Conta Loios

reportagem

Na descoberta da freguesia da Baixa da Banheira e Vale da Amoreira
Um cais de atracagem para barcos de lazer para servir a Baixa da Banheira e o Lavradio

Na descoberta da freguesia da Baixa da Banheira e Vale da Amoreira<br />
Um cais de atracagem para barcos de lazer para servir a Baixa da Banheira e o Lavradio. Baixa da Banheira tem um dos mais belos parques urbanos da região

. No Centro de Saúde do Vale da Amoreira todos os utentes têm médico de familia

“Aqui está o nosso grande património o Tejo. Nesta zona aqui junto à Praia da Barra-a-barra podíamos fazer um grande projecto, criando uma zona destinada a embarcações tipicas e embarcações de recreio, nestes espaços naturais”, sublinha Nuno Cavaco, presidente da União de Freguesias da Baixa da Banheira e Vale da Amoreira.

A União de Freguesias da Baixa da Banheira e Vale da Amoreira conta com cerca de 20. 000 habitantes, recenseados, na Baixa da Banheira e 9.000 recenseados no Vale da Amoreira, portanto, serão para cima de 40 mil habitantes.
Uma freguesia que apesar de marcadamente ser caracterizada por ser um dormitório, nela, encontram-se realidades distintas.
Nuno Cavaco, presidente da União de Freguesias da Baixa da Banheira e Vale da Amoreira, proporcionou ao jornal «Rostos» uma «visiita guiada» pelo território, que permitiu conhecer recantos e alguns aspectos da realidade social da freguesia.
Um freguesia onde, observamos existem duas realidades distintas, de certa forma são dois territórios que abrangiam as anteriores freguesias, agora integradas na «União», mas, no seu conjunto forma o território da vila da Baixa da Banheira. Uma freguesia, dois territórios, uma vila.

Restauração é uma referência de qualidade gastronómica

A Baixa da Banheira, a área da antiga freguesia com a mesma denominação, é a zona da vila onde a actividade comercial mantém uma pujança, onde existe um comércio local que resiste e mantém a sua actividade. O sector da uma restauração é uma referência, quer pela qualidade gastronómica, quer pela marca de atendimento personalizado.
O movimento associativo é uma marca forte que dinamiza actividades desportivas e culturais, contribuindo para fortalecer a coesão social.
Uma freguesia que tem profundas raízes a sucessivas gerações oriundas do Alentejo, na procura de uma vida melhor, integrando as fileiras de operários, que se fizeram a si mesmos, numa aprendizagem partilhada quer nas fábricas da CUF, na Siderurgia Nacional, Lisnave ou Setenave.
Essa relação com o Alentejo e com a fábrica é a marca de uma cultura que muitos definem como a referência de uma “terra singular”.

Um dos mais belos parques urbanos da região

A Baixa da Banheira é a parte da vila que cujo tecido urbano cresceu, e é um exemplo de expansão urbana. Nasceu junto ao rio e, ao longo do anos foi crescendo, ao longo de toda uma zona urbana, com características modernas e de qualidade. Entre o dormitório e algumas zonas com vida própria.
Essa ligação ao rio, felizmente, foi aprofundada e inscreveu-se no planeamento do território, com a construção do de um dos mais belos parques urbanos da região – Parque Zeca Afonso. Que liga a vila ao rio e abre as portas do espaço urbano ao encontro com a natureza. Uma bela Piscina ao ar livre, local, onde terminamos a visita, ali estavam dezenas de pessoas, de diversas idades, que desfrutavam de um ambiente turístico e cosmopolita, com os olhos nas águas do Tejo.

Um bairro de grande qualidade no Vale da Amoreira

A nossa visita começou pela área da antiga freguesia do Vale da Amoreira, que tem caracteristicas muito próprias, e, cujo tecido urbano é marcado por grandes diferenças. Ali, poucos de apercebem, existem, desde os bairros de vivendas, com piscinas, onde uma classe média, partilha um espaço que quase podia ser um condominio fechado, com ruas bem tratadas, espaços verdes.
“Mantemos uma boa relação com os moradores e isso tem sido muito positivo, até para resolver situações que nos são colocadas”, sublinha Nuno Cavaco.

Esta escola está um brinquinho

Depois, existem os bairros a carecer de uma intervenção no arranjo dos seus espaços exteriores e das habitações.
Quando passávamos junto a uma Escola do Ensino Básico, o presidente da junta de freguesia comentava: “Esta escola está um brinquinho. É das coisas que nós damos mias prioridade, procuramos manter as escolas com boas condições. As nossas escolas estão um brinco e vai sublinhando as intervenções que, neste período de férias escolares, estando sendo concretizadas”
“As escolas do Vale da Amoreira são das melhores escola da freguesia. Olhe para esta beleza”, comenta ao passarmos em pleno núcleo urbano central do Vale da Amoreira, junto ao Mercado Municipal.

Zona de barracas é um Parque Hortícola

Damos a volta por zonas, completamente desconhecidas, os interiores dos espaços urbanos.
“Aqui era uma zona de barracas. Agora está um Parque Hortícola, com parcelas de terreno cedidas que são as pessoas que tratam. Vamos criar outras”, refere Nuno Cavaco.

Cidade Columbófila

Passamos junto à Cidade Columbófila, um espaço recuperado, onde estão instalados dezenas de pombais, permitindo aos amantes da columbofilia ter óptimas condições para a sua actividade, lúdica e desportiva.

Aqui precisa-se iluminação!

Noutra zona, à beira da estrada estão uns cartazes do Partido Socialista: “Aqui precisa-se iluminação!”.
O autarca comenta: “Aqui não vive ninguém, isto precisava é de ser urbanizado. Está parado porque está no corredor da Terceira Travessa do Tejo. Se a ponte avançar esta urbanização fica mesmo junto ao nó da ponte que liga à IC21 e vai ser uma zona importante para renovar a freguesia”, refere.

