Conta Loios
rostos.pt
PESQUISAR     
    HOME  |   FICHA TÉCNICA   |   ESTATUTO EDITORIAL   |   EDIÇÃO IMPRESSA  |   NEWSLETTER  |    RSS  |    TWITTER  |    FACEBOOK  
INFERÊNCIAS
Horóscopos Diários
Dia 23 de Maio 2019
Por Maria Helena


A(nota)mentos
Todo o associativismo é presente


Rota 66 – Barreiro
Da iluminação da zona polis aos factos históricos do associativismo


Barreiro – Por dentro dos dias
Criação do «Observatório Pensar o Associativismo no Barreiro»


Inferências
A Quinta de Braamcamp não é um território abandonado
. O proprietário é a CMB


COLUNISTAS
Mãos sujas
Por Nuno Santa Clara
Barreiro


Falam, falam, falam e não fazem nada…
Por Nuno Miguel Fialho Cavaco
Moita


Quadro Comunitário de Apoio para o período 2021-2027
Por José Caria
Montijo


Até amanhã Sr. Alexandre. Bom Natal
Por Jorge Fagundes
Barreiro


O Barreiro está um pouco mais pobre!
Por Nuno Banza
Barreiro


CARTA AO DIRECTOR
No Lavradio há gatos por todo o lado.
Um atentado à saúde e um incómodo


BASTIDORES
Associação Montijo Primeiro
Casa cheia na apresentação pública


Graves problemas que afetam a supressão de carreiras fluviais da Soflusa e Transtejo.
Bloco de Esquerda reúne com Soflusa e mantêm motivos de p


Bloco de Esquerda vai reunir com a administração da Transtejo/Soflusa
por causa da grave degradação do serviço prestado à população da margem


CDS Barreiro considera situação actual da Soflusa
insustentável para os Barreirenses


Concelhia do Barreiro do PSD
Problema não é político partidário é dos Barreirenses e do Barreiro
. O caos na Soflusa


Partido Socialista da Moita expressa enorme estupefação
pelo aproveitamento CDU relativamente à construção do Centro Saúde Baixa da Banheira


Atual momento da Soflusa
PS Barreiro apela ao bom senso e responsabilidade
para salvaguardar os que dependem do transporte no seu dia-a


ENTREVISTA
Barreiro - Faustino Mestre, Presidente da Direcção do GD Fabril
«Esta casa tem que estar destinada a andar nos campeonatos nacionais»


AS EMPRESAS
Transportes Colectivos do Barreiro
Reforço de Ligações Com a Estação Ferroviária de Coina


Barreiro - Validação e carregamento de títulos Zapping nos TCB
A partir de 1 de junho


DESPORTO
Patinagem Artística do Fabril do Barreiro
Conquista títulos de Campeã e vice-Campeã Distrital de Juniores.


Barreiro - GDESSA realizou Torneio de Minibasquete Feminino
Com a presença de 258 meninas dos 6 as 12 anos.



Barreiro - Santoantoniense vence nacional da 2ª Divisão
Conquista subida à 1ª divisão do Campeonato Nacional de Xadrez


Clube de Vela do Barreiro<
Tiago Wanzeller apurado para Campeonato da Europa em França


Final da Taça da Associação de Futebol de Setúbal - Futsal
FC Barreirense - CD Cova da Piedade


AS ESCOLAS
Na Escola Superior de Tecnologia do Barreiro do IPS
Jornadas discutem as «múltiplas abordagens« da Bioinformática em Portugal


Parceria entre a Câmara Municipal do Barreiro e a Baía Tejo
Programa de Empreendedorismo nas Escolas já arrancou


Moita - Espaço FAVO – Fábrica de Artes Visuais e Ofícios em Alhos Vedros
Recebe Exposição de alunos da EB José Afonso


Barreiro - Agrupamento de Escolas de Santo António
Educação Patrimonial— uma área de oportunidade e de desenvolvimento profissional
. A


Barreiro - Escola Secundária de Santo André
Prémio Floresta e Sustentabilidade 2019


Barreiro - Escola Secundária de Casquilhos
Reconhecida como Escola Inovadora do ano
. Mérito grau ouro


Barreiro - Jantar de Antigos Alunos dos Casquilhos.
Reencontro de amigos para fortalecer amizades


REPORTAGEM
Barreiro – Carlos Alberto Correia Encontros «O autor e os livros»
A poesia nasceu como forma de indignação


