Conta Loios

colunistas

O SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE - ANO 2020
José Caria
Montijo

O SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE - ANO 2020<br />
José Caria<br />
Montijo Em resposta à pandemia, a despesa do Serviço Nacional de Saúde (SNS) aumentou de forma muito expressiva a um ritmo próximo de 7% (6,8%), com o investimento a crescer 65,4% para 262 milhões de euros.

No ano de 2020 a despesa aumentou 6,8% (727,3 milhões de euros), o que reflete:

O aumento dos fornecimentos e serviços externos (297,2 milhões de euros, 4,9%) - com destaque para o contributo dos produtos farmacêuticos (1,8 p.p., 189,2 milhões de euros), do material de consumo clínico (1,1 p.p., 119,6 milhões de euros) e dos produtos vendidos em farmácias (0,3 p.p., 36,9 milhões de euros) - e das despesas com pessoal (269,2 milhões de euros, 6,1%)43.

Esta evolução foi parcialmente compensada pelos contributos negativos dos encargos com Parcerias Público-Privadas relacionados com o término da PPP do Hospital de Braga no final de agosto 2019 (-1 p.p., -110,2 milhões de euros) e dos meios complementares de diagnóstico e terapêutica (-0,1 p.p., -11,5 milhões de euros).

Destaca-se, ainda, o contributo da rubrica de outra despesa (1,5 p.p., 160,9 milhões de euros) resultado do aumento dos encargos associados à prevenção e tratamento da doença COVID-19, em particular:

1) do investimento (103,8 milhões de euros), que inclui a aquisição de equipamentos de cuidados intensivos (38,2 milhões de euros), bem como a realização de outros investimentos nas instituições do SNS;

2) das transferências para a Direção-Geral da Saúde para efeitos de financiamento de compras de Equipamento de Proteção Individual e medicamentos (68,8 milhões de euros).

O crescimento na receita efetiva resultou, essencialmente, do aumento das transferências do OE (1 187 milhões de euros, 12,6%).
Investimento no SNS superou máximos históricos.

Em resposta à pandemia, a despesa do Serviço Nacional de Saúde (SNS) aumentou de forma muito expressiva a um ritmo próximo de 7% (6,8%), com o investimento a crescer 65,4% para 262 milhões de euros.

Também as despesas com pessoal registaram um aumento de 6,1%, em grande parte devido ao acréscimo do número de profissionais de saúde do SNS (+ 6,8%), o que corresponde a mais 9.078 novos trabalhadores em 2020.

Os pagamentos em atraso no SNS atingiram em 2020 mínimos históricos (151 milhões de euros), com uma redução de 109
milhões de euros. Esta quebra explica que os pagamentos em atraso nas Administrações Públicas tenham caído 53 milhões de euros face a dezembro de 2019.

JOSÉ CARIA

09.02.2021 - 17:45

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2021 Todos os direitos reservados.