Conta Loios
rostos.pt
PESQUISAR     
    HOME  |   FICHA TÉCNICA   |   ESTATUTO EDITORIAL   |   ASSINATURAS  |   EDIÇÃO IMPRESSA  |   NEWSLETTER  |    RSS  |    TWITTER  |    FACEBOOK  
INFERÊNCIAS
Horóscopos Diários
Dia 13 de Dezembro 2017
Por Maria Helena


Barreiro - Rostos do Ano 2016
Sessão de Entrega dos Diplomas


Por dentro dos dias – Barreiro
Uma Rede social pode ser um instrumento de relação humana positiva


Por dentro dos Dias - Barreiro
Está ali o meu país


Por dentro dos dias - Barreiro
As melhoras Ti’João


Barreiro / Moita - Associativismo e Comunicação
Valorizar as dinâmicas de comunicação na vida associatva


COLUNISTAS
Três vezes onze
Por Nuno Santa Clara
Barreiro


Saúde um direito constitucional que não se cumpre na Vila da Baixa da Banheira
Quanto mais prometem, menos cumprem!
Por Nuno Cavaco


Cada cor, seu paladar!
Por Jorge Fagundes
Barreiro


Falar de mim
Por Carlos Alberto Correia
Barreiro


Vigiar e intervir antes de ser tarde demais!
Por Nuno Banza
Barreiro


AUTARQUIAS e CONTABILIDADE DE CUSTOS
por José Caria
Montijo


BASTIDORES
PCP repudia fortemente a intenção demonstrada pela multinacional General Eletric
de encerrar a sua unidade de produção em Setúbal.


Presidente da Câmara Municipal do Barreiro, Frederico Rosa
Integraa Lista do Conselho Geral da A.N.M.P


Presidente da distrital de Setúbal do PSD, Bruno Vitorino
«Ampliação de Alcântara mata terminal de contentores para o Barreiro»


Eleição da Comissão Executiva Metropolitana de Lisboa
Carlos Humberto ex-presidente da CM Barreiro eleito 1º Secretário


Barreiro - Reforço financeiro Corporações de Bombeiros a partir de 2018
Vereadores CDU apresentam proposta


Seixal - Recolha de resíduos sólidos urbanos
Nuno Magalhães questiona autarquia


Barreiro - Vereadores CDU propõem a constituição
de um Gabinete Municipal de Regeneração Urbana


PSD preocupado com futuro da RUMO que pode levar 78 trabalhadores para o desemprego.

AS EMPRESAS
Montijo - Raporal volta a promover Natal Solidário
Vai doar 4 000Kg de produtos da marca STEC


Moita / Barreiro - Continente vai abrir loja na Baixa da Banheira
Constituída por ambientes que lembram os mercados tradicionais


TST oferece 17 passes anuais para 2018 e promove a mobilidade inclusiva na região de Setúbal
HOMENAGEIA CLIENTES COM MAIS DE 90 ANOS


Embaixador da Coreia do Sul visita Lisbon South Bay
Apresentados ativos da Baía do Tejo e dos concelhos de Almada, Barreiro e Seixal



Palmela - Tecnologia tailandesa chegou a Portugal e pode ser usada por qualquer pessoa
Bola extintora apresenta-se à proteção civil e bombeiros


Transportes Colectivos do Barreiro
Concurso público para aquisição de 60 autocarros a Gás Natural


DESPORTO
Palmela - João Jesus sagrou-se Campeão Nacional de Grupos Idade de Duatlo
Cãmara aprova saudação ao atleta pinhalnovense


Barreiro - Mais uma Caminhada/ Treino Solidário de Natal promovida pelos BRRnightRUNNERS
Foi um sucesso com mais de 250 pessoas


Barreiro - O maior noturno de BTT em Portugal
Passeio Noturno de S. Silvestre em BTT a 16 de dezembro


Barreiro - No Pavilhão Municipal Luís de Carvalho
Taça de Natal Fabriltramp


Barreiro - Torneio Jovem Santoantoniense
Uma prova de Xadrez muito concorrida no total competiram 47 crianças