Barreiro - Uma centena de participantes numa acção de voluntariado
Limpeza de todas as praias do concelho
. «Esta iniciativa é igual a u


Rede Intermunicipal de Bibliotecas da Região de Setúbal
Um grupo de trabalho com 36 anos de actividade


Gabriela Guerreiro, Presidente da União das Freguesias de Barreiro e Lavradio
Não é só um polidesportivo é um equipamento multimodalidades


Jerónimo de Sousa no Barreiro
A posição do governo é «uma jogada» é uma posição «eleitoralista»
. «O governo sabe que está a mentir»


Barreiro - Escola de Música do Penalvense
Onde se aprende música fazendo música


MOLDURA
Barreiro – Festas Populares de Palhais
Bélito Campos encerra as festas em honra de Nossa Senhora da Graça


Barreiro - Exercício Europeu CASCADE de Proteção Civil
Maior de sempre em território nacional,
. De 28 de maio a 1 de junho


Moita - VII Feira da Saúde de Alhos Vedros:
«A Saúde Vai à Fonte da Prata»


BARREIRO - FESTAS DE SANTO ANTÓNIO DA CHARNECA
No centro da localidade de 12 a 16 de Junho


Barreiro - Na Casa da Cultura da Baía do Tejo
Rita Guerra em Concerto


Moita - Os melhores nomes do blues português e internacional
BB Blues Fest regressa à Baixa da Banheira


Associação de Psicologia & Desenvolvimento Comunitário - Psi.Brr
Ciclo de Cinema Documental «Saúde Mental e Educação»
. Cine Clube do Ba


Barreiro - Preparar plano para a Mata da Machada
Vereador Bruno Vitorino reúne com entidades para prevenção de fogos florestais


AUTARQUIAS
Alcácer do Sal - Eleições Europeias 2019
Câmara disponibiliza transporte de apoio aos munícipes para locais de votação


Na Câmara Municipal do Barreiro
ACT promove ações de sensibilização
. Dia Nacional de Prevenção e Segurança no Trabalho


Almada - Estratégia municipal de controlo de colónias de gatos
Inauguração de abrigo para colónias de gatos


OPINIÃO
Trabalho dos eurodeputados da CDU no Concelho da Moita
Por Vanda Figueiredo
Moita


Carta Aberta a António Costa
Pela justiça no acesso aos Fundos Comunitários na Península de Setúbal
Por Tiago Sousa Santos
Barrei


O aeroporto do Montijo. Dos mitos à realidade.
Por Carlos Matias Ramos, Carla Marina, José Encarnação, Nuno Cavaco


O PODER DO CAPITAL E A DEMOCRACIA, uma pequeníssima reflexão sobre a nossa cidade e tudo o resto.
Por André Carapinha
Barreiro


A Quinta Braamcamp é de todos e é para todos!
Por José Encarnação
Barreiro


Autarquia Em Modo Off
Por Alexandra Serra
Sesimbra


ASSOCIATIVISMO
Moita - Dia do Voluntariado do Montepio no CRIVA
«Vamos Valorizar a Comunidade do Vale da Amoreira«


Barreiro - No Mercado Mensal de Coina
Rastreio gratuito da Diabetes Tipo 2


Moita - Um stand com o tema «O que nos une»
CRIBB presente na Feira de Projetos Educativos


Lugares marcados por histórias
Exposição «Associativismo no Barreiro - Os lugares, os factos e as pessoas»


Setúbal - 96º aniversário do CNE Corpo Nacional de Escutas
Cristo Rei em Almada recebe este ano as comemorações


Barreiro - Formação Profissional RUMO
Qualificação profissional de Pessoas com Deficiência e/ou Incapacidade


Barreiro - Cooperativa Cultural Popular Barreirense
Sessão Debate «Associativismo e Cooperativismo Pilares da Economia Social»
. 106º an


GRUPO DESPORTIVO FABRIL DO BARREIRO
Assembleia Geral analisa Relatório e Contas do ano 2018


POSTAIS
Barreiro - Persona comemora 26º aniversário
Visita Exposição sobre associativismo


Barreiro - Foto do Dia
O “pelourinho” da Urbanização dos Loios


ArteViva - Companhia de Teatro do Barreiro
«O Animador» - onde começa o mundo real e acaba a ficção?


