Conta Loios

personalidades

Prémio Internacional Virgínia Quaresma homenageia Eduardo Lourenço
Filósofo cuja obra contribuiu para a reflexão crítica sobre Portugal e a Europa

Prémio Internacional Virgínia Quaresma homenageia Eduardo Lourenço<br />
Filósofo cuja obra contribuiu para a reflexão crítica sobre Portugal e a Europa Eduardo Lourenço é o vencedor do Prémio Carreira da 1ª edição do Prémio Internacional em Estudos Culturais Virgínia Quaresma.

Divulgado esta quarta feira, dia 13 de janeiro, o Prémio Virgínia Quaresma distinguiu também com menções honrosas outras três teses de doutoramento assinadas por Lélian Silveira, Walter Chile e Catarina Laranjeiro.

Eduardo Lourenço é o vencedor do Prémio Carreira da 1ª edição do Prémio Internacional em Estudos Culturais Virgínia Quaresma. Ao filósofo junta-se Sara Vidal Maia, galardoada com o Prémio Melhor Tese de Doutoramento em Estudos Culturais. Promovido pela Universidade de Aveiro (UA), o Prémio Internacional tem o apoio da Rede Internacional em Estudos Culturais (RIEC) e da Rede Nacional em Estudos Culturais (RNEC) e, nesta edição, conta com o patrocínio da Direção Regional de Cultura do Centro.
Divulgado esta quarta feira, dia 13 de janeiro, o Prémio Virgínia Quaresma distinguiu também com menções honrosas outras três teses de doutoramento assinadas por Lélian Silveira, Walter Chile e Catarina Laranjeiro.

“A atribuição do Prémio Carreira a Eduardo Lourenço e do Prémio para a Melhor Tese de Doutoramento a um trabalho que aborda o papel da imprensa na reprodução das estruturas de género em Portugal pretende estimular a reflexão crítica em torno de algumas questões que são caras aos Estudos Culturais: o colonialismo e pós-colonialismo português, a lusofonia, a democracia, as questões de género, raça e classe”, aponta o Reitor da UA, Paulo Jorge Ferreira. O responsável acrescenta: “Refletir sobre estes temas é refletir sobre a nossa história, a nossa cultura e a nossa identidade e sobre vários aspetos importantes da transformação social e cultural que caraterizam a sociedade contemporânea”.

O galardão é atribuído a cada dois anos nas duas modalidades “Carreira”, com prémio no valor de 1.500 euros, e “Melhor Tese de Doutoramento em Estudos Culturais”, premiado com a edição e publicação da tese escolhida.

Eduardo Lourenço: um gigante do pensamento luso

Nascido em São Pedro de Rio Seco, na Beira Interior, em 1923, e falecido a 1 de dezembro de 2020, em Lisboa, o professor Eduardo Lourenço, filósofo e ensaísta, foi um dos principais filósofos cuja obra contribuiu para a reflexão crítica sobre Portugal e a Europa. Eduardo Lourenço frequentou o Colégio Militar em 1934 e em 1940 ingressou na Universidade de Coimbra, onde se licenciou em Ciências Histórico-Filosóficas. Foi no ambiente académico conimbricense, em 1949, que publicou o seu primeiro livro, intitulado Heterodoxia, do qual faz parte um fragmento da sua tese de licenciatura, O Sentido da Dialéctica no Idealismo Absoluto. No seu percurso profissional e académico, Eduardo Lourenço lecionou em Bordéus, Montpellier, Grenoble, Nice (França), Hamburgo, Heidelberg (Alemanha) e Bahia (Brasil). A divulgação do pensamento lourenceano pelo mundo muito deve ao trabalho de Annie Salamon, sua esposa e tradutora, que traduziu para francês a maioria das suas obras. Foi Conselheiro Cultural (1989-1991) e de Estado (2016-2020). Para além de receber diversos prémios, foi igualmente agraciado com várias condecorações, comendas, homenagens e honras académicas pelo contributo do seu pensamento crítico na cultura portuguesa.