AS ESCOLAS
Moita na Rede OCDE Education 2030
ETPM a única Escola Profissional Portuguesa que integra


Associação NÓS celebra 35 Anos com Exposição itinerante
EST Barreiro acolhe ‘Nós Fazemos Lugar’ até 20 de dezembro


Setúbal - »Reviver é viver» propõe animação artística e cultural para a vila de Mértola
Projeto de estudantes do IPS escolhido para potenciar


Moita - Dar mais sentido à essência do ensino profissional
ETPM assina Manifesto Escolas 4.0


Barreiro - Agrupamento de Escolas de Santo António «Marca a Diferença»
Este é o lema do Projeto Educativo do nosso Agrupamento


Agrupamento de Escolas Augusto Cabrita do Barreiro
Participa numa reunião transnacional que decorre em Ljubljan


Barreiro - Agrupamento de Escola de Casquilho na Eslováquia
Aprovação de mais um projeto Erasmus+ este ano letivo


REPORTAGEM
Barreiro - Tarifário da Água mantém preços de 2017
Proposta aprovada com abstenção da CDU e PSD


Barreiro – Mais de 200 pessoas no Manuela Borges
Uma homenagem nos 81 anos de Anita Guerreiro


Barreiro - Cada vez há mais casos de diabetes nas escolas
Actualmente estão referenciadas 34 crianças


Barreiro - Projéctor no «Teatro de Bolso» da Verderena
«Estrelas no Céu da Manhã» - onde espreitámos a luz a rasgar o tempo


Barreiro - «A cultura não rima com ditadura»
50 anos depois cantar «os vampiros» e reviver a luta pela Liberdade


Barreiro – Uma viagem que antecedeu eleição de Donald Trump
«Há mais América que aquela que nos chega pelos media»


Barreiro - Tomada de Posse dos Juízes Sociais
Vão se aperceber das «dificuldades dos juízes em julgar»


Barreiro - Concurso de «Fornos Solares»
Sara Baltazar e Pedro Damas vencedores vão viajar até à Alemanha.


Barreiro - Um musical para todas as idades
Um convite a mergulhar por dentro da imaginação


MOLDURA
OUT.FEST - Festival Internacional de Música Exploratória do Barreiro
Nomeado na categoria de «Best Indoor Festival»


Moita - Conferência «Consumir e Produzir Agricultura Biológica»
Necessidade de aumento de produção em Agricultura Biológica


Barreiro - Centenário do Maestro Ferrer Trindade
Evocado o homem e a música


Moita - Freguesias da Baixa da Banheira e Vale da Amoreira
Festa de Natal Comunitária


Barreiro - Pista de Gelo situada no Parque da Cidade
Atraiu mais de mil pessoas este fim de semana
. Angariados mais de 5 mil euros pa


A ArteViva - Companhia de Teatro do Barreiro tem o prazer de anunciar mais uma grande estreia!


Barreiro - EB 2/3 Quinta da Lomba vence Concurso «Figuras de Natal Ecológicas»
RUMO e EB1 Palhais 2ª e 3ª classificadas


Barreiro - No próximo «Reserva o Sábado»
«CSI: corujas»


AUTARQUIAS
Conselho Local de Ação Social do Barreiro
42ª Reunião Plenária


Barreiro - Repavimentação da Rua Vital Pereira no Lavradio
Arranca a 13 de dezembro


Barreiro - Três sessões públicas da Assembleia Municipal do Barreiro na SFAL
Descentralização das reuniões pelas várias freguesias


Setúbal - Novos Órgãos Sociais da AMRS
Sofia Martins do Barreiro assume o cargo de Secretária-Geral


OPINIÃO
Reabilitação Urbana: Oportunidade para o Barreiro – II
Por Rui Lopo
Barreiro


ALERTA AOS PAIS!
Por Clara Soares
Bareiro


PARA QUE NUNCA ESQUEÇA
11 NOVEMBRO 1967 - 11 NOVEMBRO 2017 – FAZ HOJE 50 ANOS
Por Alfredo Matos
Barreiro


