESTAS DE SANTO ANTÓNIO DA CHARNECA
No centro da localidade de 12 a 16 de Junho


Barreiro - Na Casa da Cultura da Baía do Tejo
Rita Guerra em Concerto


Moita - Os melhores nomes do blues português e internacional
BB Blues Fest regressa à Baixa da Banheira


Associação de Psicologia & Desenvolvimento Comunitário - Psi.Brr
Ciclo de Cinema Documental «Saúde Mental e Educação»
. Cine Clube do Ba


Barreiro - Preparar plano para a Mata da Machada
Vereador Bruno Vitorino reúne com entidades para prevenção de fogos florestais


AUTARQUIAS
Moita - Aumento significativo de procura da carreira 333
Reforço da carreira dos TST


Moita - Parque Zeca Afonso na Baixa da Banhiera
Piscinas Municipais do Parque da Zona Ribeirinha abrem a 1 de junho


Na Câmara Municipal do Barreiro
ACT promove ações de sensibilização
. Dia Nacional de Prevenção e Segurança no Trabalho


Almada - Estratégia municipal de controlo de colónias de gatos
Inauguração de abrigo para colónias de gatos


OPINIÃO
Trabalho dos eurodeputados da CDU no Concelho da Moita
Por Vanda Figueiredo
Moita


Carta Aberta a António Costa
Pela justiça no acesso aos Fundos Comunitários na Península de Setúbal
Por Tiago Sousa Santos
Barrei


O aeroporto do Montijo. Dos mitos à realidade.
Por Carlos Matias Ramos, Carla Marina, José Encarnação, Nuno Cavaco


O PODER DO CAPITAL E A DEMOCRACIA, uma pequeníssima reflexão sobre a nossa cidade e tudo o resto.
Por André Carapinha
Barreiro


A Quinta Braamcamp é de todos e é para todos!
Por José Encarnação
Barreiro


Autarquia Em Modo Off
Por Alexandra Serra
Sesimbra


ASSOCIATIVISMO
III Jornadas Técnicas da NÓS debatem ‘Olhar(es) pela Inclusão’
EST Barreiro recebe iniciativa a 7 de junho


Barreiro - No Mercado Mensal de Coina
Rastreio gratuito da Diabetes Tipo 2


Moita - Um stand com o tema «O que nos une»
CRIBB presente na Feira de Projetos Educativos


Lugares marcados por histórias
Exposição «Associativismo no Barreiro - Os lugares, os factos e as pessoas»


Setúbal - 96º aniversário do CNE Corpo Nacional de Escutas
Cristo Rei em Almada recebe este ano as comemorações


Barreiro - Formação Profissional RUMO
Qualificação profissional de Pessoas com Deficiência e/ou Incapacidade


Barreiro - Cooperativa Cultural Popular Barreirense
Sessão Debate «Associativismo e Cooperativismo Pilares da Economia Social»
. 106º an


POSTAIS
Barreiro - Persona comemora 26º aniversário
Visita Exposição sobre associativismo


ArteViva - Companhia de Teatro do Barreiro
«O Animador» - onde começa o mundo real e acaba a ficção?


Barreiro - Grupo Recreativo União Penalvense
Um ponto de encontro de gerações
. Polo de animação da Penalva


EUROPA
Rede Europeia Anti-Pobreza - Núcleo Distrital de Setúbal
ELEIÇÕES EUROPEIAS - Por uma Europa Livre de Pobreza!


Alterações às Leis Eleitorais
Eliminação do Número de Eleitor


inferências rostos.pt - o seu diário digital

Inferências – Barreiro
Quais as marcas dos mandatos autárquicos? (III)

Inferências – Barreiro<br>
Quais as marcas dos mandatos autárquicos? (III)O Barreiro viveu nestes anos, um dos seus períodos de maior depressão económica e social. Mas, mesmo assim, Carlos Humberto, em três mandatos, foi o politico que recebeu sempre, plenamente, o apoio dos eleitores, oriundos das mais diversas opções.

