Conta Loios

autarquias

Moita - Um novo reforço da linha 333
Mais duas circulações na hora de ponta
. Início na paragem «Moita rotunda»

Moita - Um novo reforço da linha 333 <br />
Mais duas circulações na hora de ponta<br />
. Início na paragem «Moita rotunda»A Câmara Municipal da Moita informa que, no seguimento do reforço do serviço, em particular, das carreiras 333 e 435, iniciado no dia 27 de maio, procedeu-se, a partir de 29 de maio, a um novo reforço da linha 333, com mais duas circulações na hora de ponta, com início na paragem «Moita rotunda» (próximo do posto de combustível), na Moita.

De acordo com comunicado da Área Metropolitana de Lisboa, “a AML não pode deixar de afirmar que cada uma das reclamações está a ser recebida e considerada para, em articulação com os operadores, conseguir a melhoria, tão próxima quanto possível, como o atesta os sucessivos reforços e ajustamentos já adotados, dos serviços disponíveis às populações.

Respeitando inteiramente cada uma das reclamações, a AML não pode deixar de chamar a atenção para a dimensão mínima dos problemas identificados face ao conjunto e dimensão da rede de transporte público rodoviário de passageiros, sublinhando assim que o novo sistema tarifário adotado pela AML constitui já um enorme benefício para a larguíssima maioria da população e para os ganhos sociais, ambientais e coletivos conseguidos.

Para ilustrar a dimensão do sistema de transportes, importa ter presente que a AML é a Autoridade de Transporte sobre o serviço de transporte rodoviário de passageiros (excluídos os operadores internos – TCB, Carris e Cascais Próxima – e os modos ferroviário e fluvial) que, só por si, corresponde a 1914 percursos (com diferentes origem/destino), que perfazem 4,7Milhões de circulações por ano e 64,7Milhões de veic km/ano (veículos quilómetro por ano).

A AML é a entidade responsável pela implementação e gestão do novo sistema tarifário que se aplica a todo o território da área metropolitana e a todos os modos, operadores e serviços de transporte aqui existentes, o que constituiu um facto absolutamente inédito – um sistema tarifário único para todos. Uma vez mais, a AML sublinha a dimensão extraordinária dos serviços de transporte na área metropolitana de Lisboa: mais de 580Milhões de passageiros transportados em 2018 e cerca de 690mil passes vendidos só para o presente mês de maio, para passageiros com mais de 12 aos (tendo passado, com o novo sistema tarifário, a ser gratuito até ao mês que se perfaz 13 anos).

A identificação de cerca de uma dezena de serviços com problemas de incapacidade de resposta – que é um problema para cada um dos passageiros que é afetado – motiva todo o empenho de todas as partes envolvidas para se encontrarem soluções, mas não compromete a seriedade e oportunidade da implementação recente do novo sistema tarifário e do seu significativo sucesso.

A AML esclarece também que na definição do novo sistema tarifário e das regras de compensação aos operadores – a
todos os operadores de todos os modos de transporte – pela imposição do novo tarifário, foram introduzidos mecanismos de incentivo ao ajustamento aos serviços por parte de cada um dos operadores, no sentido de responder adequadamente e em tempo às alterações e reforços necessários.

Naturalmente, com um novo sistema tarifário tão disruptivo, as soluções implementadas podem em casos específicos não ter, tão rapidamente quanto desejável, as respostas adequadas. Recorda-se que a carreira 333 em particular, uma vez que faz percurso em vias rápidas e atravessa a Ponte Vasco da Gama, só o pode fazer em autocarros só com lugares sentados, o que inviabiliza, segundo os TST, medidas de transferência de outros autocarros para suprir o aumento de procura nesta carreira.

Acresce sublinhar que as recentes supressões de serviços só no transporte fluvial no corrente mês de maio, só na ligação entre o Barreiro e Lisboa representam a redução da oferta de mais de muitos milhares de lugares, problema circunstancial que não pode ser equacionado aquando da implementação do novo sistema tarifário.

Por último, relembrando que de acordo com o quadro legislativo em vigor, e até à contratualização dos serviços de transporte, a oferta de transporte é uma iniciativa, no essencial, dos operadores, importa ter igualmente presente que a AML enquanto entidade pública está obrigada ao Código de Processo Administrativo e demais normas legais aplicáveis, o que restringe significativamente a possibilidade de uma resposta contratual rápida e distinta daquela a que se está a proceder.

A AML, lamentando sinceramente as questões suscitadas por cada um dos passageiros e trabalhando empenhadamente junto dos operadores na procura de soluções que respondam rapidamente a cada um deles, não pode deixar de sublinhar a existência de um número muito limitado de problemas face à dimensão do conjunto do sistema de transporte rodoviário de passageiros da área metropolitana de Lisboa”.

29.05.2019 - 17:23

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2019 Todos os direitos reservados.