ASSOCIATIVISMO
Barreiro - Grupo Dramático e Recreativo «OS LEÇAS»
Tradicional Festa de Natal


Barreiro -«Desfile dos Pais Natal Motards»
Uma iniciativa do Moto Clube do Barreiro dia 23 de Dezembro


LIVROS
Américo Dimas Netto natural do Montijo
Apresenta livro Contos de Sabedoria


Na Biblioteca Municipal Bento de Jesus Caraça na Moita
José Luís Peixoto apresenta «O Caminho Imperfeito»


POSTAIS
Barreiro – Situação na RUMO
«Tudo está na mesma»
. Pessoas com salários em atraso


Barreiro – Na reunião pública de Câmara
Um minuto de silêncio em memória de Maria Isilda Pires


A mais antiga Colectividade do concelho do Barreiro
Içar Solene das bandeiras assinala 150 anos de vida da SFAL


Barreiro – Aprovado Contrato de Rede de Drenagem Doméstica da Penalva
Só agora foi possível avançar por existirem condições de financiamentos

Barreiro – Loja Solidária no Mercado 1º de Maio
Artesanato - «tudo produzido pelos nossos associados»


EUROPA
União da Segurança: A Comissão colmata as lacunas de informação
ara proteger melhor os cidadãos da União Europeia


colunistas rostos.pt - o seu diário digital

Medos e confusões
Por Carlos Alberto Correia
Barreiro

Medos e confusões<br />
Por Carlos Alberto Correia<br />
BarreiroEm todos os casos a apresentar aparecem, nas ditas redes, artigos e comentários, sobretudo, alinhados em prós e contras. Num maniqueísmo militante as pessoas dividem os atores sociais em bons e maus e, consoante a visão própria, defendem acerrimamente o seu partido, como se esse parcialíssimo ponto de vista contivesse toda a verdade do mundo.

Uma coisa é certa! Dentro de trinta a quarenta anos a maior parte dos empregos conhecido não existirá ou será feito por robôs e inteligências artificiais. É o mundo em mudança. Ameaça, mas não se extingue. Anunciam-se apocalipses e vamos a ver, dão-se umas convulsões – algumas com gravidade – e continua-se a caminho do próximo receio, da próxima mudança. “C’est la vie”! Outra coisa certa é que eu não estarei cá para verificar a justeza das minhas afirmações. Terei, há muito, ultrapassado o meu prazo de validade. Continua a ser a vida!

Não acreditando em destinos ou predestinações, creio firmemente nos efeitos sociais das escolhas dos indivíduos e das sociedades. Para aligeirar explicações, direi que, em cada escolha, seja ela a mais prosaica, acontecem, no mínimo, duas coisas: primeira, escolher implica rejeitar tudo quanto se não preferiu; segunda, cada escolha implica as escolhas seguintes e assim “ad nauseam”. Os efeitos visíveis dessas escolhas só serão entendíveis a muito longo prazo, no tempo histórico ou sociológico. No presente ficamos com a ilusão de que nada demais aconteceu, embora estivéssemos a produzir futuro(s).

Visa esta introdução colocar três temas cujos, de modo vário, têm sido debatidos nos últimos tempos, os quais pretendo ligar por nexo de causalidade. Todos eles têm em comum o forte debate feito nas e a propósito das redes de comunicação social.

Em todos os casos a apresentar aparecem, nas ditas redes, artigos e comentários, sobretudo, alinhados em prós e contras. Num maniqueísmo militante as pessoas dividem os atores sociais em bons e maus e, consoante a visão própria, defendem acerrimamente o seu partido, como se esse parcialíssimo ponto de vista contivesse toda a verdade do mundo. Qualquer terceira opinião será completamente exautorada e os seus seguidores levados à completa desautorização e inanidade.