A gestão de Carlos Humberto ao longo de três mandatos foi marcada por diferentes circunstâncias, mas, sublinhe-se, algumas ideias força, na verdade foram centrais e marcas inscritas – a aposta na valorização das zonas ribeirinhas; as opções para clarificação e valorização do território da Baía do Tejo; a importância de inventariar e classificar o património ferroviário e a importância do seu território no tecido urabano; a tónica sobre a necessidade de criação de emprego; a valorização do papel de centralidade do Barreiro na AML; a intervenção autárquica na valorização do espaço urbano no território do concelho, para além do centro da cidade; as relações politicas e de constante diálogo com o Poder Central, quer com governo PSD/CDS, quer com governo PS; a valorização da memória e da identidade barreirense; uma gestão financeira equilibrada de forma a permitir investimentos e obter de forma sistemática o recurso a financiamentos comunitários para projectos, no espaço urbano e na vida sócio-cultural.

E, um nota especial, a forma como exerceu a presidência, acima de tudo com um sentido de missão, de prestação de serviço público, colocando o Barreiro acima dos interesses partidários, e, nunca abdicando das suas opções politicas.
Por essa razão, não vou abordar a gestão de Carlos Humberto apenas neste texto. Este acaba por ser um prólogo global.

Carlos Humberto é um veterano da acção politica, nascido para o combate nas lutas antes do 25 de Abril. Na sua forma de estar na vida, para além das suas opções partidárias, assumidas no tempo da luta contra a ditadura, como militante do Partido Comunista Português, um partido que todos sabemos, inscreveu sua matriz na vida dos barreirenses, até, mais não seja, pelo respeito e pela dignidade da acção dos seus militantes na luta contra a ditadura.
Um partido que todos se orgulham, ainda hoje, em afirmar – “o meu avô era comunista”, mesmo dito, muitas vezes, por alguns anticomunistas primários.

Carlos Humberto tem, igualmente, uma marca pessoal de relacionamento humano, no respeito pelas diferenças e com relações feitas de afectos, sem aquele plástico de ocasião. Quem fala com Carlos Humberto, fala com Carlos Humberto.
Por essa razão, cativou muitas franjas do eleitorado de pessoas de outros partidos – que por vezes nem gostam do PCP/CDU, mas admiram a acção e o sentido humanista de Carlos Humberto.
Não foi por mero caso que, por vezes, nas redes sociais, ou na acção politica o alvo era Carlos Humberto. O objectivo era, de facto, retirar-lhe dimensão, e, infelizmente, por vezes, até desfazer carácter.

Por outro lado, o facto de ser natural do Barreiro, tendo aqui as suas raízes, isso, permite-lhe conhecer as pessoas, ter memórias das ruas e de vivências. Tem amigos de infância e de adolescência. Na sua própria acção partidária exerceu funções que sempre o mantiveram de alguma forma ligado ao Barreiro.

Ele, soube, de forma perfeita unir essas realidades as memórias da resistência, a fraternidade de relações de vizinhança, a cultura de liberdade que é uma marca do Barreiro, esse desejo de missão de querer servir a sua terra.
Assim, procurou juntar o útil ao agradável, unindo uma missão cívica e politica, e, naturalmente, a sua primeira aposta foi reconquistar a Câmara Municipal do Barreiro para o PCP/CDU, visando retomar para o PCP esta terra, que é reconhecida como um símbolo nacional – bastião vermelho - que faz parte da história dos portugueses, na luta de resistência e na luta pela Liberdade.

O tal bastião de raiz operária que, afinal desde os anos 80, que a dimensão operária tinha perdido espaço para os serviços. Fenómeno esse que se traduzia, até, na base eleitoral do concelho, com o que denominei de «ciclo pendular», nas legislativas o eleitorado dominante dava a vitória ao PS, depois nas autárquicas a vitória era do PCP/CDU.

A caminhada de Carlos Humberto para a reconquista da CMB começou de forma estruturada quase um ano antes, no diálogo com a população, em reuniões com instituições. Recuperando o diálogo e, de certa forma, rasgando a dimensão autista que, por vezes, foi uma marca da gestão de Pedro Canário.

