Conta Loios

inferências

Por dentro dos dias
Barreiro no guetto vai continuar estagnado

Por dentro dos dias<br>
Barreiro no guetto vai continuar estagnado<br>
O Barreiro no guetto vai continuar estagnado e reduzido a muita obra dessa que vimos no terreno. Num tempo que a autarquia tem das melhores situações financeiras de sempre, ainda hoje, não se sabe que estratégia existe para ajudar o comércio local, neste tempo COVID.

Acordei, calmamente, porque os dias, cada vez mais, são para viver com serenidade, harmonia, senti-los com o prazer de quem sente o tempo. Cada vez mais penso que, agora, é tempo de praticar a vida e deixar de pensar, no como praticar a vida.
Acordei, e, como faço diariamente, gosto de olhar a paisagem, escutar o comboio a rumar ao sul, sentir o sol nos olhos. Sorrir.
Vou comprar o jornal. Quando estava na papelaria, leio um título, e, não contive uma enorme gargalhada.

Recordei que um dos mandatos que, certamente, mais obra foi feita no concelho do Barreiro, faça-se justiça, foi no último mandato CDU, liderado por Pedro Canário. Fez obra e legou obra. Fez obra e legou obra estruturante. Deixou o Parque da Cidade. Legou o arranque do Polis. Deixou as Oficinas dos TCB. E, com tanta obra, a CDU perdeu nesse mandato as eleições para o PS, porque o PS prometeu um Barreiro novo e de futuro.

E, foi Emidio Xavier que concluí parte do legado de Pedro Canário. o Centro Comunitário do Lavradio, o Auditório Municipal Augusto Cabrita. O mandato de Emido Xavier, também foi rico em obra, por exemplo, o Mercado Municipal de Santo André, a Piscina Municipal do Lavradio, a ligação entre a Quinta da Lomba e Casquilhos, o viaduto na passagem de nível da Recosta, a escola Jardim de Infância nos Fidalguinhos, o apoio ao novo Quartel dos Bombeiros Voluntários do Barreiro ( já vindo de mandatos anteriores), o Refeitório da Escola Básica de Coina, recuperação de Parques Infantis, requalificação da Avenida Alfredo da Silva. E, as bases de uma estratégia para um Plano Director Municipal com uma visão do concelho como centralidade na península de Setúbal e na AML.
E, Emidio Xavier, perdeu as eleições.

E, para não falar das muitas obras e muitas rotundas feitas nas gestões de Carlos Humberto. Conclusão de novas fases do Polis. Passadiços de Alburrica. Reabilitação de Avenida da Praia, Rua Miguel Pais. Escola Básica Seixas. Escola Básica da Penalva. O Repara. A requalificação da Cidade Sol, um exemplo que o Barreiro é mais que 2830. E, mais muito mais...tudo o que legou ao actual mandato. Obras de ligação do Parque Catarina Eufémia a Alburrica. Rotunda das Salinas, no Lavradio. Processo da Quinta das Canas, que permitiu obras do LIDL. Futura obra da Doca Seca da CP. Negociação em fase de conclusão que permitiu obra na Miguel Pais, em Alburrica. Moinho Pequeno. Rotunda Dos fidalguinho, já negociada com a Câmara da Moita. Renovação total da frota dos autocarros. Isto e mais, foi legado de um concelho sem obra. Valha-me Deus!

E todos os mandatos referidos, com uma autarquia a viver numa dificil situação financeira, com empréstimos e limitações, no período antes e pós troika.
Foi por isso que dei uma gargalhada. É que o tempo, nesta terra, ensinou-me que nem só de obra vive o homem. Há mais, muito mais.
Sim, sei que hoje, é possivel iludir e ganhar eleições com videos, com montagens de rodas gigantes, com a gestão de «cantaroladores» das redes sociais.

Mas, a minha gargalhada resultou mais da segunda linha da leitura, aquela do concelho estagnado. Foi aqui que o meu riso brilhou nos olhos. Deliciei-me.
Um concelho que se estava estagnado, continua a estar estagnado e vai continuar a estar estagnado, enquanto os sonhos de Emidio Xavier e Carlos Humberto, não se concretizarem, esse de dar vida e gerar emprego no antigo espaço industrial, seja quimico, metalomecanico ou ferroviário.
Enquanto não existir estratégia para o concelho do Barreiro e o fazer politica limitar-se a fazer gestão para votos – agora é a chamada gestão 2830 -, essa que já tem raízes na anterior campanha eleitoral, só que na altura era «plataforma 2830» - uma espécie de grupo de pressão, a dizer que se queria inovação. Mera ilusão. Mas conseguiu o que queria, o resto é treta.
O Barreiro no guetto vai continuar estagnado e reduzido a muita obra dessa que vimos no terreno. Num tempo que a autarquia tem das melhores situações financeiras de sempre, ainda hoje, não se sabe que estratégia existe para ajudar o comércio local, neste tempo COVID.

O Barreiro vai continuar estagnado a viver as ilusões do «coaching» e «marketink».
Por isso, dei uma grande gargalhada, hoje, pela manhã...e soube tão bem rir com os olhos no sol.

António Sousa Pereira

16.09.2020 - 13:33

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2020 Todos os direitos reservados.