as empresas

Barcos da Transtejo são uma bomba relógio é falso afirma Transtejo
Nova frota 100% elétrica navios são totalmente seguros
. Ligações fluviais de Cacilhas, Montijo e Seixal.

Barcos da Transtejo são uma bomba relógio é falso afirma Transtejo<br />
Nova frota 100% elétrica navios são totalmente seguros<br />
. Ligações fluviais de Cacilhas, Montijo e Seixal. Transtejo informa que a certificação do 1.º navio (navio Leader – designado “Cegonha-Branca”) já foi efetuada com absoluto sucesso, garante que os navios são totalmente seguros e que a sua certificação será efetuada por todas de todas as Entidades competente, nacionais e estrangeiras, designadamente pela Bureau Veritas, certificador internacionalmente reconhecido.

Esclarecimento sobre sistemas de energia e de emergência

Como é do conhecimento público, a Transtejo – Transportes Tejo, S.A. (Transtejo) adjudicou aos Astilleros Gondán, S.A. o fornecimento de 10 navios elétricos tipo catamarã de passageiros, para operar entre as duas margens do Rio Tejo, nas ligações fluviais de Cacilhas, Montijo e Seixal.

Este projeto é baseado totalmente em sistemas elétricos, cuja gestão dos vários sistemas de propulsão, manobra e de segurança a bordo foi desenvolvida especificamente para este projeto, tendo sempre como referência a regulamentação internacional aplicável, com vista à sua Certificação final pelas entidades Certificadoras, Administração Portuguesa (DGRM) e Sociedade Classificadora (Bureau Veritas- Certificador internacionalmente reconhecido).

O processo de Certificação do projeto e os variados testes realizados à primeira construção (navio Leader), denominado “Cegonha-Branca”, foi concluído em junho de 2023.

Sendo estes navios totalmente elétricos, em que os vários sistemas de bordo são alimentados por energia elétrica, a sua armazenagem é efetuada a partir de vários conjuntos de baterias marítimas que cumprem integralmente os requisitos de natureza técnica e da certificação dos navios, sendo geridas e monitorizadas por um software desenvolvido pelo seu fabricante, segundo as definições de segurança aplicados aos sistemas de gestão de energia elétrica constante do projeto de construção.

Este projeto tem como segurança básica a garantia de redundância total em todos os sistemas existentes a bordo, incluindo os de propulsão e manobra, mas também os ligados diretamente às emergências.

Assim, os sistemas de armazenagem de energia (ESS) e de gestão de energia (PMS/EMS) foram desenvolvidos para que todos os sistemas elétricos do navio a bordo estejam duplicados nos dois cascos e, ao mesmo tempo, que os sistemas ligados à emergência tenham, pelo menos, 2 alimentações elétricas.

Neste sentido, o sistema de armazenagem de energia elétrica instalado é composto por 2 conjuntos independentes de baterias de iões de lítio com refrigeração por ar frio forçado, cada conjunto instalado num casco.
Esclarecemos, ainda, que o arranjo elétrico dos navios tem uma configuração que reúne vários sistemas elétricos interligados, dos quais destacamos os sistemas de emergência 24V DC, cada um deles alimentado por grupos de baterias independentes de 24V, destinadas aos serviços considerados de emergência (Comunicações GMDSS, Máquina do Leme, Incêndio, Esgoto, Alarmes, PA) e localizadas num compartimento técnico junto à ponte de comando.

Todos os sistemas elétricos respondem às várias funções necessárias a bordo, tanto em condições normais como em emergência, e permitem cumprir os necessários requisitos de redundância e/ou independência entre eles.
Acresce que o acionamento dos meios de salvamento existentes não requer energia elétrica para a sua utilização. É acionado manualmente o sistema pneumático para o libertador das jangadas.

Existe, também, como na generalidade dos navios, um libertador das jangadas hidrostático.
Foi efetuada uma análise de risco para determinar as medidas de prevenção e combate específicas nestes compartimentos, para além dos sistemas de emergência normais para cumprimento dos requisitos de segurança aplicáveis a qualquer navio de passageiros do tráfego local.

Neste contexto, como meios ativos nos espaços técnicos das baterias existem 4 sistemas de extinção de incêndios, por espumífero adequado às baterias, individualizado por local das baterias equipado com garrafas de carga adequada aos vários espaços. Tem atuação remota a partir da ponte ou local, junto às portas de acesso, e tem alimentação a partir dos sistemas de emergência.
Existem, igualmente, duas bombas de esgoto automáticas com alimentação elétrica normal/emergência por casa espaço técnico e corte automático dos sistemas elétricos por casco.
A forma como estes são atuados, nas várias condições em que os navios se podem encontrar, está descrita no Manual de Operação, que é a base da formação que será ministrada a todos os tripulantes que operarão com os navios.

No âmbito da nova frota elétrica, foi, em 2022, ministrada formação em Eletrotecnia e Eletrónica (Eletrotecnia, Eletrónica, Baterias e Sistemas de Carregamento), com a duração de 40 horas, aos Maquinistas Práticos da Transtejo.
Esta formação teve lugar na AEMAR / ITN - Instituto de Tecnologias Náuticas.

Nos dias 16 e 17 de fevereiro de 2023, 2 tripulantes da Transtejo (juntamente com outros elementos das equipas de operação e de manutenção da empresa) deslocaram-se aos estaleiros Astilleros Gondán para uma visita técnica, a fim de conhecer as caraterísticas e especificidades do navio (nomeadamente a estrutura construída em fibra de vidro), tendo tipo a oportunidade de o manobrar.

Na semana de 3 a 7 de julho, 2 tripulações da Transtejo iniciaram a formação a bordo do navio elétrico já entregue à Transtejo. A formação teve a duração de 2 dias para cada tripulação, tendo como base o Manual de Operação do navio. Após esta formação inicial, será elaborado um plano de formação que abrangerá todas as tripulações da Transtejo, estando igualmente a ser formados continuamente 2 trabalhadores da área da operação (máquinas, ponte e convés) para acompanhamento da formação e tripulações.
Cada navio, à semelhança dos navios que constituem a atual frota da Transtejo, terá 4 tripulantes (Mestre, Maquinista e 2 Marinheiros).

A formação aos tripulantes, com uma parte teórica e outra prática, tem o objetivo de capacitar os tripulantes da Transtejo, com o nível de perícia necessário para a operação regular e segura das embarcações que constituirão a nova frota da Transtejo, de acordo com funções de cada um.

Mais informamos que o entrevistado, autor das declarações constantes no artigo, é ex-trabalhador da Transtejo, tendo cessado o vínculo contratual com a empresa em 1 de fevereiro de 2022.

Lisboa, 13 de setembro de 2023

13.09.2023 - 19:13

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2024 Todos os direitos reservados.