Conta Loios

postais

37. Os anos de Cidade que ele tem.
Por Ana Lourenço Monteiro
Barreiro

37. Os anos de Cidade que ele tem. <br />
Por Ana Lourenço Monteiro<br />
Barreiro 37. Os anos de Cidade que ele tem. Menos um do que eu, menina da cidade com "queda" para o campo.
"Nascida e criada" no Barreiro, assim me dava a conhecer. Apenas tinha ido nascer de fugida a um hospital em Lisboa e voltei para o berço que, ainda hoje, praticamente todos os dias me recebe.

Tal como um filho adolescente está para um pai, também eu, jovem, quis deixá-lo e procurar na capital o que me atraía e deslumbrava, deixando por explorar o que, poucos anos mais tarde, se tornou, em simultâneo, terra de dormida e campo de trabalho.
Esse duplo papel levou-me, contudo, a um novo afastamento, dessa feita já numa fase menos "desencantada", aliás, pelo contrário, mais apaixonada pelo que esta terra nos pode contar.

Como com todas as paixões, para não "sufocar" afastei-me, quis ver o Barreiro de "mais longe" para melhor agir "mais perto". E fui abraçar outra margem do rio Coina, não mais uma margem enamorada mas igualmente encantada.
Assim permaneço nesta sintonia entre terras da mesma margem do Tejo em que me banha o rio. Enquanto filha do Barreiro, vou fugindo ou aproximando-me dele, conforme a zanga da adolescência fica mais sanada... ou não.

Se calhar falta-me dormir nele um pouquinho, para que o tempo me embale e me faça aproximar desta terra, como se o cordão umbilical, aquele que nunca foi cortado, puxasse.

Texto e foto de Ana Lourenço Monteiro

29.06.2021 - 09:03

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2021 Todos os direitos reservados.