Barreiro - Grupo Recreativo União Penalvense
Um ponto de encontro de gerações
. Polo de animação da Penalva


EUROPA
Rede Europeia Anti-Pobreza - Núcleo Distrital de Setúbal
ELEIÇÕES EUROPEIAS - Por uma Europa Livre de Pobreza!


Alterações às Leis Eleitorais
Eliminação do Número de Eleitor


inferências rostos.pt - o seu diário digital

Inferências
A Quinta de Braamcamp não é um território abandonado
. O proprietário é a CMB

Inferências<br>
A Quinta de Braamcamp não é um território abandonado<br>
. O proprietário é a CMBAfinal, o Barreiro na sua história teve três patrões – o da CP/ferroviários, o da CUF, e, o da expansão urbana - a Construção Civil.
Hoje, infelizmente, está reduzido ao patrão estado…mas, pelos vistos, a opção que está de novo na agenda dos políticos locais é apostar no regresso do patrão construção civil.

É necessário começar por referir que, se existe o tema Braamcamp, hoje, na agenda politica local, deve-se à coragem de tomar decisões, mesmo com criticas – eu fui dos que critiquei, por considerar que o Barreiro tinha outras prioridades, nomeadamente a resolução dos problemas da sua rede de abastecimento de águas, do seu sistema de saneamento, até, o estado da rede viária.

Falei sobre isto com Carlos Humberto, anterior presidente da Câmara, que, objectivamente, defendeu que a ligação da cidade ao rio era um potencial de grande importância para o desenvolvimento. Aceitei as opções. Percebi. Era, afinal, dar continuidade ao trabalho que vinha a ser realizado, no âmbito do programa REPARA, com a construção dos passadiços e, até a compra de parcelas de terrenos e património em Alburrica, agora, com esta decisão da compra da Quinta da Braamcamp, alargando essa visão para outro espaço do território, numa linha de continuidade e valorização da zona ribeirinha.

Sei que estava tudo em aberto, mas, feita a compra, concretizado um negócio que levou alguns anos, era necessário reflectir, dialogar com a população, abrir o dossier, avaliar caminhos e opções.
As eleições autárquicas foram ganhas por outra força politica, que defendia visões para o território – a roda gigante está na memória. Enfim, o importante era criar uma visão.

Depois, conquistado o poder, torna-se pública a opção de venda, e, até ao dia de hoje, não conheci argumentos plausíveis sobre as razões dessa opção. Nunca entendi a ligação ao conceito de cidade que se projecta. Existe uma ideia central adquirida e, portanto, sobre essa opção, pelos vistos, não há nada a fazer, antes pelo contrário, o que se faz é gerar correntes de opinião, de forma a tornar irreversível esta opção e colocá-la na opinião pública como uma espécie de “galinha dos ovos de oiro”, que vai criar emprego e vai atrair uns milhares de turistas. Portanto, quem não estiver de acordo, é porque não tem visão de futuro.
Criam-se contextos que não correspondem à realidade para induzir opiniões. O que considero mais grave é apontar-se a ideia de um espaço ao abandono. Iludindo a realidade.

Na última reunião da Câmara Municipal do Barreiro, os vereadores da CDU e o vereador do PSD, questionaram sobre um estudo de opinião promovido pela autarquia, nomeadamente que gostavam de conhecer as perguntas feitas através do dito inquérito. Foi referido que oportunamente o dito e os resultados seriam divulgados.

E, na verdade, no dia seguinte, já circulavam nas redes sociais algumas perguntas e os resultados das percentagens às respostas, veiculadas pelo Partido Socialista.
Isto é de bradar aos céus. É apenas, e só, uma falta de respeito por quem foi eleito, com os votos dos barreirenses, que representam – a CDU- 11.448 eleitores; o PSD – 3.912 eleitores. O PS que venceu com a maioria relativa obteve o apoio de 12.913 eleitores.
O desrespeito institucional não é pelos vereadores da CDU e PSD, é pelos eleitores, é pelos cidadãos que elegeram aqueles autarcas.

Afinal, cada vez mais de se confunde guerrilhas politicas partidárias com o funcionamento do órgão municipal.
Fiquei perplexo. Mas, de facto, cada vez, fico mais apreensivo e nada me espanta. Acho que, nos dias de hoje, tudo é permitido, desde que sirva para estimular o conflito partidário – tácticas e politiquices.

