Conta Loios

opinião

Análise crítica do Programa Eleitoral do PS Barreiro para 2021-2025 (parte I)
Por André Carmo
Barreiro

Análise crítica do Programa Eleitoral do PS Barreiro para 2021-2025 (parte I)<br />
Por André Carmo <br />
Barreiro O deputado municipal que na sessão da Assembleia Municipal do passado dia 8 de outubro fez a intervenção política em representação do PS, terminou a sua intervenção colocando em evidência a importância do Programa com que o seu partido se apresentou a eleições enquanto farol que deve guiar a sua ação.

Como tal, importa olhar para este documento – intitulado Crescer no Barreiro: Bases Programáticas 2021-2025 – com sentido de responsabilidade e espírito crítico. Muito sucintamente, é esse o exercício que me proponho fazer com esta reflexão.

Crescer no Barreiro é desde logo um mote anacrónico e até paradoxal. Quando sabemos hoje, melhor do que no passado, que o crescimento sem fim, voraz, insustentável que marca o capitalismo neoliberal não tem futuro, aqui está o PS a usar o crescimento como mote. Bizarro mas fácil de compreender. É que mesmo quando os conteúdos sugerem que não deve ser este o caminho, e isso acontece pontualmente no Programa, o fundamentalismo de mercado do PS, a obsessão com as virtudes do crescimento económico a todo o custo, empurram-no para este caminho sem futuro.

O documento abre com uma citação de Myron Magnet, jornalista e historiador americano que influenciou o pensamento político e urbanístico de personalidades como George W. Bush e Rudolph Giuliani. Que o PS Barreiro convoque para junto de si um pensador influente junto das hostes republicanas nos EUA para orientar o seu programa autárquico não deixa de ser perturbador. Sintomático de uma deriva para a direita. Já diz o povo, “diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és”.

Segue-se uma secção designada orientação política rumo a 2030 onde, em jeito de enquadramento, são tecidas algumas generalidades com as quais todos estamos de acordo, como por exemplo: necessidade de investir em espaços públicos verdes, potenciar as frentes ribeirinhas, respeito pela história do Barreiro, entre outras. Contudo, o fundamentalismo de mercado, o urbanismo neoliberal, vem sempre ao de cima como, por exemplo, quando se diz que a “participação democrática de cidadãos no exercício da cidadania cria valor acrescentado” (p.6). De tudo aquilo que a participação democrática significa em termos de emancipação das pessoas, de envolvimento na construção coletiva dos destinos de uma comunidade, de auto-estima e valorização do papel dos cidadãos, o PS é capaz de a reduzir ao valor acrescentado. Contabilístico. Pobre.

Segue-se um breve retrato atual do Barreiro, feito à pressa, desconexo, descuidado. Relativamente ao crescimento das empresas, onde se destaca a existência de mais 410 desde 2017, o gráfico apresentado até mostra que o ponto de viragem se dá em 2013, ano a partir do qual se inverte definitivamente a tendência anterior: afinal de contas, a história não teve início em 2017. A inversão de algumas tendências identificadas antecede 2017, logo, não pode imputar-se diretamente ao papel desempenhado pelo PS Barreiro. Trata-se, essencialmente, de uma transformação de fundo da economia portuguesa fruto da solução política anti-austeritária encontrada em 2015 que estancou a sangria anterior e reverteu algumas políticas lesivas dos portugueses. Infelizmente, ficou bastante aquém do que poderia ter sido alcançado. A este respeito, vejam-se, por exemplo as malfeitorias inscritas no plano laboral pelo governo PSD/CDS de Passos Coelho que nunca foram revertidas ou a conhecida Lei dos Despejos de Assunção Cristas que ainda continua em vigor.

Segue-se a Visão para o Barreiro – Onde queremos chegar?. E seria bom que os barreirenses tivessem lido este documento antes de votar para perceber para onde o PS nos quer levar. Vale a pena citar: «Independentemente das incompreensões face à importância da existência de uma visão no quadro de um qualquer programa estruturado e tangível, objetivando a sua concretização e tal como em 2017, importa referenciar uma imagem clara da ideia central e globalizadora do que se pretende realizar, de modo que permita a definição de uma estratégia que sustente e globalize a sua efetivação» (p.8). O quê? É esta a “visão” do PS para o Barreiro. É um bocadinho como na Alice no País das Maravilhas: quando esta pergunta ao gato de Cheshire qual o caminho que deve seguir, este responde: depende muito de para onde queres ir. Ela, alarmada, exclama: mas eu não sei para onde quero ir! O gato, com o seu sorriso sardónico, responde: se não sabes para onde ir, qualquer caminho serve. Está assim o PS Barreiro. A navegação à vista, a manta de retalhos dos últimos quatro anos vai continuar. Qualquer caminho serve.

Depois, uma secção intitulada Barreiro: Marcar o ritmo – Princípios & Estratégia Um território em transformação. Mais generalidades. Destaca-se, contudo, a noção de que existe uma dinâmica nova no Barreiro. Claro que sim. A realidade é matéria e representação e o PS Barreiro soube concretizar, e bem, muito daquilo que eram as linhas de continuidade anteriormente definidas, ao mesmo tempo que conseguiu, com doses cavalares de propaganda digital, convencer a população do Barreiro de que teria havido uma ruptura com o passado. Se, em termos materiais é muito difícil afirmá-lo sem ferir de morte a verdade, em termos de representações é indiscutível. Não será por acaso que, na página 13 do seu programa é dito que se vai «A postar nos eixos da Qualidade de Vida, Responsabilidade Ambiental, Mobilidade, Oportunidades & Investimento». Não se vai apostar, vai-se postar. Como se estivéssemos sempre, permanentemente, nas redes sociais. É tudo tão feito para inglês ver que até no programa se encontram estes pequenos e reveladores equívocos. Vacuidades como a natureza holística de um programa que contempla um novo mindset e envolve os stakeholders, não poderiam ficar de fora. Bem como um PRR que já foi elevado pelo PS à condição de panaceia para todos os males. Chega a ser comovente tamanha ingenuidade. É o que temos.

André Carmo
Deputado Municipal eleito pela CDU Barreiro
19/10/2021

19.10.2021 - 14:38

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2021 Todos os direitos reservados.