Conta Loios

postais

Barreiro – Arte Viva leva a cena peça infantil «Pinóquio»
Uma peça hilariante que envolve o público – crianças e adultos

Barreiro – Arte Viva leva a cena peça infantil «Pinóquio»<br />
Uma peça hilariante que envolve o público – crianças e adultosUma peça que envolve o público com intensidade dramática. Divertida. Musical. Um texto que alerta para a importância de escutarmos o «grilo falante» - a consciência- que canta dentro de cada um de nós, sem dramas, apenas…sorrindo!

A peça «PINÓQUIO» de Carlo Collodi, com adaptação e encenação de Paula Magalhães, está em cena no Teatro Municipal do Barreiro, aos sábados às 16 horas e aos domingos às 11 horas.
Um espectáculo que proporciona um agradável encontro de gerações – pais e filhos, avós e netos – uns no reencontro com estórias e memórias da infância, outros descobrindo a energia do célebre boneco de pau. Uma peça hilariante.

Só actores que estão em cena, ali, a viver as personagens por dentro, de facto, podem proporcionar e proporcionam a vivência do teatro, real, em todas a sua beleza que permite viajar pelo imaginário, lúdico e criativo.
Só actores que vivem a dramatização com muita emoção, transmitem para o público esse sentimento que faz sentir todos os movimentos, de forma intensa, sentindo, mesmo, vontade de partilhar a história por dentro da história.
É isto que apetece escrever sobre a interpretação de excelência que, na verdade, foi proporcionada no segundo espectáculo da peça «Pinóquio», a nova produção do Arte Viva.

A encenação de Paula Magalhães, é sóbria, produzida com grande simplicidade, num jogo de movimentos que enche a totalidade do espaço, do palco à plateia, com uma dinâmica coreográfica que se movimenta entre o teatro experimental e o ritmo de um espectáculo musical.
Uma encenação que permite aos actores sentirem e viverem de forma plena, a sua mimêsis com o espaço, pois, até, os seus movimentos, de conflitualidade e afectos, são eles mesmos pretextos para criar com subtileza plasticidade, diga-se, encenação, porque encenar é dar expressividade às personagens. Encenar é dar plasticidade ao espaço e fazer, nesse espaço, as personagens fluirem, com serenidade e gestualidade. Gostei.

A música original de Miguel Ramos Félix rapidamente entra no ouvido e dá para cantarolar, se, num gesto dirigido ao público, este fosse motivado a cantar ou entrar “em cena” de certeza que contava com imediata adesão, pela simplicidade da letra e pelo ritmo apelativo da sua sonoridade. À saída, escutei, pais e filhos a cantarolar- Pin-pin- pin. Pi-nó-quio!


Uma peça que se vive de forma apaixonada, com um texto que proporciona reflexão, que pode ser o leit motiv para conversar sobre aprendizagens, sobre a escola, sobre a vida, sobre a amizade. Um texto pedagógico, de grande actualidade.
Uma peça que proporciona encontro de pais e filhos, de netos e avós. Muito agradável.

Uma peça hilariante, que envolve o público – crianças e adultos – com intensidade dramática. Divertida. Que, nos alerta, para a importância de escutarmos o «grilo falante» - a consciência- que canta dentro de cada um de nós, sem dramas, apenas…sorrindo!

António Sousa Pereira

PINÓQUIO
De Carlo Collodi.
Adaptação e encenação de Paula Magalhães.

Esta é uma história que remonta ao século XIX… mas onde a metáfora do crescimento e da adaptação às vicissitudes do mundo, se mantém bastante actual.
Era uma vez um rei?
Não! Era uma vez um pedaço de madeira, que Gepeto resolve transformar num boneco que, inesperadamente, consegue falar, andar e fazer muitas travessuras. Pinóquio é teimoso, desobediente, nem sempre diz a verdade, não gosta de ir à escola e facilmente se mete em confusões: desentende-se com o Grilo Falante, deixa-se enganar pela Raposa e pelo Gato e encantar pelas ardilosas maravilhas da Terra da Brincadeira!

Mas Pinóquio tem também um desejo… como todas as crianças, ele quer crescer. Para isso vai ter de se tornar um menino de verdade! Só depois de muitas aventuras, peripécias e desventuras, e de perceber que tem de se adaptar ao mundo em que vive… é que Pinóquio vai poder, finalmente, concretizar o seu sonho!

Ficha Artística e Técnica

Autor - Carlo Collodi
Adaptação e Encenação - Paula Magalhães

Interpretação - Ana Sofia Samora/Catarina Santana, Adriana Lopes/Maria Inês Santos, João Parreira e Vítor Nuno

Cenografia -João Pimenta
Figurinos -Ana Pimpista
Música -Miguel Ramos Félix
Canções- Ana Lúcia Santos
Movimento- Andreia Martins
Construção de Cenário- António Santinho
Apoio Figurinos -Atelier OFICINA
Apoio Música -Estúdio King
Luminotecnia -João Oliveira Jr.
Operação Técnica- Maria Inês Santos e Vanda Robalo
Design gráfico -João Pimenta
Fotografia -Cláudio Ferreira
Produção Executiva -Catarina Santana
Apoio Geral- João Henrique Oliveira.

Classificação M/3

Foto – Arte Viva

Estreia foi no dia 24 Novembro 2018
Em cena no Teatro Municipal do Barreiro
Sábados - 16h
Domingos - 11h

Reservas
910 093 886

Bilheteira
Abre uma hora antes do início da sessão

Bilhetes: 5€

25.11.2018 - 20:28

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2019 Todos os direitos reservados.