Conta Loios
rostos.pt
PESQUISAR     
    HOME  |   FICHA TÉCNICA   |   ESTATUTO EDITORIAL   |   EDIÇÃO IMPRESSA  |   NEWSLETTER  |    RSS  |    TWITTER  |    FACEBOOK  
INFERÊNCIAS
Horóscopos Diários
Dia 25 de Abril 2019
Por Maria Helena


A(nota)mentos - Barreiro
Beijo nos lábios vermelhos de Abril
– o sabor da palavra Liberdade


Rosto da Semana – Barreiro
Manuel Fernandes – o rosto de uma festa feita de presente e futuro


Por dentro dos dias – Barreiro
Do navegar é preciso…ao sobreviver é preciso!


Inferências
O tema central não é a Quinta do Braamcamp, é o PDM é a estratégia para o concelho.


ROSTOS DO ANO 2018
Reconhecimento aos que contribuíram para valorizar o concelho do Barreiro
. ROSTO DO ANO António Cordeiro


COLUNISTAS
Igualdade
Por Nuno Santa Clara
Barreiro


Falam, falam, falam e não fazem nada…
Por Nuno Miguel Fialho Cavaco
Moita


Quadro Comunitário de Apoio para o período 2021-2027
Por José Caria
Montijo


O dianho do «crowdfunding»
Por Carlos Alberto Correia
Barreiro


Até amanhã Sr. Alexandre. Bom Natal
Por Jorge Fagundes
Barreiro


O Barreiro está um pouco mais pobre!
Por Nuno Banza
Barreiro


BASTIDORES
Seixal - Com os votos contra do PSD e a abstenção do PS
Parlamento chumba medidas propostas pelo PCP para reduzir a poluição em Paio Pires


Sesimbra - Comemoração do 45º Aniversário do 25 de Abril
Homenagem a Manuel Alfredo Tito de Morais.


Bloco de Esquerda defende ligação Barreiro - Lisboa
Terceira Travessia do Tejo em modo ferroviário.


MOITA - VEREADORES DO PS VOTAM CONTRA O RELATÓRIO E CONTAS DE 2018
Precisamos de outras opções que certamente resultarão noutras contas


Aquisição de duas viaturas para o Programa Escola Segura no Barreiro
Bruno Vitorino considera necessário que CMB adquira face à incapacidade do Es


ENTREVISTA
Barreiro - TCB pode alargar serviço a concelhos limítrofes
Colaborar na mobilidade de Sesimbra, Palmela e Seixal para além da Moita
. Novos au


Desconstruir aquela ideia do Barreiro coitadinho
Projecto «Start XXI» uma aposta no desenvolvimento económico


AS EMPRESAS
Barreiro - Perturbação no regular funcionamento das carreiras
ALTERAÇÃO PROVISÓRIA DE PERCURSOS
. Carreiras 3, 6, 318, 701 e 702


Nos concelhos de Almada, Barreiro e Seixal
Embaixador do Qatar e Empresários Brasileiros visitam territórios Lisbon South Bay


DESPORTO
Barreiro - Patinagem Artística do Fabril única representante do Distrito de Setúbal
No Portugal Chapatim Roller Cup 2019 em Matosinhos


Campeonato de Portugal de Juniores e Absoluto 420
Clube de Vela do Barreiro coloca duas tripulações nos 5 primeiros lugares do Nacional


Moita - 26º Grande Prémio de Atletismo da Fonte da Prata
No âmbito do AtletisMoita vai ter lugar a 4 de maio


Campeonatos Nacionais de Jovens Clássicas de Xadrez em Portimão
Hugo Ferreira Sub 20 e Ferroviários do Barreiro conquistam 2º lugar


Barreiro - Raquel Augusto atleta de Ginástica Ritmica
Campeã Distrital em Movimentos Livres e Vice Campeã em Bola e Fita
. Apurada par


PERSONALIDADES
associação informal VULTOS DA NOSSA TERRA
HOMENGEM A JORGE TEIXEIRA
. APELO


AS ESCOLAS
Barreiro - Escola Secundária de Casquilhos na Lituânia
Erasmus+ - Projeto DE.CO.DE


Barreiro - Agrupamento de Escolas Augusto Cabrita
Presente na Polónia no encontro Erasmus «Um homem são num ambiente são»


Barreiro - Agrupamento de Escolas Augusto Cabrita
Participou na 17ª Edição do Prémio Internacional Marco & Alberto Ippolito na Roménia


REPORTAGEM
Barreiro – Rute Pio Lopes abre Encontros «O autor e os livros»
Fotografia foi sempre uma grande paixão da minha vida
. Sintonia é unir palavra


Rui Braga, responsável pela comunicação da Câmara Municipal do Barreiro
Alerta que «notícias falsas» não acontecem por acaso>
. «Perfis falsos