Vejamos em primeiro lugar o debate sobre a Venezuela! De um lado está a fação – mais alinhada com as esquerdas – da conspiração ocidental neoliberal, contra um regime popular - do outro, os defensores de “sociedades abertas” – mais alinhadas com as direitas – clamando contra os ataques aos direitos humanos e democráticos, perpetrados pelo regime personificados em Maduro, o seu chefe.
Consigo encontrar algumas razões válidas em ambos os lados. Desconfio e penso inaceitável, a lógica do demónio e do anjo. Não desprezo as teorias sobre manipulações de interesses exógenos, sobretudo por causa do petróleo, mas também por desamor ao regime e a qualquer aproximação da ideia de república e poder popular. É-me igualmente difícil perceber que um líder de esquerda sobreponha a sua vontade de dominação, às angústias de um povo condenado à fome, à luta pela sobrevivência, ainda que possivelmente manipulado por forças ínvias. Não entendo como, para defender o povo, se permite aos polícias atirarem a matar sobre a multidão onde, certamente, predomina a presença dos “deserdados da sorte” ou, por mais simples palavras, desse mesmo povo. É uma situação a remeter-me para tristes e salazarentas memórias. Também nesse tempo, quando polícias e guardas marchavam contra os manifestantes, nunca eles representavam, fossem quantos fossem, o povo legítimo. Eram sempre agitadores comandados pelo exterior.

Lá, como cá, existirão sicários a soldos de interesses perversos? Certamente, sim, mas serão uma minoria. Na verdade, num país onde a inflação anual é da casa dos três dígitos, não se poderá pedir, a quem tem ordenados curtos e constantes, que fique quieto em casa, em nome de qualquer ideologia, à espera que uma batata custe o valor de três meses de ordenado. Um líder de esquerda, preocupado com o bem-estar popular, ou encontra soluções ou cederá o seu lugar a outro que as consiga. O resto é manutenção de poder pessoal e, se o não for ainda, um caminho célere para a ditadura. Por isso eu não gosto de Maduro e não permito que, por esta posição, me possam quer ligar, de imediato, ao conjunto dos inimigos do poder popular na Venezuela. Ao argumento de que ele lá está por eleições, contraponho primeiro ter sido sucessor (sou contra dinastias) e que, por votos, também Hitler chegou ao poder…

A gente às vezes engana-se!

Ainda na mesma lógica do bom e do mau, sem estados intermédios, aterra-me em cima o caso da Caparica. Uns querem matar os pilotos porque, ao pousarem na praia, preferiram salvar as suas vidas à custa do sacrifício de uns quantos desconhecidos a povoarem o areal. Outros defendem tecnicamente a opção tomada pelos pilotos, equacionando a grande percentagem de insucessos nas amaragens. Nada sei de pilotagem. Limito-me a comprar bilhetes e voar - esperando sem problemas - nos autocarros aéreos que me levam rapidamente aos destinos pretendidos. No entanto, azares de guerra, tive uma experiência algo semelhante na Guiné. Um monomotor onde fazia vigilância aérea perdeu o motor. Apesar disso, o piloto conseguiu manobrar o avião de molde a conduzi-lo onde pretendia e a pousar sem danos para a população e para a tripulação. Curiosamente, tal como no caso da Caparica, ficou também com uma das asas quebrada. Penso, por isso, que esta questão vai para lá da técnica. Trata-se de uma decisão moral. Os pilotos, ao entrarem no avião, tomaram uma resolução com dois resultados possíveis: chegar incólumes ao destino, ou terem um acidente de onde resultassem ferimentos ou presumível morte. E, tacitamente, aceitaram-na. Os banhistas estiveram ausentes nestas decisões. É aqui que se intromete a falha ética. Ao definirem a vontade de voar, tornaram-se responsáveis por quanto adviesse dessa deliberação. Portanto mesmo sendo mais perigoso aterrar na água, caso fosse possível, é o que deveriam ter feito, independentemente dos riscos corridos. Uma escolha acarreta a responsabilidades das consequências, mesmo não imaginadas, e se algumas não estão nas nossas mãos, ali, talvez estivesse. Há um nome para quem não assume as consequências das suas escolhas. Podem não ser criminosos, mas tudo leva a acreditar terem sido egoístas e cobardes.