A politica local está a atingir o nível da vulgaridade, do diz que diz-se, das provocações sem respeito, as ofensas veladas, num casino politico onde, afinal, a roleta do fazer politica, gira em torno do apanágio da palavra democracia – de bons e maus democratas. Sim, e depois há, também. o culpado de tudo - o mensageiro.

Li com atenção, aquelas perguntas divulgadas e os resultados. Até pensei, sem outra informação complementar, se estas perguntas me tivessem sido feitas, certamente, era capaz de responder sim, porque, de facto, considero que aquele território é uma mais valia para o concelho. Eu, certamente, estaria nos 90% que concorda que a requalificação é uma mais valia para o Barreiro e para a zona ribeirinha. É natural.
Igualmente, considero essencial a requalificação urbana da zona ribeirinha. Obviamente.

O que me indignou naquelas perguntas foi aquela nota, relativa à recuperação de uma vasta zona do território de 21 hectares - HOJE ABANDONADOS. O que está abandonado não é de ninguém. Está degradado, e todos sabemos as razões.
Um dia em tempos idos, num debate filosófico, com um amigo, eu dizia-lhe, que as perguntas trazem, sempre, dentro de si as respostas.
E, neste caso, isso é óbvio, se os territórios estão HOJE ABANDONADOS, só alguém sem nexo, e sem visão, pode estar contra a requalificação e venda – 5% habitação e 95% para zonas desportivas e espaços verdes.

O problema de fundo, a questão politica central, sem qualquer dimensão de avaliação partidária, apenas no pensar politicamente a polis, a verdade é que aqueles territórios HOJE NÃO ESTÃO ABANDONADOS. HOJE SÃO PROPRIEDADE DO MUNICIPIO DO BARREIRO.
Aliás, sabemos que deixaram de estar abandonados quando foi assinado o Contrato Promessa de Compra, em 8 de Fevereiro de 2016. A assinatura da escritura foi em 19 de Dezembro de 2016. Desde estas datas pela acção politica liderada por Carlos Humberto, deixaram de estar abandonados.
Desde estas datas é que foi possível começar a pensar uma estratégia. Desde essas datas que não estão ao abandono.

E, já agora, que se saiba foi feita uma candidatura para uma primeira intervenção de limpeza do espaço e recuperação do território de forma a permitir a sua fruição. Essa candidatura não avançou. Dizem porque impedimentos atrasos do Tribunal de Contas e porque a correção da candidatura era negativa em termos de custos. Não se deixou cair, foram as exigências do Tribunal de Contas que levaram à queda. Mas, diz-se, até, que se tivesse caído a candidatura e avançado uma nova, então, seria mais benéfico.
Então, se assim era, porque não caiu mesmo e avançou uma nova? Porque, talvez, já estava decidido o que está decidido. Sim, não é vender, é alienar.

Nunca esquecer, e isso deve ser dito à população, aos inquiridos, que aquele território já não está ao abandono e, de facto, o seu estado actual de degradação, deve-se, em primeiro lugar à a falência da empresa, depois ao declínio do imobiliário.
Recordo que, mesmo que em tempos idos, se pretendeu avançar com construção do que era possível urbanizar. Isso, recordo, foi defendido na gestão de Emídio Xavier. Não avançou porque o mercado imobiliário já estava em ruptura.
Não avançou isso, nem tanta coisa – a TTT, o Masterplan, a Cidade do Cinema, o POLIS, e tanta coisa ficou pendurada.

Hoje, repito, a Quinta de Braamcamp não está ao abandono, está degradada, o que é muito diferente, mas, tem um proprietário – Câmara Municipal do Barreiro. Que não sabe o que fazer do que recebeu do anterior executivo. E a única opção que vê, e aponta como caminho é a venda. Ponto final.

Repetir, para que conste e faça fé, aqueles territórios estiveram, em sequência da falência dos seus proprietários e processos de insolvência, sem soluções, sem opções, até, mesmo, sem qualquer viabilidade de construção. O mercado imobiliário viveu nos últimos anos das crises mais dramáticas. Não sabem que existiu a troika?

Degradaram-se. Incêndios. Roubos. Sim, era uma propriedade privada ao abandono e a degradar-se. O municipio agiu para lhe dar qualidade e dar qualidade de vida à zona ribeirinha.