Barreiro - Escola de Música do Penalvense
Onde se aprende música fazendo música


Barreiro – Constituída «Plataforma contra a Venda da Quinta do Braamcamp»
Lançada a proposta de promover o DIA B – Braamcamp
. Constru


António Costa entregou a chave do primeiro dos 60 novos autocarros a gás dos TCB
Investimento total superior a 18 milhões de euros


Gilberto Gomes no Rotary
Barreiro não conseguiu recuperar os milhares de postos de trabalho que perdeu na CUF e nos ferroviários


MOLDURA
Seixal - Espetáculo comemorativo dos 45 Anos do 25 de Abril
Adiado para hoje dia 25 de Abril


Num percurso de cerca de 150 quilómetros pela antiga canada real
Romeiros transportam Nª Srª. da Boa Viagem da Moita a Viana do Alentejo


Moita - Comemorações do 45º aniversário do 25 de Abril
Concerto com Ana Moura adiado para 30 de abril


Barreiro - Conhecido o vencedor da Bolsa de Criação OUT.RA 2019
Produção e edição do novo disco do músico Van Ayres dão corpo ao projecto sele


Em Junho o 1º Festival de Jazz do Barreiro
JAZZ NO PARQUE 2019


Barreiro -Encontro «Alburrica/Quinta do Braamcamp em Debate»
«Estuário do Tejo e suas áreas ribeirinhas: estratégia para a sustentabilidade e d


No Salão dos Bombeiros Voluntários do Barreiro
Almoço comemorativo do 45.º aniversário de 25 de Abril
. Dia 28 de Abril, 13 horas


Arrancou no Município do Barreiro
Amarsul promove ações de sensibilização junto a ilhas ecológicas


Barreiro – Reserva o Sábado
Passeio Botânico


AUTARQUIAS
Assembleia Municipal do Barreiro
Sessão Solene Evocativa do 25 de Abril
. Momento musical pela Escola de Jazz do Barreiro



Barreiro - António Couceiro Machado, ex-professor universitário
Contou como aconteceu a Revolução do 25 de Abril aos alunos do 4º ano


Barreiro uma cidade amiga das famílias e das crianças
Bruno Vitorino quer equipar instalações municipais com fraldários


Rui Garcia, Presidente da Associação de Municípios da Região de Setúbal
«Portugal é hoje mais dependente, menos soberano»


Associação de Municípios da Região de Setúbal
Seminário «Educação – Autonomia? Transferência de Encargos ou Descentralização»


Moita - Centro de Saúde da Baixa da Banheira
Aprovado contrato-programa para construção


OPINIÃO
«A QUINTA BRANCAAMP É DE TODOS!»[3]
Por Armando Sousa Teixeira
Barreiro


CDU impede aumento de preço em viagens dos TCB
Por Rui Lopo
Barreiro


O Dia B – Movimente esta ideia
Por Sofia Martins e Mónica Duarte
Barreiro


Autarquia Em Modo Off
Por Alexandra Serra
Sesimbra


«isto ainda vem do seu tempo, não é?»
Por Rui Lopo
Barreiro


BARREIRO E BRAAMCAMP: UM EXERCÍCIO DE MEMÓRIA
Por André Carapinha
Barreiro


Pela constituição urgente da Polícia Municipal no Barreiro
Ana Beatriz Santos
Barreiro


O Provedor do Preconceito
Por Tiago Coluna
Barreiro


ASSOCIATIVISMO
Festas de Constância em Honra de Nossa Senhora da Boa Viagem
Clube Naval Barreirense presente em representação do Município do Barreiro


Intercâmbio cultural Moita - Redondo
I Intercâmbio de Grupos Corais e Instrumentais Séniores


Moita - Grupo Recreativo Familiar no Bairro Gouveia
Escolas Jogo do Pau


LIVROS
Dia Mundial do Livro em Grândola
Apresentação do livro «José Saramago: rota de vida — uma biografia»


POSTAIS
Barreiro - Em Coina reviver Abril no coração
«25 de Abril, sempre!» gritaram numa só voz


Barreiro - Equipamento queimado em Alburrica
Actos de vandalismo destroem equipamentos desportivos


Moita – Centenário da «Catraia de Lisboa»
«Apesar de ter 100 anos continua a ser uma catraia»


Barreiro -Um documentário dedicado ao DIA B
O Pulsar da Cidade


ArteViva - Companhia de Teatro do Barreiro
«O Animador» - onde começa o mundo real e acaba a ficção?


