Conta Loios

conversas de 2 minutos

Josefa Moura na descoberta da luz do Barreiro
“Uma cidade com história e com alma”

Josefa Moura na descoberta da luz do Barreiro<br>
“Uma cidade com história e com alma”<br>
<br>
“Sinto que é uma cidade com potencialidades, com história, uma cidade que tem um elemento agregador a água, o seu rio. O Barreiro é um pouco isto – água, luz e história”, sublinha Josefa Moura.

“É uma terra para pintar porque tem muita luz e mar”, refere.

Josefa Moura, é natural de Moura, vive nas Fontainhas, na Quinta do Conde, licenciada em Artes Visuais e Multimédia, pela Universidade de Évora.
Define-se como “pintora de rua” ou “pintora de exteriores”, sublinha que trabalhar num estúdio “é estar de porta fechada”.
“Sou uma paisagista. A paisagem é a temática principal do meu trabalho, paisagens com pessoas, porque as pessoas são o mais importante”, refere.

Cultura é partilha

Mantemos uma conversa amena, aberta, sem perguntas, Josefa Moura sublinha que – “o desenho é o espirito do quadro”.
Refere que a pintura faz parte do seu quotidiano – “pinto todos os dias e gosto de partilhar os meus trabalhos”.
“É nisto que as redes sociais têm um sentido positivo, permitem que possa partilhar os meus trabalhos, é por isso que publico no facebook os meus trabalhos”, comenta.
“Sabe o conhecimento faz parte da vida das pessoas, mas a cultura é partilha, porque se guardamos o nosso saber e não o partilhamos, se não chegamos aos outros, não há cultura”, refere.
“Eu aprendo todos os dias, quero aprender todos os dias”, salienta.

Barreiro é uma cidade com história e com alma

Josefa Moura, foi a autora da capa do último livro de Emanuel Gois, escritor barreirense, com quem tem partilhados os seus trabalhos e que lhe proporcionou conhecer o Barreiro – “vivo a dez minutos do Barreiro”.
“O Barreiro é uma cidade com mar por todo o lado. Eu gosto do mar. O Barreiro é uma cidade com história e com alma”, sublinha.
Enquanto vamos conversando, vamos também conhecendo as suas aguarelas a sépia, paisagens urbanas do Barreiro antigo, recriadas a partir de um filme, dos anos 30.
São imagens que cativam, pela força que nos transportam por dentro do tempo, mas, igualmente pela simplicidade do traço – “o tal desenho que é o espirito do quadro”.

Uma terra para pintar porque tem muita luz

Josefa Moura, sublinha que o Barreiro é uma cidade com muita luz, com edifícios degradados que são de grande beleza – “é uma terra para pintar porque tem muita luz e mar”.
“Sinto que é uma cidade com potencialidades, com história, uma cidade que tem um elemento agregador a água, o seu rio. O Barreiro é um pouco isto – água, luz e história”, sublinha.
Expressa o desejo de realizar uma exposição no Auditório Municipal Augusto Cabrita, mas, ainda está numa fase inicial de produção de trabalhos sobre o Barreiro, será esse o tema da sua exposição.

Exposição no Porto com o tema «fado»

Josefa Moura, neste momento está com uma exposição de trabalhos a óleo e acrílico, entre os quais estão quadros desenvolvidos com base no “realismo expressionista”. Está patente ao público na Art Galery D. Pedro, no Porto.
“É uma exposição que tem como tema o Fado, que revela Lisboa, os seus recantos do fado, do Bairro Alto e Mouraria, e, também, através da qua qual presto uma homenagem a Amália, Camané e Ana Moura”. salienta.

VER FOTOS

https://www.facebook.com/pg/jornalrostos/photos/?tab=album&album_id=10156061324527681

29.03.2019 - 01:07

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2019 Todos os direitos reservados.