Conta Loios

associativismo

Escuteiros marítimos do Barreiro
Vinte anos a remar contra o Impossível!

Escuteiros marítimos do Barreiro<br />
Vinte anos a remar contra o Impossível! Num ano tão atípico como este, com a frase “2020 a ser 2020” repetida vezes sem conta, ainda houve momentos bons, como a celebração dos vinte anos dos escuteiros marítimos do Agrupamento 1180 – Santa Cruz do Barreiro. Vinte anos de bons ventos e a impelir a canoa contra as marés dos infortúnios.

“2020 a ser 2020” marcará a história do associativismo no Barreiro. Palavras como confinamento, máscaras, álcool-gel, distanciamento social entraram no vocabulário quotidiano. Ergueram-se novos Estados. O estado de emergência, o de calamidade, o de contingência, e o de Alerta. Mas este último já os escuteiros o conhecem razoavelmente bem. Afinal, um escuteiro deve estar sempre alerta para servir! No meio de tantos estados novos, faltou por enunciar ainda um – o Estado de Alegria – porque mesmo entre vários momentos maus, sempre há que relembrar o sentido da Vida. E assim foi. Mesmo com “2020 a ser 2020”, os escuteiros marítimos do Barreiro celebraram as suas duas décadas de vida com imensa alegria.

Foi neste mês de dezembro e perante uma Igreja de Santa Cruz bem composta que o Agrupamento 1180 de Escuteiros Marítimos do Barreiro se reuniu para celebrar o seu aniversário de serviço ao próximo. Mesmo condicionados pelas restrições sanitárias concelhias, a festa foi realizada com afinco e solidez, tanto na parte religiosa como na profana. Uma igreja bem adornada, com a flor de lis incrustada numa âncora, símbolo exclusivo destes escuteiros do Corpo Nacional de Escutas e que recorda o “ferro do almirantado”. Todas as secções presentes, desde os mais novos, os lobitos (6-10 anos), passando pelos moços (11-14 anos), marinheiros (15-18) e companheiros (18-22), até aos dirigentes, e todas reluziam as suas fardas azuis com orgulho e altivez.

Presentes no altar, dez pequenos lobitos, sete moços e uma marinheira puderam prometer pela sua honra cumprir as Leis do Escuta e receber o lenço tão desejado. Meta alcançada e alegria. Muita alegria. Depois o apagar das velas, limitado a uma simples simulação devido ao uso das máscaras, mas com direito a bolo. E brincadeiras, jogos e divertimentos. Sempre nas normas, claro! Afinal, o escuta tem sempre boa disposição de espírito!

Atualmente o Agrupamento 1180 de Santa Cruz-Barreiro conta com 66 escuteiros, é dirigido pelo chefe António Coelho, e tornou-se num ícone associativo no (e do) centro do Barreiro. Com sede nas dependências da Igreja Matriz, e sendo um dos poucos agrupamentos de escuteiros marítimos em Portugal, tem levado o nome da cidade a muitos portos do país. Um bom exemplo das suas atividades foi a exposição no Fórum Barreiro em 2018 e bem assinalada no Rostos:

https://www.rostos.pt/inicio2.asp?cronica=15001251

Tudo somado são vinte anos de navegação, mas se formos a ver bem a história do escutismo marítimo por terras camarras, haveria que recuar aos tempos do Padre Abílio Mendes para perceber que afinal tudo isto é mais antigo do que se possa pensar.

Com os olhos postos no futuro, o Agrupamento 1180 Santa Cruz – Barreiro deseja aumentar a sua capacidade de ação. Hoje, o Tejo. Amanhã… o Atlântico, quem sabe... Mas sempre mais além!

Corpo Nacional de Escutas – Agrupamento 1180 Santa Cruz-Barreiro

26.12.2020 - 11:35

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2021 Todos os direitos reservados.