Barreiro - Grupo Recreativo União Penalvense
Um ponto de encontro de gerações
. Polo de animação da Penalva


ARTES
Companhia de Dança contemporânea no Barreiro
«O Quorum Ballet» subordinado ao tema «A SAGRAÇÃO DA PRIMAVERA Made in China»


EUROPA
Comissão Europeia regista a iniciativa
«Europe CARES — Uma educação inclusiva de qualidade para crianças com deficiência»


Opinião pública em Portugal relativamente à União Europeia
Eurobarómetro 90: Portugueses mais confiantes na economia e no emprego


opinião rostos.pt - o seu diário digital

BARREIRO E BRAAMCAMP: UM EXERCÍCIO DE MEMÓRIA
Por André Carapinha
Barreiro

BARREIRO E BRAAMCAMP: UM EXERCÍCIO DE MEMÓRIA<br />
Por André Carapinha<br />
Barreiro<br />
Há muita coisa para fazer no Barreiro, e muito pode e deve ser feito para fazer esta cidade crescer de um modo sustentado, mas não será certamente vender as suas zonas nobres aos pedaços, como acontece neste momento, e não só quanto à Quinta do Braamcamp.

Fui criança no Barreiro dos anos 80. Nesse tempo, em que se apostou pela última vez na indústria pesada, resultado da nacionalização da CUF e da sua transformação em Quimigal, o normal para uma criança desta terra era a poluição. Nunca me esquecerei da nuvem que cobria o Barreiro e em que eu mergulhava todas as noites de terça e quinta feira quando descia da Quinta da Lomba para ir treinar futebol de cinco no histórico clube 31 de Janeiro, “Os Celtas”, e também da diferença que havia entre os dias de semana dos treinos e os fins de semana dos jogos, naquilo a que nuvens carregadas e mal cheirosas dizia respeito. Esses tempos gloriosos em que fui titularissmo e ídolo da torcida do “31”, se bem me lembro ou quero lembrar, foram também, e disto não tenho quaisquer dúvidas, os responsáveis pela doença asmática que carregarei até ao fim da minha vida, e que, sabemo-lo, afecta um número desproporcionado dos meus conterrâneos desses tempos que, como eu, cresceram a jogar à bola no meio do nevoeiro dos fumos da fábrica, e que ainda hoje identificam ao longe o cheiro de uma descarga de amoníaco.

Outra coisa que esses meus amigos dessa altura se lembrarão bem, é do rio. Nós ali pela Quinta da Lomba, e em especial na Quinta dos Arcos, onde eu cresci, era só vir o calor da primavera e começavam os banhos, os saltos da muralha e os passeios no barco da minha mãe. Conhecemos tudo daquelas margens do rio, aquelas que mudaram e aquelas que ainda são como eram. Entre aquelas que mudaram, estão os esgotos que lá desaguavam sem tratamento algum, e que não eram um, nem dois, nem três, eram exactamente cinco naquele troço que vai entre a antiga muralha que agora faz parte do Polis e outra parte que foi arroteada a caminho da Verderena, onde o Polis ainda está por terminar, e onde havia uma pequena praia que desapareceu. Isto não é de somenos, porque nós, crianças dos anos 80 deste nosso Barreiro, mergulhávamos literalmente no meio da merda, do lixo dos esgotos sem tratamento. Isto que nós fazíamos na “Praia da Copacabana”, faziam os outros putos todos, na Recosta, na Alburrica, na Avenida da Praia, na Barra-a-Barra. Mergulhos no Rio Tejo desse tempo.

Nos anos 90, quando era adolescente e quando a fábrica começou a fechar e foi fechando muito depressa, lembro-me de outras coisas desta cidade: de haver muita pobreza e muita malta agarrada à heroína, de amigos meus que morreram por causa disso, de uma vida nocturna vibrante no Barreiro Velho, de o barco para Lisboa demorar muito tempo e por isso a malta ficar toda por cá, de gostarmos de música e de arte em geral e de não haver quase nada a passar-se e de por isso começarmos a organizarmo-nos para fazer coisas acontecer. Também de ir para a faculdade no barco da 8 da manhã, onde encontrava amigos que iam trabalhar para Lisboa, porque não havia trabalho no Barreiro, e iam para as obras em Sacavém ou para o escritório em Picoas. Entretanto, em 1998, tentou-se instalar por aqui uma unidade de co-incineração de resíduos tóxicos. Nessa altura, e isto é importante que se lembre, perante certas hesitações dos poderes municipais desse tempo, foi a população do Barreiro que se levantou e mobilizaram-se mais ou menos à revelia dos partidos políticos centenas ou milhares de pessoas, entre escolas, colectividades e associações, que ajudaram a impedir esse projecto. Já nessa altura se notava que a herança do passado industrial do Barreiro, que construiu esta terra, era tudo menos pacífica e que os barreirenses sabiam bem dos custos desse modelo de desenvolvimento. Nesse movimento de 1998 estava, creio, já contida uma ideia sobre o futuro do Barreiro.

