Conta Loios

opinião

ISTO PODIA SER ASSIM, «BARREIRO A CAPITAL DA INOVAÇÃO»
Por Miguel Ribeiro Amado
Barreiro

ISTO PODIA SER ASSIM, «BARREIRO A CAPITAL DA INOVAÇÃO»<br>
Por Miguel Ribeiro Amado<br>
Barreiro O Planeamento e o urbanismo poderão ser uma ferramenta e uma peça fundamental na re-(e)volução da cidade do Barreiro, juntando a sua população em inovadoras formas de atuar.

Essa re-(e)volução poderá iniciar-se num maior equilíbrio na localização e intensidade de novos usos e funções, que reduzam as deslocações e otimize as redes de infraestruturas, com a implementação de (efetivos) corredores verdes, que interligue a cidade e melhore a qualidade da cidade.

Qualquer processo de mudança, para ser eficaz, precisa de se apoiar na realidade existente e no contexto que a rodeia. Necessita também de ser capaz de unir esforços para a construção de uma visão comum, com base num compromisso justo e realista, capaz de gerar uma estratégia duradoura. Essa estratégia será a base para definir objectivos, fases, prazos que possam ser objeto de monotorização. Está assim criada uma ferramenta útil de apoio às decisões e um modo de governação mais eficaz.

No Barreiro, pelo seu passado e situação atual é possível constatar que a cidade anseia afirmação, destaque, de abrir portas e de dar a conhecer o seu potencial. Partindo deste proposto, proponho uma reflexão e questiono se não é o momento necessário para desenvolver uma visão comum de ideias inovadoras, diferentes do contexto que o rodeia, dotadas de força que permita a cidade afirmar-se como um coletivo a um nível regional e nacional. Uma visão estratégica, capaz introduzir e criar na cidade um carisma inovador, contemporânea e vanguardista. E porque não com ideias e ações arrojadas?
Isto podia ser assim: Barreiro, a capital da inovação. Uma reflexão de uma possível visão estratégica para a cidade. Uma visão que se desenvolva através de uma programação e planeada, tendo como princípios os conceitos das smartcities, da economia circular, da eficiência energética, com sustentabilidade ambiental e modos de mobilidade suave, apoiada por um plano que antecipe os efeitos do desenvolvimento.
Uma cidade que defina políticas e medidas que olham para o rio e para a sua história com uma nova perspectiva, interpretando-os como oportunidades.

A pesquisa e produção da antiga CUF, poderá dar lugar a um espaço de investigação e produção de energias renováveis, aproveitando a sua proximidade ao rio e a sua exposição ao sol e ao vento que é propicio a um bom contexto urbano para a implantação destas ideias.

O rio Tejo, poderia não ser apenas interpretado como um elemento de contemplação e enquadramento da paisagem, mas também como um recurso da própria cidade: o maior.
Este recurso poderia ser o suporte capaz de impulsionar a inovação na cidade, servindo como piloto na investigação de produção de energia, de novas formas de transformar a cidade, da vida animal existente e de adaptação às alterações climáticas.

Em suma, uma estratégia para a cidade, capaz de conseguir dar resposta e adaptar-se aos novos contextos de desenvolvimento sócio–económico, capaz de implementar soluções inovadoras de produção de energia, soluções urbanas piloto na antecipação dos efeitos da previsível subida do nível da água do rio com base na investigação. Desta maneira, torna-se imperativo incentivar a criação de culsters de discussão culturais suportados e associados a modelos digitais de trabalho e de comunicação, que potenciem a implementação de novas ideias.
O Planeamento e o urbanismo poderão ser uma ferramenta e uma peça fundamental na re-(e)volução da cidade do Barreiro, juntando a sua população em inovadoras formas de atuar.

Essa re-(e)volução poderá iniciar-se num maior equilíbrio na localização e intensidade de novos usos e funções, que reduzam as deslocações e otimize as redes de infraestruturas, com a implementação de (efetivos) corredores verdes, que interligue a cidade e melhore a qualidade da cidade. Uma gestão da cidade, com sistemas de informação em tempo real, poderia aumentar a eficiência energética, a racionalização e a redução de consumos e desperdícios.
A utilização dos moinhos para produção de energia reforçaria a identidade e criava mais modos de oferta cultural na cidade.

A cidade poderia implementar soluções de economia circular, num contesto de uma imagem limpa e higiénica, com uma recolha de resíduos orgânicos para compostagem, apoiando as necessidades dos serviços urbanos, na manutenção e plantação dos espaços verdes da cidade.

A visões e estratégias, carecem de políticas que apoiem a sua implementação. O século XXI, exige de todos, maior informação e transparência. Seria importante implementar o hábito de elaboração de mais concursos públicos, de idealização e concepção, visto serem estes os catalisadores das melhores ideias. Trabalhar o incentivo ao debate, agarrando as oportunidades, de um modo mais eficaz e alargado, sem que resulte na diminuição de responsabilidades de quem tem a tarefa de decisão.

O Barreiro deve procurar implementar soluções e programas diferentes dos existentes no quadro metropolitano de Lisboa, de forma a conduzir-nos a uma verdadeira diferenciação neste contexto. É necessário elaborar um produto diferenciador e inovador que se revele como um motor identitário da cidade, como o exemplo e a oportunidade de transformação da Quinta Braamcamp. Esta é uma valiosa ação que pode funcionar como uma âncora e assumir-se com a referência. Pode ser o elemento com capacidade para competir, num quadro de atração de investimento, que o contexto evidencie a inovação desenvolvida.

Em síntese, a cidade poderia assim reinventada oferecer mais condições para o surgir de novos investimentos, que consequentemente, poderia resultar em mais emprego, em melhores espaços públicos e em mais atividades culturais. Proporcionar-se-ia uma vida mais saudável, mais ativa e a uma economia mais resiliente. Estas mudanças, este carisma inovador, vanguardista, atrairiam mais investimento e mais população, oferecendo mais vida à nossa cidade.
Isto podia ser assim, mudar para melhorar.

Miguel Ribeiro Amado

07.01.2020 - 00:24

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2020 Todos os direitos reservados.