Conta Loios

opinião

PORQUE APOIO CARLOS HUMBERTO A PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DO BARREIRO
Por André Carapinha
Barreiro

PORQUE APOIO CARLOS HUMBERTO A PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DO BARREIRO<br />
Por André Carapinha<br />
Barreiro Tenho 43 anos. Sempre votei, portanto já lá vão 25 anos de eleições. Neste tempo, votei na CDU apenas para apoiar o João Raio, cujo trabalho apreciava, para a freguesia de Santo André. Nunca votei CDU para o executivo ou assembleia municipal, e em 2013 fui mesmo candidato independente pelo Bloco de Esquerda à freguesia do Barreiro/Lavradio. Desta vez, contudo, o meu voto irá inequivocamente para a lista CDU liderada por Carlos Humberto de Carvalho. Neste texto explico a quem interessar as razões para esta minha opção.

Em primeiro lugar, rejeito veementemente o actual executivo municipal PS, que considero o pior que alguma vez geriu os destinos da Câmara. Um executivo completamente obcecado pela vitória nas próximas eleições, que apostou todas as fichas em projectos eleitoralistas, em especial rotundas em avenidas com muito tráfego, e negligenciou de forma evidente tudo o que fica por detrás dessas avenidas, a manutenção das ruas, a recolha do lixo, obras em bairros carenciados, projectos estruturantes, o apoio à cultura. Um executivo que adiou para mais ver as obras no Bairro Alves Redol, um bairro camarário onde vivem pessoas em condições indignas, para utilizar o dinheiro na rotunda da Avenida da Liberdade. Um executivo que quer vender a Quinta do Braamcamp num processo que, vai-se provando agora, tem tanto de nebuloso como de lesivo para o interesse da cidade. Um executivo que recebeu as contas em boa situação e apresenta já níveis de endividamento muito preocupantes, tal é a obsessão em fazer obra que se veja, e rapidamente. Um executivo dominado por pessoas que ambicionam antes de mais fazer carreira na política, e outros cujos negócios gravitam há anos à volta da torneira das autarquias, uns e outros não se importando de sacrificar o Barreiro em nome dos seus projectos de vida pessoais.

Também um executivo que gasta em comunicação e marketing uma verba verdadeiramente absurda e que devia fazer corar de vergonha quem aprova os orçamentos no Barreiro, e que conseguiu de forma metódica e utilizando os métodos por vezes mais rasteiros, criar na opinião pública barreirense uma ideia que me é totalmente insuportável, a de que “não se fez nada nos últimos 40 anos”. Eu fui crítico de gestões anteriores, e estão aqui artigos meus mais antigos neste jornal para o comprovar; mas dizer que “não se fez nada em 40 anos” é um autêntico insulto à minha inteligência e uma prova de como a memória é um bem escasso e que deve ser preservado a todo o custo. Dizer de autarquias que fizeram obras gigantescas de saneamento e tratamento de esgotos, que renovaram o centro da cidade e a área ribeirinha, que abriram a zona da fábrica à cidade, entre muitas outras coisas, que “não fizeram nada” não é apenas absurdo, mas uma prova de que Orwell tinha muita razão no “1984”: quem controla o passado controla o futuro, quem controla o presente controla o passado. É pena que os marketeers do PS/Barreiro não tenham pudor em confirmar distopias ou utilizar métodos de ataque político que não envergonhariam uma PIDE, como por exemplo difamar cidadãos, publicar os seus números de telefone ou a foto da porta da sua casa. Como me aconteceu a mim, por estar envolvido na Plataforma Cidadã Braamcamp é de Todos.

Finalmente, a minha adesão à lista CDU liderada por Carlos Humberto não resulta apenas da rejeição do caminho anterior, mas também de constatar como a sua lista deste ano tem o potencial de criar um caminho para a cidade que seja diferente, não apenas deste executivo mas também dos anteriores que ele próprio liderou. Prova-o a verdadeira abertura a independentes que oferece, um programa eleitoral que resulta do debate com gente do mais competente que há e do consenso dentro da lista, e que espelhará ideias, essas sim, modernas sobre como gerir uma cidade como o Barreiro no século XXI, de uma forma virada para a sustentabilidade ambiental, para a aposta na cultura e na diferenciação do Barreiro dentro da Àrea Metropolitana de Lisboa, rejeitando o caminho da especulação imobiliária que o executivo actual trilhou. O caminho será difícil, pois do outro lado está uma máquina bem montada, com um orçamento estratosférico e que passou os últimos quatro anos a prepara-se para este período eleitoral, e outros tantos anteriores a bombardear os barreirenses com a ideia de que “não se fez nada” antes. Mas vejo na lista capital humano e qualidade para trilhar um caminho em crescendo que, também aqui, prove que é possível vencer eleições fazendo diferente. Em Outubro de 2021 não tenho quaisquer dúvidas, o meu voto vai para a CDU e para Carlos Humberto de Carvalho,

André Carapinha

15.05.2021 - 13:43

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2021 Todos os direitos reservados.