Esta ideia que no fundo é o resultado do passado do Barreiro-fábrica, não deixa de nos aparecer, uma e outra vez, sob a forma de dilema: o conflito entre a recuperação do Barreiro para os seus cidadãos e a nostalgia de uma cidade “desenvolvida”, ou seja, onde há emprego e criação de riqueza. Para além disso, a inserção do Barreiro na Área Metropolitana de Lisboa tem sido mais difícil do que a de outras terras devido a este passado, uma vez que a sua suburbanizaçáo começou mais tarde quando comparado com localidades que sempre foram subsidiárias da capital.
Desde o inicio dos anos 2000, o Barreiro beneficiou de uma série de obras que devolveram à cidade muitos espaços, que abriram a cidade ao rio, que criaram locais de lazer de qualidade. A criação de ETARs ao longo de todo o estuário do Tejo, ao mesmo tempo que as quase todas as indústrias da sua margem iam desaparecendo transformaram esse rio poluído e cheio de coliformes onde mergulhávamos quando putos num Rio Tejo onde a vida marinha regressou, onde pescamos e comemos sem medo robalos e corvinas. Apesar de tudo o que falta fazer, a qualidade de vida do Barreiro actual em termos ambientais e de espaços de usufruto para a sua população não tem qualquer comparação com os anos 80.
No entanto, de tempos a tempos, eis que surge o fantasma: um projecto qualquer, uma ideia suprema, um “investimento”. Eis que se quer fazer da frente ribeirinha um terminal de contentores, dos céus do Lavradio as traseiras de um aeroporto, ou de um qualquer espaço nobre da cidade um grande projecto imobiliário. Serão, diz-se então, estes investimentos que irão resolver a quadratura do círculo entre a ideia mais ou menos real do passado de uma cidade vibrante e cheia de “actividade económica” e aquilo de que os cidadãos do Barreiro já não abdicam, que é o de serem habitantes de uma cidade moderna, com as suas particularidades e as suas idiossincrasias, e não dos arrabaldes de uma fábrica onde deixaram o seu esforço, a sua saúde e o melhor das suas vidas.

Aqui chegados, a 2019, a miríade é outra: inspirados muito provavelmente no exemplo que infelizmente chega da grande capital, os actuais poderes públicos parecem acreditar que o grande maná é o investimento imobiliário, e por isso pretendem, entre outras coisas, vender o terreno da Quinta do Braamcamp, uma das últimas áreas, e a mais importante, que o Barreiro necessita de recuperar para si mesmo de modo a completar-se como cidade virada para o rio que se consiga diferenciar pela qualidade vida que oferece aos seus cidadãos.

Há muita coisa para fazer no Barreiro, e muito pode e deve ser feito para fazer esta cidade crescer de um modo sustentado, mas não será certamente vender as suas zonas nobres aos pedaços, como acontece neste momento, e não só quanto à Quinta do Braamcamp. Os poderes públicos que elegemos tem obrigação de ser mais do que isso, e se não conseguem entender o que significa um território daqueles para uma cidade como o Barreiro, não servem.

02.04.2019 - 11:10
Imprimir   imprimir

rostos.pt - o seu diário digital

rostos.pt - o seu diário digital

Partilhar: partilhar no facebook  TwitThis  digg it  Google Bookmark  Technorati  guardar link no del.icio.us 

rostos.pt - o seu diário digital

PUB.

rostos.pt - o seu diário digital

comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

rostos.pt - o seu diário digital

envie o seu comentário

rostos.pt - o seu diário digital

PUB.

rostos.pt - o seu diário digital





rostos.pt - o seu diário digital

Pesquisar outras notícias no Google

rostos.pt - o seu diário digital

rostos.pt - o seu diário digital

Design: Rostos Design. Fotografia e Textos: Jornal Rostos.
Copyright © 2002-2019 Todos os direitos reservados.

PUB.

PUB.

PUB.

REVISTA ROSTOS

PUB.

PUB.

PUB.

PUB.

ROSTOS APOIA

PUB.

DAMOS ROSTOS ÀS CIDADES

DIVULGAÇÃO

EDIÇÃO IMPRESSA


OUTRAS EDIÇÕES

  

  

VIDEOS ROSTOS

CANAL ROSTOS NOS VIDEOS SAPO


LIGAÇÕES

MARTA SOUSA PEREIRA Photography


ENTRE TEJO E SADO - BLOG SAPO LOCAL


SAPO LOCAL


GOOGLE NEWS - BARREIRO


JORNAIS E REVISTAS


CAMARA MUNICIPAL DO BARREIRO


CAMARA MUNICIPAL DA MOITA


BLOG DEDICADO A LAURA SEIXAS


ARTBARREIRO.COM


BANDA MUNICIPAL DO BARREIRO


MEMBRO DA

AIND