Conta Loios

reportagem

Barreiro - Aprovado empréstimo de 1 milhão e cinquenta mil euros
Criar um novo ponto de interesse no centro da cidade

Barreiro - Aprovado empréstimo de 1 milhão e cinquenta mil euros<br>
Criar um novo ponto de interesse no centro da cidade. PS - Recuperar equipamento que se está a degradar

CDU - Falta de estratégia para centralizar os serviços

. PSD - Obras em instalações que não pertencem ao município

BE - Preocupações sobre matérias financeiras

Aprovado o empréstimo até ao montante de 1 milhão e cinquenta mil euros destinado à reabilitação do antigo Armazém de Víveres e requalificação urbana e paisagística da área entre o antigo armazém de Víveres e o antigo dormitório da CP.

Na reunião de ontem da Assembleia Municipal do Barreiro foi aprovado o empréstimo de médio e longo prazo no âmbito do IFFRU, até ao montante de 1 milhão e cinquenta mil euros, verba destinada à reabilitação do antigo Armazém de Víveres e requalificação urbana e paisagística da área entre o antigo armazém de Víveres e o antigo dormitório da CP.
A proposta foi aprovada com os votos favoráveis do PS, PAN e MCI. A CDU votou contra. O PSD e o BE optaram pela abstenção.
Este empréstimo já tinha sido, aprovado, anteriormente em reunião da Assembleia Municipal, voltou agora devido a necessários ajustamentos de matérias referenciadas pelo Tribunal de Contas.

Um novo ponto de interesse no centro da cidade.

Rui Braga, vereador do planeamento, salientou que este empréstimo vai contribuir para criar um novo ponto de interesse no centro da cidade.
Referiu que vai permitir a transferência do «Espaço Memória», que está a funcionar no Parque Empresarial Baía do Tejo, para o Armazém de Víveres.
Salientou que 750 mil euros são destinados à recuperação dos edifícios e a restante verba destina-se à reorganização do espaço público.

Obras em instalações que não pertencem ao município

No debate da proposta, Vítor Castro Nunes, PSD, referiu que a posição do PSD sobre a proposta era optar pela abstenção, por considerar que vão ser executadas obras em instalações que são propriedade das Infraestruturas de Portugal, e, portanto não pertencem ao município.
Interrogou como está o processo de os edifícios serem adquiridos pela autarquia.
Por outro lado, recordou que há problemas onde a autarquia devia intervir, nomeadamente ao nível da Habitação Social.

Preocupações sobre matérias financeiras

Francisco Alves. BE, salientou que seria mantida a mesma posição de voto – a abstenção –porque há algumas preocupações sobre matérias financeiras.
Referiu que estamos no segundo ano do mandato, e a obra deste novo executivo ainda não se vê, alertando para a necessidade de existir uma intervenção ao nível da habitação social – “é uma nossa preocupação”.

Falta de estratégia para centralizar os serviços

José Caetano, CDU, alertou para o que “estamos a fazer” no investimento de dispersão de serviços, situação que afecta custos e causa problemas ao funcionamento dos serviços.
Referiu que a intervenção que este empréstimo perspectiva é um investimento em propriedade de uma empresa, a CP.
Na sua opinião a autarquia está a esbanjar dinheiro público por falta de estratégia, criando uma situação ambígua, em vez de centralizar os serviços.
“Porque não se avança para a centralização dos serviços Municipais?”, interrogou.
Referiu que existiam projectos e ideias concretas, nomeadamente em relação às instalações do Nicola estavam em estudo a sua transferência para as antigas Oficinas da Sotinco, no Parque Empresarial da Baía do Tejo.

Recuperar equipamento que se está a degradar.

Isidro Heitor, PS, começou por interrogar a CDU – “Se havia tantos projectos porque não executaram?”.
Referiu que as condições das instalações estão degradadas e sem condições, eventualmente a referir a situação do Nicola.
Sobre a intervenção da autarquia em espaços de empresas públicas, ao fazer obra está a melhorar as condições e a valorizar o património, recuperando equipamentos que se está a degradar.
Concordou com a saída do Espaço Memória da Baía do Tejo, até porque será menos uma renda para a autarquia.

Uma cidade que está em transformação

Rui Braga, sobre a ausência de estratégia, sublinhou que não havia estratégia, agora há, apontando para a centralização dos serviços da Câmara Municipal do Barreiro nas instalações dos Transportes Colectivos do Barreiro.
Recordou que as instalações do Nicola são uma vergonha, por essa razão os serviços vão ser transferidos para o LIDL, onde vão ter condições dignas do século XXI.
Contestou que a autarquia esteja a esbanjar dinheiro, o que existe é uma cidade que está em transformação.
Sobre a interrogação colocada pelo deputado do PSD, acerca dos edifícios passarem para a posse da autarquia, referiu que – “é uma expectativa”.

A proposta foi aprovada com os votos favoráveis do PS, PAN e MCI. A CDU votou contra. O PSD e o BE optaram pela abstenção.

09.07.2019 - 19:15

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2019 Todos os direitos reservados.