É inegável o vasto contributo científico e intervenção cultural do pensamento do Professor Eduardo Lourenço no âmbito da cultura, cidadania e cooperação europeia e ibérica. Profundamente político, poético, criativo, despretensioso, irreverente e inspirador, o Professor Eduardo Loureço destaca-se pela densidade política e crítica do seu pensamento. À semelhança de Raymond Williams, Richard Hoggart e Edward Palmer Thompson, fundadores dos Estudos Culturais, também Eduardo Lourenço interroga, filosoficamente desalinhado com a ordem, a cultura nas suas mais variadas dimensões.

Tal como preconizado pelos estudiosos dos Estudos Culturais, o pensamento lourenceano, que reflete Portugal, a Europa e as ex-colónias, também parte das margens: quer sobre o que permaneceu na sombra, nos factos esquecidos ou recalcados e, portanto, em situação de permanente oposição ou conflito interno, como a desmemória nacional intencional e seletiva ou o trauma relativamente ao (pós-)colonialismo português, a lusofonia e a contestação transatlântica ao pensamento luso-tropicalista de Gilberto Freyre, quer sobre a esperança da construção de uma Europa Utópica fora de uma conceção ou paradigma cultural eurocêntrico, hegemónico e norte-americano.

O inegável contributo que as reflexões do professor Eduardo Lourenço trazem, sobretudo quando agregadas ao seu contexto de produção e à visão de conjunto da sua obra, e que fornecem uma fonte científica inesgotável para (re)pensar e refletir profundamente as culturas portuguesa, ibérica e europeia como construções simbólicas, mitológicas, imaginárias, políticas e críticas foi o que motivou a decisão a que chegou o júri do Prémio Internacional em Estudos Culturais – Virgínia Quaresma de atribuir, por unanimidade, o Prémio Carreira ao Professor Eduardo Lourenço, a título póstumo, pelo inestimável contributo científico e cultural da sua obra dentro do campo dos Estudos Culturais.

Tese vencedora assinada por Sara Vidal Maia

A crítica das estruturas do poder, do discurso e da identidade são temas caros aos Estudos Culturais bem como aos Estudos de Género, áreas que compõem os eixos teóricos da tese de Sara Vidal Maia, “Relações de Poder e Identidade(s) de Género: A sociedade ‘matriarcal’ de Ílhavo na década de 1950” (https://ria.ua.pt/handle/10773/17252 ), defendida em 2016, no Programa Doutoral em Estudos Culturais das Universidades de Aveiro e do Minho.

A autora aplica essa crítica ao estudo dos media e ao seu papel na construção, disseminação e interpretação das diferenças de género na sociedade portuguesa da segunda metade do século XX. Através da análise dos discursos textuais e imagéticos do jornal ‘O Ilhavense’, o estudo procura desconstruir o mito de uma pretensa sociedade matriarcal na cidade de Ílhavo, no centro de Portugal. Marcada, no século XX, pela forte presença da indústria da pesca do bacalhau, Ílhavo conviveu durante décadas com a ausência dos homens durante a maior parte do ano, o que levou à criação de uma ideia de matriarcado na cidade, bastante difundida no senso comum. A tese de Sara Vidal Maia demonstra que os dispositivos de poder e controle social, nomeadamente aqueles articulados pela imprensa local, permaneciam ativos e reforçavam a atribuição de papéis sociais bem definidos e hierarquizados a homens e mulheres, sem ruptura com as estruturas patriarcais da cultura portuguesa.

“Quando se pensa sobre sujeitos, as suas relações com o Outro e a sua vivência em comunidade, existem várias opções epistemológicas, teóricas e disciplinares nas quais esse pensamento se pode alicerçar. Porém, nenhuma delas é tão completa, transversal, flexível e empiricamente tolerante como a que é apresentada pelos Estudos Culturais”, afirma Sara, que declara ainda: “Regozijo-me pela minha tese (que tem o género como temática principal) ser reconhecida, valorizada e laureada com um Prémio Internacional na área dos Estudos Culturais que tem o nome de Virgínia Quaresma, uma mulher de extrema importância na história nacional e além-fronteiras”.

