Conta Loios

opinião

Alhos Vedros perda 1 milhão de euros de investimento na frente ribeirinha
Por João Palma
Moita

Alhos Vedros perda 1 milhão de euros de investimento na frente ribeirinha<br />
Por João Palma<br />
Moita O concelho da Moita precisa de uma estratégia coerente para a sua zona ribeirinha, que tem de ser tratada como um elemento estruturante para o seu desenvolvimento. Esta é uma mudança que faz falta.

Incapacidade da Câmara Municipal da Moita faz com que Alhos Vedros perca 1 milhão de euros de investimento na frente ribeirinha

Em novembro de 2019 a Câmara Municipal da Moita aprovou o projeto para a requalificação ambiental da envolvente à caldeira de Alhos Vedros.
Anunciado como um projeto que previa uma intervenção de desassoreamento de um troço do canal de aproximação ao cais, a reabilitação da caldeira, a melhoria das condições de circulação de água dos lagos do Parque das Salinas, e a melhoria do comportamento das valas de drenagem existentes nos lados sul e oeste do Parque das Salinas, a realidade dois anos volvidos é a de um projeto que não saiu do papel por falta de capacidade da atual maioria.

Num exercício de desresponsabilização infelizmente habitual, a atual maioria atribui a responsabilidade à APA.
As duas soluções apresentadas à APA para a deposição de dragados foram recusadas por não serem admissíveis de acordo com o previsto no regime jurídico da Reserva Ecológica Nacional, inviabilizando uma importante intervenção de desassoreamento na zona ribeirinha de Alhos Vedros.

A APA limitou-se porém a fazer o que lhe competia, garantindo o cumprimento da legislação ambiental. Pelo contrário, a Câmara é que não foi capaz de apresentar uma solução adequada.
Está ainda em causa a candidatura já aprovada a fundos comunitários, que iriam financiar a 50% um investimento próximo de 1 milhão de euros. Uma vez que face aos prazos dos quadros comunitários, os concursos tinham de ter sido lançados até 2020, a incapacidade da autarquia em apresentar uma solução viável determinou a perda do financiamento.
E mesmo num quadro comunitário já de si modesto, a autarquia não conseguiu aproveitar a oportunidade para concretizar uma intervenção importante.

Se a Câmara desvaloriza com a possibilidade de uma candidatura no próximo quadro comunitário, o que é facto é que a perda deste financiamento é irrecuperável, e o adiamento de uma intervenção de desassoreamento um prejuízo considerável para a zona ribeirinha de Alhos Vedros, porque a consequência é o agravar um problema já existente.

A falta de capacidade para levar a cabo este projeto e a desvalorização da sua não concretização são reveladores da incapacidade de quem governa os destinos do concelho há mais de 40 anos para levar a cabo uma política que valorize o património ribeirinho que é uma das nossas maiores riquezas. E a condução do processo demonstra uma visão pequena e esgotada desta parte tão importante do território.

O concelho da Moita precisa de uma estratégia coerente para a sua zona ribeirinha, que tem de ser tratada como um elemento estruturante para o seu desenvolvimento. Esta é uma mudança que faz falta.

Moita, 26 de maio de 2021
João Palma
Eleito pelo PS na Assembleia Municipal da Moita

28.05.2021 - 12:15

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2021 Todos os direitos reservados.