A isto junta-se o visível pânico que atravessa as hostes de comentadores e jornalistas. Ouvimo-los bramar contra a desinformação patente nas redes sociais; contra a informe primário, não tratado, mesmo falso, a campear nas redes. E têm razão. De facto, qualquer cidadão com um telemóvel documenta situações que a muitos conviria que não aparecessem na sua crueza. Se os argumentos de primarismo e facciosismo não deixam de ter cobertura, a maior ameaça para a informação profissional não virá, apesar de tudo, das redes, mas sim dos efeitos da conglomeração dos media em pouquíssimas empresas ou centros de poder, interessados em difundir “a sua verdade”. Perdem razão os investimentos cada vez que um popular mostra o que pretenderiam ocultar. Digam-no os polícias racista da América.

O risco de desinformação existe na rede? É um facto! As notícias falsas pululam? Sem dúvidas! O jornalismo profissional poderia servir uma informação acautelada, trabalhada e isenta? Podia, mas, na maior parte dos casos, também não o faz. Limita-se a informação de Agência, muitas vezes tão acrítica quanto a que circula nas redes, a cumprir desígnios de poderosas corporações. Culpas deles? Talvez não! Com certeza do medo de perderem o emprego e dada a rarefação de empresas de informação, saírem de uma é, muito provavelmente, condenarem-se ao desemprego permanente. Todos temos de pensar no bife!

Lembrando-me das imagens, sempre as mesmas, passadas nas televisões (fogos e Venezuela) repetidas durante semanas, a ilustrarem notícias de diferentes conteúdos e tempos, sem a indicação de não se referirem à notícia em curso, induzindo uma continuidade mentirosa, percebemos como estamos a ser manipulados por quem tem o dever de transmitir os factos com a maior isenção. Ás vezes até parece que não percebem a diferença entre notícia e opinião.

Concluindo! É confuso e temeroso o que se passa na Venezuela? Sim! Temos medo, muitas vezes com razão, de decisões individuais que podem trazer catástrofes às nossas vidas? Com certeza! Construímos teorias da conspiração, por tudo e por nada, porque descremos dos meios de comunicação - de quem eles servem e quem deles se serve - dos políticos e outros decisores que ajeitam a verdade à medida dos seus interesses, com “factos alternativos”? Indubitavelmente! Poderíamos, nos tempos que correm, estarmos menos confusos ou temerosos? Evidentemente!

Mas, sabem, isso dá muito trabalho! É uma chatice! “C’est la vie”!

Carlos Alberto Correia

05.08.2017 - 21:10
Imprimir   imprimir

rostos.pt - o seu diário digital

rostos.pt - o seu diário digital

Partilhar: partilhar no facebook  TwitThis  digg it  Google Bookmark  Technorati  guardar link no del.icio.us 

rostos.pt - o seu diário digital

PUB.

rostos.pt - o seu diário digital

comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

rostos.pt - o seu diário digital

envie o seu comentário

rostos.pt - o seu diário digital

PUB.

rostos.pt - o seu diário digital





rostos.pt - o seu diário digital

Pesquisar outras notícias no Google

rostos.pt - o seu diário digital

rostos.pt - o seu diário digital

Design: Rostos Design. Fotografia e Textos: Jornal Rostos.
Copyright © 2002-2017 Todos os direitos reservados.

PUB.

PUB. - ANUNCIO

PUB.

PUB.

REVISTA ROSTOS

PUB.

PUB.

ROSTOS APOIA

DAMOS ROSTOS ÀS CIDADES

PUB.

PUB.

DIVULGAÇÃO

EDIÇÃO IMPRESSA


OUTRAS EDIÇÕES

  

  

VIDEOS ROSTOS

CANAL ROSTOS NOS VIDEOS SAPO


LIGAÇÕES

MARTA SOUSA PEREIRA Photography


ENTRE TEJO E SADO - BLOG SAPO LOCAL


SAPO LOCAL


GOOGLE NEWS - BARREIRO


JORNAIS E REVISTAS


CAMARA MUNICIPAL DO BARREIRO


CAMARA MUNICIPAL DA MOITA


BLOG DEDICADO A LAURA SEIXAS


ARTBARREIRO.COM


BANDA MUNICIPAL DO BARREIRO


MEMBRO DA

AIND