Aqueles territórios são hoje parte integrante de uma visão de aproximar a cidade do rio, como foi feito em Alburrica. – onde também foi necessário comprar parcelas privadas, para se chegar ao que hoje chegou e fruir com qualidade a zona ribeirinha.
Sobre Alburrica, Braamcamp, Mexilhoeiro, Clube Naval, não devia ser colocado o carro à frente dos bois, nem induzir respostas, nem fugir de uma amplo debate público, em torno da revisão do PDM, ou na construção de um Plano de Pormenor.
“A precipitação tudo destrói, porque é cega”, disse Tito Livio. Esta é a frase de hoje no jornal «Público». Fica o registo.
O problema é que o executivo municipal na sua maioria PS- PSD, apontam a venda como a melhor solução. E, para além da venda, até ao momento, não se percebe o conceito estratégico.

A CDU está contra, e, não diz quais as suas opções concretas. Fala, e, todos sabemos, hoje, pelas campanhas de rotular as suas posições politicas tudo o que vem da CDU, são considerados comportamentos de aziados. A CDU está estigmatizada, mas tem posições justas, que são aquelas que enquanto força politica tomou a decisão de comprar a Quinta de Braamcamp.
Se alguém tem autoridade moral para levantar a voz sobre esta matéria é a CDU. Mas, as correntes de opinião geradas e induzidas nas redes sociais, levam muitos a considerar que age porque tem azia, ou não tem visão, ou é retrograda.
E, na prática, hoje, quem defende posição verosimilhantes à CDU, fica na mesma rota de classificação mental.
O nível da discussão, conduz a estes contextos.

Faz lembrar aqueles tempos quando quem criticava a autarquia, era logo rotulado de reaccionário. Hoje quem critique recebe logo o rótulo de comunista.
Procura-se colar toda a gente ao PCP. Já gora, por acaso, ontem, estive a falar com um socialista, que me disse discordar das opções do executivo municipal. E sei que há mais. Se calhar, fazem parte dos tais 200 que, generosamente, são referenciados, como os críticos existentes. E se fossem 200, não merecem ser ouvidos?

O PSD exige uma definição estratégica, a ligação do território ao centro da cidade, e, tem opções, até naturais pela solução de venda apontada, porque vai de encontro à sua visão ideológica dos mercados.
Mas, de facto, está nas mãos do PSD, que as decisões que venham a ser tomadas sobre esta matéria, tenham por base com alguma visão estratégica. É o voto charneira.

A esquerda da geringonça aqui no Barreiro não funciona, aqui, a esquerda é incapaz de dialogar, e vive uma luta fratricida.
O PSD, cada vez mais, está a sentir que este conflito permite-lhe construir o seu futuro. Não me admira nada, que nas próximas eleições, pela primeira vez suba fortemente e, se calhar, entre na luta pela presidência. Já nada me admira no Barreiro. Se calhar até merece.

Voltando ao inquérito, o que registo da leitura das perguntas divulgadas, é que, qualquer uma delas contêm dentro de si os sinais que induzem a resposta, directa ou indirectamente.
A Quinta do Braamcamp não pode ser mais apenas uma “obra” para dar nas vistas, não pode ser uma matéria de uma decisão casuística. Não pode ser um mero negócio que prevê 5% de habitação.

A polémica a preto e branco sobre o vender ou não vender. É uma falsa polémica.
Não há qualquer inconveniente que se pense a venda de alguma parte. Eu não tenho. Porque não, se isso viabilizar outros projectos.
O problema não é polémica vender versus não vender, isso é para desviar o sentido do debate principal. O problema é de saber porque existe a opção de vender tudo. Isso origina que o municipio não vai ter qualquer decisão futura sobre aquela parcela do território, só terá com o acordo com o proprietário. E os acordos blindados ´desblindam-se´ em Tribunal, basta um qualquer acontecimento que coloque em causa o acordado. O proprietário tem direitos inalianáveis.

A polémica dos bons e maus, dos que estão contra e os que estão a favor. Os que querem o bem e os que querem o mal. É outra falsa questão.
Uma cidade não se constrói para socialistas, nem para sociais democratas, nem para comunistas, nem para bloquistas. A cidade é de todos, é construída para todos. O que for feito de bom beneficia todos, o que for feito de mal prejudica todos.

Interrogo-me. Porquê um campo de futebol? Só para diversão. Destinado à competição? Quantos lugares? Que estacionamento vai ser necessário? Que acessos vão ser construídos?

