Conta Loios

opinião

Crescer no Barreiro ou nem por isso…
Por Humberto Faísca
Barreiro

Crescer no Barreiro ou nem por isso…<br />
Por Humberto Faísca <br />
Barreiro Crescer no Barreiro ou afirmar Barreiro tem sido algo que mesmo com muito esforço da minha parte não tenho conseguido deslumbrar.
O afirmar Barreiro, frase impactante, que mostra de facto uma posição de força e de marcar posição, mas parece ser isso mesmo, uma frase e não uma realidade.

Afirma se Barreiro quando se perdem todos os dias valências no centro hospitalar Barreiro Montijo, quando se inaugura e bem uma sede nova da PSP ao mesmo tempo que se vai encerrando a de st André ou quando as agências do banco público vão encerrando obrigando todos os barreirenses a se deslocar ao centro da cidade, afirma se Barreiro quando o risco do fecho da maternidade está por um fio ou não se consegue colocar as escolas que necessitam de intervenções profundas nas grelhas de intervenção, ou será que se afirma Barreiro quando milhares de barreirenses não têm medico de família ou se encerra os centros de saúde de palhais e coina obrigando essa população a se deslocar de madrugada para freguesias vizinhas à procura de cuidados de saúde.

Pode se afirmar Barreiro sempre que se continua a adiar a terceira travessia ou a travessia para o concelho vizinho, poder pode se mas afirmação é que é pequenina.
Mas crescer isso pode se de certeza…

Tenho também sérias duvidas sobre disso, se crescer for mais emprego de qualidade e duradouro, mais qualidade de vida.
Tenho dúvidas que em tempos de inflação galopante em tempos de aumento de taxas de juros, logo, aumento da prestação da renda casa, uma autarquia que se nega a baixar o valor do imi,de 0 38 para 0.37 em nada contribui para o desafogar da desesperante situação económica dos barreirenses.

Uma autarquia que pretende atrair mais emprego, mais investimento mas que se nega a mexer na taxa de derrama das empresas que criem trabalho efetivo não está na minha opinião a contribuir para que esse desígnio seja realizável.

Uma autarquia que em tempo de crise para toda a população e para os micro e pequenos empresários não abdica de cobrar a taxa reduzida (0.01%) não está a defender em nada o seu tecido económico, mais ainda quando essa verba representa menos de 1% do orçamento camarário.

Diminuir as verbas em ambiente mobilidade e na promoção de uma vida saudável em nada proporciona crescer com qualidade de vida para os barreirenses .
Pelos entretantos vamos fazendo figas que o PRR sempre avance com algumas verbas que ajudem a camuflar estas e outras situações e que se nasça no Barreiro, pelo menos enquanto não fecham a maternidade.

Humberto Faísca
Barreirense.

24.11.2022 - 15:19

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2022 Todos os direitos reservados.