Conta Loios

entrevista

Barreiro / Moita – Sara Barreirinhas, Nutricionista
«Nós comemos literalmente as nossas emoções»

Barreiro / Moita – Sara Barreirinhas, Nutricionista <br />
«Nós comemos literalmente as nossas emoções»<br />
O emocional afecta a alimentação – “uma pessoa triste tem mais tendência a comer doces, uma pessoa com muito stress, costuma comer coisas crocantes, uma pessoa cansada ou quando não dorme bem, ou com frustrações, tem mais tendência para comer hidratos de carbono, mais pão e bolachas, que dão conforto momentâneo”, afirma a Nutricionista, Sara Barreirinhas.

Sara Barreirinhas, 31 anos, natural de Alhos Vedros, Nutricionista.
Viveu na Fonte da Prata, cresceu no Rosário, frequentou a Escola «A fragata do Tejo» e completou o ensino secundário na Moita.
E, partiu rumo a Coimbra, para frequentar a Escola Superior de Tecnologia da Saúde, do Instituto Politécnico de Coimbra, onde obteve a licenciatura em Nutricção.
Numa conversa com o jornal «Rostos» recorda que quando iniciou o ensino secundário tinha como opção ser Engenheira Química, mas depois a opção foi Nutrição – “também tem muita química”, comenta.

Alimentação faz parte da educação
Refere que a motivação para abraçar a vida profissional de Nutricionista, começa pelo seu gosto de “trabalhar individualmente com as pessoas”, e, depois, por poder também exercer a sua actividade numa dimensão comunitária – “abordar as matérias de desperdício alimentar, dá má distribuição dos alimentos”, e, desta forma “poder ajudar na educação, porque a alimentação faz parte da educação que as pessoas têm nas suas casas”.
Deu o exemplo que, na utilização do frigorifico doméstico, 1/3 da população mundial desperdiça alimentos – “o desperdício alimentar começa em casa”, salienta.

Acompanhamento clínico e comunitário

Após a conclusão da sua licenciatura, com 23 anos, fez o seu estágio, como a Ordem determina, o qual realizou numa empresa, no Montijo, onde fez acompanhamento clínico e comunitário.
Terminado o estágio de imediato iniciou a sua actividade profissional, quer exercendo em Ginásios, quer em Clinicas, nomeadamente na Moiticare, na AMPM – Associação de Mulheres com Patologia Mamária, e, também exerceu a sua função em farmácias comunitárias.

Uma empresa dedicada à consciência alimentar

Continua a sua actividade ligada às instituições que refere acima, mas, tomou a decisão de criar um novo projecto – a Nutrisciente – clinica que funciona em contexto on line.
Foi um projecto que criou em plena pandemia e que arrancou em agosto de 2021.
“A Nutrisciente é uma empresa dedicada a esta questão da consciência alimentar, tem a parte física com consultas presenciais, e tem as consultas on line, com vários serviços”, salienta Sara Barreirinhas.
Refere que exerce a sua actividade em diferentes áreas – o emagrecimento consciente – “que não é um plano alimentar que as pessoas perdem alguns kilos, mas sim, envolver todas as áreas da nossa vida, porque todas as nossas emoções influenciam o nosso comportamento alimentar.
Portanto, criei um programa de mais ou menos oito semanas para que as pessoas desenvolvam essa consciência alimentar, que é uma coisa individualizada, é delas”.

As doenças intestinais e o vegetarianismo

Salienta que trabalha em duas outras áreas – “o cancro” – mas especialmente em doenças intestinais, uma área onde tirou uma formação especifica na Austrália, até, por razões pessoais pois foi afectada por esta doença- “eu própria sou a minha primeira cliente”.
A outra área é o vegetarianismo, que, salientou ser uma praticante.

A empresa on line abre portas ao mundo
O seu projecto nasceu e, sublinha “está ganhar forma”. Neste momento está a conquistar clientes, espalhados pelo país, pela europa, em áfrica e na américa do sul – no Porto, no Luxemburgo, no Reino Unido, no Brasil, em Angola.
Refere que nos casos do Luxemburgo e Reino Unido, são emigrantes que recorrem às suas consultas on line, por uma questão de comunicação – “a língua aproxima-nos”.
O site da Nutrisciente - www.nutrisciente.com -
pode ser consultado em três idiomas - português, inglês e espanhol – línguas que Sara Barreirinhas domina.

«Consulta do Mundo Viajante»

Outra vertente da sua oferta clinica é a «Consulta do Mundo Viajante», um projecto que nasceu pelo facto de ela própria com a sua doença intestinal, sentir necessidade de encontrar respostas alimentares, quer quando efectuou viagens a Nova Yourque e a Itália, ou mesmo em viagens pelo país – “sentia a necessidade de planear as refeições”.
Refere que uma das dificuldades das doenças intestinais é, por vezes, adaptar-se às cozinhas locais.
Por estas razões na Nutrisciente há um espaço para ajudar na alimentação para quem está a programar uma viagem.

e-books com receitas que são sua criação

Sara Barreirinhas salienta que no seu projecto, para além das consultas clinicas tem e-books com receitas, que são sua criação, as quais partilha com as pessoas, para que se sintam seguras na sua alimentação.

Academia Nutrisciente um espaço de aprendizagem


Sara Barreirinhas no seu site, tem ainda aos dispor dos visitantes, uma vertente que denomina – Academia Nutrisciente, um espaço onde divulga a sua visão sobre a nutrição.
“É como se a Nutricionista entrasse em casa e revolucionasse a forma como as pessoas veem a alimentação, desde a organização do frigorifico, a organização da despensa, ler rótulos. É uma Academia que as pessoas podem consultar, com um acesso pago, com um valor na ordem dos 10 euros mensais, que dão acesso a todos os cursos”, refere.
“São imensos cursos que lá estão, com vídeos curtos e muito práticos, porque o que eu quero é que as pessoas pratiquem o que lá está, não é estar por ali a debitar matérias. Todos os módulos têm exercícios práticos. Para além de num prazo regular existirem aulas que cuja finalidade é só para tirar dúvidas. O objectivo é dar um acompanhamento e proporcionar um crescimento”, acrescenta Sara Barreirinhas.

Relação da depressão com a alimentação
“O grande tema que vai estar em destaque na academia é a relação da depressão com a alimentação.”, sublinha a Nutricionista.
Refere que a depressão desenvolve alterações químicas nos neurotransmissores, na adrenalina, na dopamina, e, quando os neurotransmissores são incapazes de transmitir informações correctas, isso afecta-nos porque não conseguimos identificar os nossos sentimentos, as nossas emoções.
O emocional afecta a alimentação – “uma pessoa triste tem mais tendência a comer doces, uma pessoa com muito stress, costuma comer coisas crocantes, uma pessoa cansada ou quando não dorme bem, ou com frustrações, tem mais tendência para comer hidratos de carbono, mais pão e bolachas, que dão conforto momentâneo”, afirma.
“Nós comemos literalmente as nossas emoções”, salientou Sara Barreirinhas.

Do sonho para o mundo…
Foi uma agradável conversa com uma jovem que acredita em novas formas de comunicar e realizar o seu projecto de vida. Uma aposta que nasceu na pandemia e está a ganhar asas e a espalhar-se pelo mundo.

António Sousa Pereira

25.11.2021 - 19:25

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2022 Todos os direitos reservados.