Conta Loios

reportagem

Barreiro - Cerimónia Pública Nacional de Entrega do Selo Protetor.
Valorizar boas práticas de prevenção e protecção dos Direitos das Crianças

Barreiro - Cerimónia Pública Nacional de Entrega do Selo Protetor.<br />
Valorizar boas práticas de prevenção e protecção dos Direitos das Crianças. Foram apresentadas 45 candidaturas tendo sido aprovadas 27

. Agrupamento de Escolas de Santo António e Agrupamento de Escolas do Barreiro recebem «Selo Protetor»

Rosário Farmhouse, Presidente da Comissão Nacional da Promoção dos Direitos e Protecção das Crianças e Jovens, na sessão de abertura, sublinhou que o «selo protetor» é a garantia da existência de um modelo de governança integrado, sendo atribuido a instituições que implementam boas práticas de prevenção e protecção dos Direitos das Crianças.

A Cerimónia Pública Nacional de Entrega do Selo Protetor decorreu, hoje à tarde, no Parque da Cidade e no Auditório Municipal Augusto Cabrita.
O programa começou com o hastear solene das bandeiras, aos som do Hino Nacional, tocado pela Banda Sinfónica da Polícia de Segurança Pública.

Içar Solene das Bandeiras

As bandeiras foram içadas, a do Selo Protetor, por Rosário Farmhouse, Presidente da Comissão Nacional da Promoção dos Direitos e Protecção das Crianças e Jovens; a do Municipio do Barreiro, pelo Vereador Bruno Vitorino, e, a nacional por Frederico Rosa, presidente da Câmara Municipal do Barreiro.

Teatro de Marionetas um encontro com a história

No Auditório Municipal Augusto Cabrita, foi proporcionado um «Momento Cultural, com o Teatro de Marioentas da Vara, “A Princesa do Sal”, brilhantemente criado e interpretado por João Gomes.
Um momento agradável de cultura popular que proporcionou de forma breve, divertida e criativa, uma viagem por alguns aspectos da história do território que é, hoje, o concelho do Barreiro.

Instituições que implementam boas práticas

Na a Sessão de Abertura, a Presidente da CNPDPCJ - Promoção dos Direitos e Protecção das Crianças e Jovens, Rosário Farmhouse, sublinhou que o «selo protetor» que é atribuido a instituições da área do ensino é um selo de garantia que as escolas e outros estabelecimentos de ensino que o recebem desenvolvem actividades pedagógicas visando a defesa dos Direitos da Criança, promovendo um ambiente de segurança e protecção da criança.
Sublinhou que o «selo protetor» é a garantia da existência de um modelo de governança integrado, sendo atribuido a instituições que implementam boas práticas de prevenção e protecção dos Direitos das Crianças.

Candidaturas aprovadas abrangem 28.296 alunos

Referiu que este ano foram apresentadas 45 candidaturas, tendo sido aprovadas 27 pelo juri, abrangendo 28. 296 alunos e 4.219 profissionais no sector da educação, dos quais 2.867 são professores.
A Presidente da CNPDPCJ manifestou o desejo de, nos próximos anos, o «Selo Protetor» começar a ser entregue a entidades de outras áreas, nomeadamente a Centros Educativos do Ambiente, da Saúde, do Desporto e do lazer.
Sublinhou que as 27 instituições escolhidas que este ano recebem o «selo Protetor» estão localizadas por todo o território nacional, de norte a sul.

Um trabalho que é feito por paixão

Frederico Rosa, Presidente da Câmara Municipal do Barreiro, sublinhou a importância do trabalho realizado em rede e em parceria, um trabalho que é feito por paixão por aqueles que o fazem no quotidiano.
O autarca saudou os Agrupamentos de Escolas de Santo António e o Agrupamento de Escolas do Barreiro, por serem duas das escolas distinguidas com este mérito,

Promotor da Convenção sobre os Direitos da Criança

Após as intervenções de abertura seguiu-se um debate tendo como tema: « O Selo Protetor como promotor da Convenção sobre os Direitos da Criança», mooderado pela Presidente da CNPDPCJ, Rosário Farmhouse, e com a participação do Vereador do Município do Barreiro, Bruno Vitorino; da Presidente da CPCJ de Felgueiras, Dina Peixoto; da Presidente da CPCJ do Barreiro, Isabel Antas; um membro do Júri Nacional, Comissário da Educação do Conselho Nacional da CNPDPCJ, José Carlos Matias, e, uma aluna do Agrupamento de Escolas de Santo António, Diana Felicidade Saraiva Kalemba.

Criar condições para quem está no terreno

Bruno Vitorino, salientou que estas iniciativas contribuem para dar visibilidade ao trabalho que é realizado pelas CPCJ, que contam com o envolvimento de muitas entidades.
Referiu que o papel das autarquias, nesta área de intervenção, é criar condições para quem está no terreno possa fazer mais e melhor.

Promover a prevenção e estimular a participação

A Presidente da CPCJ do Barreiro, Isabel Antas, sublinhou que o trabalho realizado pela comissão no Barreiro está direccionado para as escolas, visando promover a prevenção e estimular a participação.

No processo educativo é necessário dar voz aos alunos

O Comissário da Educação do Conselho Nacional da CNPDPCJ, José Carlos Matias, sublinhou a importância de no processo educativo ser necessário dar voz aos alunos .
Referiu algumas ideias essenciais no processo educativo, ter em atenção o perfil de alunos que se pretende concretizar até à saída do ensino obrigatório, a prioridade sobre o estudo de educação para a cidadania, a definição das aprendizagens essenciais para o aluno, dinamizar, medidas de inclusão e promover o aluno para que viva a sua cidadania.
Sublinhou que as escolas com o «selo protetor» são aquelas que respondem aos desafios da sociedade, dinamizando projectps que promovem a multiculturalidade, a inclusão e que sabem ouvir, sendo uma escola activa.

Na nossa escola somos ouvidos

A aluna do Agrupamento de Escolas de Santo António, Diana Kalemba, referiu que os principais direitos dos alunos é saber que não são descriminados, que a escola valoriza a igualdade.
“Nós, na nossa escola somos ouvidos”, disse.

Comissões ainda estão desfasadas da comunidade

A Presidente da CPCJ de Felgueiras, Dina Peixoto, salientou que a comunidade olha para a Comissão como “uma coisa distante”, alertando para o facto de as comissões – “ainda estão desfasadas da comunidade”.
Nesse sentido defendeu a necessidade de existir mais divulgação do trabalho das CPCJ, de dar a conhecer os seus objectivos e acções que realiza, de forma a existir uma aproximação entre as Comissões e a Comunidade.

Momento Musical pela Escola de Jazz do Barreiro.

A finalizar a cerimónia procedeu-se à entrega do Selo Protetor e da Bandeira, a 27 instituições. Entre elas o Agrupamento de Escolas de Santo António e Agrupamento de Escolas do Barreiro.
Seguiu-se um Moscatel de Honra, e, um Momento Musical proporcionado pela Escola de Jazz do Barreiro.

VER FOTOS

https://www.facebook.com/pg/jornalrostos/photos/?tab=album&album_id=10156527335617681

29.10.2019 - 21:34

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2019 Todos os direitos reservados.