A 1ª edição do Prémio Virgínia Quaresma premiou ainda com menções honrosas as teses de doutoramento de Lélian Silveira, intitulada “O Olhar Europeu Sobre o Brasil: da exotização do paraíso à mercantilização turística”, de Walter Chile, sob o tema “Traquitanas cênicas - saberes teatrais e artes de pesca: A decolonização do cenotécnico no Teatro Cacuri”, e de Catarina Laranjeiro, intitulada “Entre as Imagens e os Espíritos: encontros com a memória da guerra de libertação na Guiné-Bissau”.

As teses de Lélian Silveira e Walter Chile foram defendidas no Programa Doutoral em Estudos Culturais das universidades de Aveiro e do Minho, respetivamente em 2017 e 2019, e a de Catarina Laranjeiro foi defendida no Programa Doutoral em Pós-Colonialismos e Cidadania Global, da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, em 2018.

Ao todo concorreram 27 teses de doutoramento de diversas universidades nacionais e internacionais. O júri foi composto por Paulo Jorge Ferreira, Reitor da UA, na qualidade de Presidente; por um representante da RIEC; por um representante da RNEC; pelo investigador/docente de maior categoria académica na área dos Estudos Culturais da UA e membro do Centro de Línguas Literaturas e Culturas desta universidade; por um perito internacional no campo dos Estudos Culturais e por um representante da entidade financiadora do Prémio de Melhor Tese de Doutoramento, neste caso, a Direção Regional de Cultura do Centro.

Virgínia Quaresma: feminista e primeira jornalista portuguesa

Nascida em 1882, Virgínia Quaresma desenvolveu ao longo da primeira metade do século XX uma profícua carreira como jornalista, ao lado de uma atuação internacional pelos direitos das mulheres, pela igualdade na educação para meninos e meninas, pela democracia, pela causa republicana e pelo pacifismo.

Reconhecida como a primeira jornalista em Portugal, afastou-se dos lugares e modos de escrita comumente reservados para as mulheres até ali e dedicou-se às reportagens investigativas, seguindo os princípios da objetividade e do apuramento exaustivo dos fatos que começavam a ganhar terreno sobre o jornalismo mais opinativo que caracterizara o século XIX.

Exerceu a profissão em importantes veículos da imprensa portuguesa da altura, como ‘O Século’, ‘A Capital’ e ‘A Época’, e, também, no Brasil, país em que viveu por dois períodos (1912-1917) e (1930-1964), buscando afastar-se da atmosfera opressiva do Estado Novo português, pouco convidativa para uma mulher negra, lésbica e com fortes convicções políticas, abertamente partidária das causas feministas.

De facto, para além do destaque que alcançou como profissional de imprensa, Virgínia Quaresma foi também conferencista de renome sobre as ideias feministas e sobre a necessária vinculação entre o feminismo e a democracia, defendendo a coeducação (currículos iguais para meninos e meninas) como instrumento fundamental para a emancipação das mulheres. Para ela, não era possível haver democracia sem igualdade de direitos entre homens e mulheres, como costumava afirmar já no período anterior à Proclamação da República, esta, também uma das bandeiras abertamente defendidas pela jornalista.

Ao assumir, em 1907, a direção da recém-criada revista Alma Feminina, Quaresma abriu caminho para a profissionalização de outras jornalistas em Portugal, determinando que todo o trabalho jornalístico da revista – exercido por mulheres - fosse remunerado. Presente tanto no campo teórico quanto através de ações práticas como essa, Virgínia Quaresma destaca-se no panorama do século XX português como um grande nome em defesa de causas fundamentais para a transformação das relações de poder, nomeadamente das relações de género.

Embora não tenha abordado diretamente a causa racial ou a causa dos direitos dos homossexuais, sua presença no círculo intelectual e ativista, bem como o respeito e admiração que alcançou internacionalmente, marcaram a sociedade e deram visibilidade a uma mulher negra que nunca escondeu a sua orientação sexual. “Virgínia Quaresma reúne na sua trajetória de vida e atuação profissional e política diversas questões prementes para os Estudos Culturais”, declara Maria Manuel Baptista, Professora Catedrática em EC da UA, “por isso escolhemos dar o seu nome a este prémio, que vem marcar o atual amadurecimento e fortalecimento deste campo científico em Portugal”, conclui.

13.01.2021 - 13:17

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2021 Todos os direitos reservados.