Carlos Mauricio, candidato que se opunha a Emidio Xavier, foi impotente para superar a falta de diálogo e se afirmar como alternância ao autismo dominante, apesar de ter apresentado um dos mais bem estruturados programas eleitorais do PCP/CDU.
Emidio Xavier, apresentava um programa visionário, um projecto que só seria realizável numa ou duas décadas e nunca num mandato, mas que o eleitorado recebeu como uma lufada de ar fresco e que ia de encontro a um sentimento de mudança.
E, sublinhe-se, perspectivava um projecto de cidade inovador e, sem dúvida, foi isso que cativou o eleitorado.

Carlos Humberto soube sentir o resultado da gestão socialista, e, até, apreender conceitos, como se diz nos dias de hoje, foi ao encontro da percepção, quer mantendo o diálogo com os eleitores, quer desmontando as fragilidades da gestão socialista, que estando convencida da vitória, até abdicou de sair ao encontro dos eleitores.

Reconquistada a Câmara Municipal do Barreiro, Carlos Humberto apontou uma linha de força – o que é de todos por todos deve ser decidido, promoveu as Opções Participadas.
No primeiro ano de mandato, realizaram-se sessões com a participação de centenas de pessoas, eram salas cheias, pessoas a criticar, a sugerir, a debater o presente e a sonhar futuro. Sentia-se que existia um desejo imenso de conversar, de partilhar ideias, de pensar e discutir a cidade e o concelho.

As reuniões de Câmara descentralizadas, pelas freguesias, eram mesmo participadas .
Até aos dias de hoje, o que se registou no primeiro mandato de Carlos Humberto, nunca mais voltou a repetir-se com aquela dimensão, adesão e envolvimento dos municipes, de forma regular, em torno da vida autárquica, visando o debate de ideias, a critica, a exigência, assente numa vontade de participar e dar contributos para a vida da polis.
Foi por isso que o conceito «cidade da participação», foi tema de critica, leit motiv de acção politica até que, na prática, foi-se esvaziando.
O conceito «cidade da participação» não era um slogan, era uma realidade politica que se vivia, com pessoas de diferentes cores politicas. Mas foi perdendo espaço e, em alguns aspectos, tornou-se uma rotina, sem criatividade, e sem capacidade de aproveitar e potenciar novas ferramentas e tecnologias do século XXI.

O capital politico de Carlos Humberto superava largamente o espaço partidário do PCP, de tal forma que nos mandatos seguintes reforça a votação e consolida as maiorias absolutas.
Apesar de força politica dominante Carlos Humberto, procurou sempre atribuir pelouros às outras forças politicas. O PSD já era normal e habitual. Aceitou.
O PS os eleitos que aceitavam pelouros – caso Nuno Santa Clara ou João Soares – foram sempre criticados pelo PS, e, perdiam a confiança politica.

Carlos Humberto, desde cedo, percebeu uma coisa central para o desenvolvimento do Barreiro – era preciso criar emprego.
Duas marcas de referência no seu primeiro mandato, foi o surgimento do Forum Barreiro, e em torno deste projecto o alargar o centro da cidade, que foi pensado do Forum até Alburrica. Assim, registou-se a mudança na Avenida Alfredo da Silva, gerando ao longo deste eixo um circuito que vai da zona do Forum até à estátua Alfredo da Silva, e, até, com o objectivo de ligar à zona ribeirinha, um fase que, só agora, vai ser concretizada já na gestão de Frederico Rosa, com a requalificação urbana do Parque Catarina Eufémia até ao Largo do Moinho Pequeno.

Outra nota, de grande relevo, foi que soube olhar para as experiências diversas na forma de pensar e planificar o território da Quimiparque/ Baía do Tejo, primeiro com Pedro Canário, que pretendeu intervir sem ter competência para tal; depois pela Quimiparque, na gestão de Emidio Xavier, que desenvolveu o Masterplan, como se o seu território fosse uma ilha desligada das realidades envolventes, nomeadamente o território ferroviário.
Carlos Humberto sentiu que as transformações só seriam possíveis concretizar e dinamizar de existisse uma estreita parceria e cooperação entre a Quimiparque e CMB, por essa razão nasce o Plano de Urbanização da Quimiparque, este, já tendo como linha de força a integração dos impactos no território da anunciada Terceira Travessia do Tejo – rodo/ferroviária, assim como o lançamento do TGV.
O Barreiro de forma clara, com estas acessibilidades, começa a ser pensado e bem, tal como era projectado no PROT-AML, como um território que faz parte do tecido urbano da Área Metropolitana de Lisboa. E, sublinhe-se, isto nada tem a ver com o não pensar a cidade, foi, isso sim, pensar a cidade no contexto de projectos históricos para o país e para a região.