Um amigo, um destes dias, perguntava-me: ´Estás com o grupo Não vendas a Braamcamp´?.
Respondi não estou com grupo nenhum. Estou na defesa do melhor para o Barreiro.
Quero perceber. Quero entender. E, na verdade, há muita coisa confusa neste processo. Inquéritos. Falta de debate. Ilusões. Falsas polémicas. Excesso de politiquice. Falta uma liderança que motive o diálogo entre opções.
O que tenho assistido é uma constante barragem de propaganda, de marketing, de conversas a preto e branco, sem debate de ideias, nem de futuro.

A Quinta da Braamcamp está na agenda politica autárquica porque o executivo anterior tomou a decisão histórica de comprar aquele território.
Carlos Humberto teve um papel de referência, com base num pensar cidade e fazer cidade. Pensamento que hoje não vejo ser equacionado.

O actual executivo recebeu uma herança…e agora, por vezes parece querer deitar fora o menino conjuntamente com a água do banho. O menino lá dentro – é um menino chamado potencial - ambiental, económico e cultural.
O mais certo é o actual executivo ficar na história como aquele o que tomou a decisão histórica de vender a Quinta de Braamcamp. Vendeu está vendido.

Afinal, esta decisão, já o disse, é uma decisão que vai ser, sem dúvida, a porta que abre o caminho para a linha condutora e ideias-força para elaboração da estratégia de revisão do PDM. Não está aqui em causa a Quinta de Braamcamp, está aqui em causa a estratégia para o desenvolvimento. O resultado final é que vai anunciar o futuro.

Um concelho de expansão urbana, ou um concelho que se quer requalificado e revitalizado, que recupera estrategicamente os milhares de fogos que estão por construir e os outros que estão fechados. Um concelho centralizado na «vila», ou um concelho de sitios e lugares.
O futuro deste território de 36Km 2 vai começar naquilo que forem as decisões do processo Braamcamp!

Afinal, o Barreiro na sua história teve três patrões – o da CP/ferroviários, o da CUF e, o da expansão urbana - a Construção Civil.

Hoje, infelizmente, está reduzido ao patrão estado…mas, pelos vistos, a opção que está de novo na agenda dos políticos locais é apostar no regresso do patrão construção civil.
É isso, já se vêem gruas no Barreiro!
E, certamente, em breve existirão gruas na Braamcamp.
É o futuro anunciado. Construa-se!

António Sousa Pereira

14.05.2019 - 19:30
Imprimir   imprimir

rostos.pt - o seu diário digital

rostos.pt - o seu diário digital

Partilhar: partilhar no facebook  TwitThis  digg it  Google Bookmark  Technorati  guardar link no del.icio.us 

rostos.pt - o seu diário digital

PUB.

rostos.pt - o seu diário digital

comentários

nome: aliette martins
comentario: Excelente reflexão. Falta que a saibam ler e a interpretar. Agradeço a exposição escrita Sousa Pereira. Aliette Martins

rostos.pt - o seu diário digital

envie o seu comentário

rostos.pt - o seu diário digital

PUB.

rostos.pt - o seu diário digital





rostos.pt - o seu diário digital

Pesquisar outras notícias no Google

rostos.pt - o seu diário digital

rostos.pt - o seu diário digital

Design: Rostos Design. Fotografia e Textos: Jornal Rostos.
Copyright © 2002-2019 Todos os direitos reservados.

PUB.

AVISO DE APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS
ENTRE 02 DE MAIO E 15 DE JULHO 2019

PUB.

PUB.

REVISTA ROSTOS

PUB.

PUB.

PUB.

PUB.

ROSTOS APOIA

PUB.

DAMOS ROSTOS ÀS CIDADES

DIVULGAÇÃO

EDIÇÃO IMPRESSA


OUTRAS EDIÇÕES

  

  

VIDEOS ROSTOS

CANAL ROSTOS NOS VIDEOS SAPO


LIGAÇÕES

MARTA SOUSA PEREIRA Photography


ENTRE TEJO E SADO - BLOG SAPO LOCAL


SAPO LOCAL


GOOGLE NEWS - BARREIRO


JORNAIS E REVISTAS


CAMARA MUNICIPAL DO BARREIRO


CAMARA MUNICIPAL DA MOITA


BLOG DEDICADO A LAURA SEIXAS


ARTBARREIRO.COM


BANDA MUNICIPAL DO BARREIRO


MEMBRO DA

AIND