Centro de Experimentação Artística envolve jovens

Passamos junto ao Centro de Experimentação Artística, localizado na zona acima do campo de futebol do Vale da Amoreira, Nuno Cavaco, salienta que este é um espaço multicultural, onde ensaiam bandas, grupo de teatro e ensaia o grupo toca-a-rufar, todas as actividade são muito participadas e são envolvidos dezenas de jovens.

Todos utentes com médico de familia

Vamos percorrendo recantos do Vale da Amoreira, descobrindo lugares dentro daquela imensa área urbana, do Bairro Paixão, à zona envolvente do Centro de Saúde.
“A equipa do Centro de Saúde desenvolve um trabalho de prevenção espectacular, deve ser dos melhores centros de saúde do distrito de Setúbal, fazem um bom trabalho comunitário. É o Centro de Saúde onde todos os utentes têm médico de familia”, sublinha Nuno Cavaco.
“Os nossos equipamentos sociais têm uma boa gestão”, salienta.

Biblioteca que marcou a vida do escritor Bruno Vieira do Amaral

A Biblioteca Municipal do Vale da Amoreira está sendo objecto de uma intervenção – “está quase pronta”, diz.
“A esta Biblioteca devia ser dado o nome do escritor Bruno Vieira do Amaral. Ele diz que esta biblioteca marcou a sua vida”, comentamos.
O presidente da junta não comenta, mas, salienta- “sim ele era um assíduo frequentador desta Biblioteca”.

Igreja nova já tem terreno

“Aqui neste terreno vai nascer a Igreja nova do Vale da Amoreira”, comenta Nuno Cavaco ao subirmos uma rua a seguir à Biblioteca, ali no coração do Vale da Amoreira.

Duas novas rotundas na Avenida 1º de Maio

Saímos do Vale da Amoreira, entramos na Avenida 1º de Maio que separa esta zona da Baixa da Banheira.
“Esta avenida vai ser requalificada. Vão ser construídas duas rotundas. Está ali o cartaz que colocou o PS a dizer que, aqui precisa-se de uma rotunda. Eles já sabem que vai ser feita”, comenta o autarca.

Esquadra da Policia aguarda

Refere o terreno para a nova esquadra da Policia de Segurança Pública, aprovada pelo governo PSD, mas que nunca mais avança, e, desde então – “nunca mais se falou”, sublinha.

Vai nascer o Centro de Saúde da Baixa da Banheira

Aqui vai ser construído o Centro de Saúde da Baixa da Banheira, é um exemplo que vale a pena lutar”, sublinha o autarca.
E lá está o outdoor a assinalar que ali vai nascer o Centro de Saúde. Os socialistas recordam que foi o governos PS que concretizou este velho sonho dos banheirenses.

Da melhor restauração da região

Nas voltas pela Baixa da Banheira, passamos junto ao Mercado Municipal, na zona sul – “aqui vende-se do melhor peixe da região”, comenta.
“O bom peixe que é servido na nossa restauração, que, não tenho dúvidas, tem uma boa relação na qualidade-preço. É das melhores da região.”, refere.
Passamos junto a uma escola do ensino básico - "Está linda. Esta foi a ,minha escola", refere Nuno Cavaco.

Requalificação da Rua 1º de Maio

Percorremos a zona da Baixa da Serra, do Alto da Serra, na Rua 1º de Maio, conhecida por Rua 13, estão a decorrer obras de requalificação.
Vai ser uma zona de velocidade 30, com passeios mais largos e com sentido único.
“Conversámos muito com a população e com os comerciantes sobre este projecto da responsabilidade da Câmara Municipal”, sublinho Nuno Cavaco.

Campo de Futebol de futuro

Circulamos junto à zona comercial e vamos visitar o campo de Futebol do União Desportivo e Cultural Banheirense, uma obra concretizada com apoio da União de Freguesias, da Câmara Municipal da Moita e do clube.
“Hoje há condições para jogar. O governo para esta obra não deu nada”, refere.
O espaço está renovado, com relvado e balneários.
“Como estava e como está, uma boa obra”, comentámos.

Um cais de atracagem para barcos de lazer

Estamos na fase final da visita, visitamos a urbanização moderna e cosmopolita enquadra no Parque Zeca Afonso, que liga a Baixa da Banheira ao Lavradio, do concelho do Barreiro.
“Aqui está o nosso grande património o Tejo. Nesta zona aqui junto à Praia da Barra-a-barra podíamos fazer um grande projecto, criando uma zona destinada a embarcações tipicas e embarcações de recreio, nestes espaços naturais”, sublinha o presidente da União de Freguesias da Baixa da Banheira e Vale da Amoreira.
Ali finda o Parque Zeca Afonso, que tem condições de se expandir e continuar, até, contribuindo para ligar o Lavradio ao Tejo, naquele território onde a Baixa da Banheira se junta com o Lavradio.
“Esta rua no lado de cá é Lavradio, no lado de lá é Baixa da Banheira”, refere.
“Aqui podia existir um cais de atracagem de barcos de lazer, mas este tem que ser um projecto conjunto entre os dois concelhos. Devíamos sentar-nos e conversar sobre isto”, sublinha Nuno Cavaco.

Findamos a visita pela freguesia. Uma tarde de sol, o Tejo azul e Nuno Cavaco, entusiasmado dando a conhecer os recantos, os projectos e os sonhos de ligar mais e mais a Baixa da Banheira ao Tejo – “este é o nosso grande património”.

S.P.

05.08.2019 - 21:15

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2019 Todos os direitos reservados.