Outro registo de prólogo, Carlos Humberto, contrariamente aos seus antecessores, viveu a situação financeira da autarquia mais dramática.
O nível de endividamento não dava margem para grandes manobras. Ainda geriu alguns orçamentos inflacionados, ainda recebeu as ajudas do Poder central - PAEL, mas, com a chegada da troika, a exigência de orçamentos deficit zero, gerou uma situação que foi muito preocupante.
Acabaram os orçamentos inflacionados. Empréstimos foi ponto final. Veio a obrigatoriedade de reduzir recursos humanos, que gerou dificuldades na prestação dos serviços públicos.
E, diga-se, afinal, foi neste cenário que viveu os seus primeiros mandatos.
Com a troika, foi-se a Terceira Travessia do Tejo. Foi-se o TGV e a possibilidade de valorizar a vertente ferroviária no concelho. José Sócrates ainda passou pelo Barreiro a inaugurar a electrificação da linha do Sado, mas, deixou por concluir 300 metros de ligação da Rede às Oficinas da EMEF, que poderiam ter dado uma nova potencialidade àquela infraestrutura industrial. Assim, continuou o declínio, a perda de postos de trabalho. Foi aquilo que se viu. E, naturalmente, com a perda de emprego local, o envelhecimento da população, a perda de poder de compra dos reformados, devido aos cortes da troika, a crise no comércio local é uma consequência, por muito que se culpe a Câmara, isso é um absurdo. A vida é o que é.
O Barreiro viveu nestes anos, um dos seus períodos de maior depressão económica e social. Mas, mesmo assim, Carlos Humberto, em três mandatos, foi o politico que recebeu sempre, plenamente, o apoio dos eleitores, oriundos das mais diversas opções.
Ficamos por aqui, neste prólogo…que já vai longo.

António Sousa Pereira

04.10.2018 - 16:24
Imprimir   imprimir

rostos.pt - o seu diário digital

rostos.pt - o seu diário digital

Partilhar: partilhar no facebook  TwitThis  digg it  Google Bookmark  Technorati  guardar link no del.icio.us 

rostos.pt - o seu diário digital

PUB.

rostos.pt - o seu diário digital

comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

rostos.pt - o seu diário digital

envie o seu comentário

rostos.pt - o seu diário digital

PUB.

rostos.pt - o seu diário digital





rostos.pt - o seu diário digital

Pesquisar outras notícias no Google

rostos.pt - o seu diário digital

rostos.pt - o seu diário digital

Design: Rostos Design. Fotografia e Textos: Jornal Rostos.
Copyright © 2002-2019 Todos os direitos reservados.

PUB.

AVISO DE APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS
ENTRE 02 DE MAIO E 15 DE JULHO 2019

PUB.

PUB.

REVISTA ROSTOS

PUB.

PUB.

PUB.

PUB.

ROSTOS APOIA

PUB.

DAMOS ROSTOS ÀS CIDADES

DIVULGAÇÃO

EDIÇÃO IMPRESSA


OUTRAS EDIÇÕES

  

  

VIDEOS ROSTOS

CANAL ROSTOS NOS VIDEOS SAPO


LIGAÇÕES

MARTA SOUSA PEREIRA Photography


ENTRE TEJO E SADO - BLOG SAPO LOCAL


SAPO LOCAL


GOOGLE NEWS - BARREIRO


JORNAIS E REVISTAS


CAMARA MUNICIPAL DO BARREIRO


CAMARA MUNICIPAL DA MOITA


BLOG DEDICADO A LAURA SEIXAS


ARTBARREIRO.COM


BANDA MUNICIPAL DO BARREIRO


MEMBRO DA

AIND