Conta Loios

bastidores

Cristina Rodrigues deputada do PAN eleita por Setúbal
Desvincula-se do Partido Pessoas-Animais-Natureza

Cristina Rodrigues deputada do PAN eleita por Setúbal<br>
Desvincula-se do Partido Pessoas-Animais-Natureza A deputada Cristina Rodrigues emite comunicado na primeira pessoa para anunciar que sai do Partido Pessoas-Animais-Natureza

Há momentos na vida em que somos obrigados a tomar decisões profundamente difíceis. Para mim, este é um deles. Quem me conhece sabe que não sou pessoa de virar facilmente costas a qualquer desafio ou obstáculo, pois acredito verdadeiramente na dedicação, na capacidade de diálogo e na cooperação. Por isso, poderão imaginar o desgaste em que me encontro e que me leva a tomar esta decisão.

Hoje, de coração extremamente apertado, decidi desvincular-me do PAN, após ter dado tanto de mim a este Partido. Infelizmente, não consigo adiar mais esta decisão e apenas a tomo por não ver outra saída e por acreditar que, ao adiá-la, poderia vincar ainda mais
as divergências existentes e ser mais prejudicial para o Partido, para mim e para as causas com que continuo a identificar-me. Simplesmente, já não consigo lidar com a forma como o PAN tem sido orientado e não vislumbro que seja possível inverter esse rumo através dos actuais mecanismos internos.

No meu entender, já há algum tempo que a estratégia definida pela direcção tem primado por um afastamento face a princípios estruturais do PAN: passou-se de um discurso construtivo, positivo, imbuído da vontade de fazer pontes e de dialogar, para um discurso agressivo que chega a colocar em causa pessoas e não ideias, algo que contraria os Estatutos do Partido. Não me revejo nesta forma de estar, nesta forma de fazer política. Acresce que, além desta tendência e de uma clara centralização do poder, deixou de haver tolerância para com a diferença e qualquer opinião divergente é rotulada de desleal.

Tornou-se também flagrante o distanciamento face a medidas estruturais do PAN, como o Rendimento Básico Incondicional (RBI), que, apesar de constar nos programas do partido desde 2014, sempre viu a sua discussão bloqueada, algo que se tornou ainda mais evidente durante a primeira fase da pandemia, em que vários países avançaram com propostas nesse sentido, abrindo uma janela de oportunidade que foi desaproveitada.

O mesmo sucede com a causa animal. Embora continue a ser abordada, é-o de forma residual, deixou de ser uma causa prioritária para o Partido. Veja-se o exemplo da taxa de detenção de canídeos, que deixara de ser cobrada graças ao Decreto-Lei n.º 82/2019, de 27 de Junho, e que – com o voto favorável do PAN numa proposta de alteração do PS em sede de discussão de Orçamento do Estado 2020 – voltou a ser aplicável.

Por fim, uma das bandeiras de campanha do PAN foi a aprovação da Lei do Clima. Tratouse de um dos primeiros projectos-lei a dar entrada nesta legislatura. Porém, após a iniciativa baixar à comissão, nunca mais o PAN tomou qualquer diligência para a fazer avançar. Encontramo-nos no final da 1.ª sessão legislativa e o Partido tem descurado a possibilidade de dar cumprimento a este ponto do seu programa.

Os exemplos acima são três de vários que denotam alguma quebra do compromisso assumido para com os eleitores. Também os funcionários do partido se podem, justamente, sentir defraudados, pois o PAN não aplica internamente medidas que defende, como a redução do horário de trabalho e o direito à desconexão profissional. A par de tudo isto, fui sentindo cada vez mais a minha voz silenciada e a minha capacidade de trabalho condicionada, o que culminou com o meu recente afastamento da Comissão Política Permanente do PAN, feito à minha revelia e sem aviso prévio.

Tomei, por isso, a decisão de me manter na Assembleia da República como Deputada Não Inscrita. Acredito que posso fazer a diferença com o meu trabalho e a minha dedicação, a partir de agora orientados exclusivamente pelos princípios e valores que me
trouxeram à causa pública e ao desafio Parlamentar.

Aos eleitores do distrito de Setúbal que contribuíram para a minha eleição, quero assegurar que continuarei a estar atenta, como sempre estive, a questões importantes, como o aeroporto do Montijo, as dragagens no Sado, a pavimentação na Fonte da Telha, os sistemáticos danos à Serra da Arrábida, a situação preocupante em que se encontram as unidades de saúde, os problemas do serviço de transportes públicos e, a encerrar esta lista, mas não menos relevante, a questão dos maus-tratos a animais e a manifesta insuficiência de resposta à situação dos animais errantes por parte das entidades municipais.

Peço-vos que continuem a acompanhar o meu trabalho e a fazerem-me chegar as vossas denúncias e pedidos de ajuda. Foi para vos servir e para servir as causas animal, ambiental e social que aceitei o desafio de ser deputada e irei manter o compromisso assumido.

Cristina Rodrigues
Deputada Não Inscrita

25.06.2020 - 12:35

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2020 Todos os direitos reservados.