Conta Loios

bastidores

Direcção Regional de Setúbal do PCP
Aquilo que se exige no imediato é que a TST e a ALSA Todi, cumpram com os horários

Direcção Regional de Setúbal do PCP<br />
Aquilo que se exige no imediato é que a TST e a ALSA Todi, cumpram com os horários "O PCP defende que não sejam pagos a estas empresas os serviços que não estão a realizar, e tudo fará dentro do âmbito das suas responsabilidades para que os contractos sejam integralmente cumpridos e as expectativas dos utentes e trabalhadores não sejam defraudadas.", afirma a declaração do executivo da DORS do PCP sobre Transporte Rodoviário.

Declaração do Executivo da DORS do PCP
Os problemas com o Transporte Rodoviário na Península de Setúbal, e medidas para a sua superação

1. As populações, os utentes, a vida social e a economia da Península de Setúbal estão a ser profundamente prejudicadas com os constantes incumprimentos por parte das empresas ALSA TODI e TST, dos horários e serviços a que contratualmente estão obrigadas a diariamente a efectuar.

Uma primeira palavra do Executivo da Direcção Regional de Setúbal do PCP é de solidariedade para com as populações concelhos de Alcochete, Almada, Barreiro, Moita, Montijo, Palmela, Seixal, Sesimbra e Setúbal utentes do serviço público de transporte rodoviário que se confrontam todos os dias com ausência do serviço programado, situação que lhes cria inúmeros prejuízos e transtornos pessoais e profissionais.

Uma segunda palavra é de solidariedade para os trabalhadores da TST e da ALSA Todi que viram de novo como no passado abater-se sobre eles o descontentamento com os problemas que se verificam e que são da responsabilidade das Administrações destas empresas.

2. Relembramos que as Administrações destas empresas concorreram no primeiro trimestre de 2020 (e ganharam) um Concurso Público Internacional onde se obrigavam a fornecer um determinado serviço – carreiras e horários pelo qual lhes é pago um determinado montante.
Aquilo que hoje populações e utentes temos pela frente é uma clara e flagrante violação pelas administrações destas empresas dos pressupostos do concurso, muito para além do que seria atendível quando estamos perante tão grandes alterações em relação ao passado.
Não é aceitável que estas empresas que tiveram tempo desde o momento da adjudicação dos contractos (final de 2021) para se prepararem para responder as suas obrigações persistam em não resolver os problemas prejudicando populações e utentes.

3. O Executivo da DORS do PCP afirma às populações aos utentes e aos trabalhadores da TST e da ALSA Todi que o lançamento destes concursos púbicos internacionais pela Carris – Transportes Metropolitanos de Lisboa constituiu um passo positivo para levar mais longe aquilo que foi conseguido com a conquista do Passe Social Intermodal válido em toda Área Metropolitana e em todos os operadores de transportes, com substancial redução do seu custo que não pode ser colocado em causa pela actuação das Administrações da TST e da ALSA Todi.

Aquilo que se exige no imediato é que a TST e a ALSA Todi, cumpram com os horários, carreiras e percursos a que estão contratualmente comprometidas, que adequem de imediato a sua frota ao serviço que tem de prestar nomeadamente, que façam desdobramentos nas carreiras onde não têm viaturas de maior lotação de modo a que os utentes não fiquem nas paragens.
O PCP defende que não sejam pagos a estas empresas os serviços que não estão a realizar, e tudo fará dentro do âmbito das suas responsabilidades para que os contractos sejam integralmente cumpridos e as expectativas dos utentes e trabalhadores não sejam defraudadas.

Setúbal, 26 de Setembro de 2022

26.09.2022 - 22:24

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2022 Todos os direitos reservados.