Conta Loios

entrevista

BARREIRO - Manuel Pereira, Presidente da Direcção do Clube 31 de Janeiro «Os Celtas»
“O associativismo no Barreiro tem muitas dificuldades”

BARREIRO - Manuel Pereira, Presidente da Direcção do Clube 31 de Janeiro «Os Celtas»<br />
“O associativismo no Barreiro tem muitas dificuldades” . Uma casa com quase 100 anos de existência

. É necessário “dar espaço aos jovens”

No decorrer da conversa no «Rostos ao Vivo», Manuel Pereira, Presidente da Direcção do
Clube Dramático Instrução e Recreio 31 de Janeiro "Os Celtas, sublinhou que “o associativismo no Barreiro tem muitas dificuldades”, apesar de alguns apoios à tesouraria por parte da Câmara Municipal do Barreiro “continuam em dificuldades e vão resistindo”.

O Clube 31 de Janeiro «Os Celtas» foi o anfitrião da experiência piloto do «Rostos ao Vivo», um projecto integrado nas comemorações dos 20 anos do jornal «Rostos», que decorreu no passado dia 26 de março, e, terá a segunda edição no próximo dia 30 de Abril, pelas 15h30, na SDU «Os Franceses».

Uma casa com quase 100 anos de existência

Manuel Pereira, Presidente da Direcção do Clube 31 de Janeiro «Os Celtas», na abertura da primeira edição de «Rostos ao Vivo», agradeceu ao jornal «Rostos» por ter escolhido a sua colectividade para realizar este primeiro evento
Recordou que o «31 de Janeiro», como por todos é conhecido – “é uma casa com quase 100 anos de existência, muita gente por aqui passou e ainda há de passar com certeza, é uma colectividade que está virada para o desporto, para a cultura e temos actividades sociais, que não deixamos ficar para trás”.

Estamos no Movimento Associativo com muito gosto

“Demos apoios a associações de emigrantes, da Moldávia, africanos e outras associações que não têm espaços, ou sede, para realizarem as suas reuniões.”, referiu Manuel Pereira.
Referiu que o clube conta nos seus corpos sociais com uma equipa jovem – “estamos no Movimento Associativo com muito gosto”, sublinhou.
Recordou que nas instalações do clube, em parceria com a Câmara Municipal do Barreiro há ginástica sénior e também espaço para aulas da UTIB – Universidade da Terceira Idade do Barreiro.

Estamos abertos a todas as associações

Sublinhou que no que diz respeito a actividades culturais “estamos um passo à frente, com dança e outros espectáculos que promovemos ao longo do ano”
“Estamos abertos a todas as associações ou grupos que nos queiram visitar”, disse.

É necessário “dar espaço aos jovens”

O Presidente da Direcção do Clube 31 de Janeiro, a propósito da ligação do clube com a comunidade salientou – “há quem diga que o associativismo está em crise, na cabeça de algumas pessoas está em crise, eu não o encontro”.
Defendeu que é necessário “dar espaço aos jovens”.
“O associativismo também não é fácil, é preciso saber-se cá estar, quando sai da minha vida profissional, abracei este projecto e estou cá com muito gosto”, afirmou.

Associativismo no Barreiro tem muitas dificuldades

Como vês o associativismo, no Barreiro, hoje, neste tempo pós troika, pós pandemia, e até agora neste tempo com guerra? – perguntámos.
“O associativismo no Barreiro tem muitas dificuldades, houve por aí umas ajudas da Câmara de apoio à tesouraria, a algumas colectividades, mas continuam a viver com dificuldades, algumas, ou quase todas as colectividades, vão resistindo. As dificuldades estão por todo o lado, foi a pandemia, agora é a guerra, atrás disto, outra coisa virá”, referiu Manuel Pereira.
“Até eu me aguentar por cá, já estou velho para estas coisas, mas, ainda vou resistindo”, acrescentou.

Trabalhar para os outros sem nada receber

“Sinto-me feliz a fazer associativismo. Gosto de trabalhar para os outros, sem nada receber”, disse.
Manuel Pereira entra diariamente pela 7 da manhã nas instalações do 31 de Janeiro, faz ajuda às limpezas e desenvolve diversas tarefas para garantir o regular funcionamento do clube – “passo mais tempo aqui que na minha casa, entretenho-me com os velhos da minha idade, com os novos mais novos, da idade dos meus netos, e, é esta a maneira de eu cá estar”.
“Isto é uma pequena empresa que aqui está, com muito trabalho. Este evento, para estar a acontecer deu trabalho aos directores, coisa que fazemos voluntariamente”, sublinhou Manuel Pereira.

As pessoas que frequentem mais estas casas

No final da conversa, o Presidente da Direcção do Clube 31 de Janeiro, lançou um repto – “as pessoas que frequentem mais estas casas, não fiquem em casa, porque a vida de casa estraga-nos. Essa é parte social da minha actividade, ir buscar alguns velhos da minha idade e trazê-los para aqui”, referiu.
Foi a primeira conversa de outras que no âmbito do «Rostos ao vivo» irão realizar-se em diversas colectividades dos concelhos do Barreiro e Moita, nestas casas que são essenciais no manter a coesão social e rasgar as portas da solidão, que, como disse Manuel Pereira - “continuam em dificuldades e vão resistindo”.

Ver entrevista integral, no ROSTOS AO VIVI em -

https://www.youtube.com/watch?v=5i3i5Zb1zrk&t=13s />
António Sousa Pereira

02.04.2022 - 23:12

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2022 Todos os direitos reservados.