Conta Loios

reportagem

Maria Eugénia Costa, presidente do Instituto Ferroviários do Barreiro
«Tenho um sonho levar os nossos miúdos à Eurodisney»

Maria Eugénia Costa, presidente do Instituto Ferroviários do Barreiro<br />
«Tenho um sonho levar os nossos miúdos à Eurodisney»<br />
<br />
. O Instituto dos Ferroviários do Barreiro, no centro da cidade, um oásis de esperança

Dar vida às instalações do antigo Tribunal do Barreiro, fazendo nascer ali uma Escola de Artes, e, abrir caminho para a criação dos «Apartamentos de Autonomia», que sejam uma porta aberta à esperança para que os jovens daquela instituição desenvolvam um projecto de vida.

Estes dois dos sonhos dos actuais dirigentes dos Instituto Ferroviários do Barreiro, uma instituição que desenvolve um trabalho único que visa a integração social de 65 crianças e jovens.

O Instituto Ferroviários do Barreiro foi fundado em 1924, tendo com o objectivo recolher os órfãos, filhos de ferroviários. Inicialmente era com um sistema corporativo.
As instalações foram construídas no terreno da chamada «Vila Angélica», que foi comprado pelos ferroviários.
Posteriormente a instituição começou a receber apoios da Segurança Social e alargou os seus serviços para a comunidade.

Crianças e jovens vitimas negligências graves

Actualmente é uma instituição de solidariedade social, que recebe crianças e jovens, vitimas negligências graves, maus tratos fisicos, abandono, abuso sexual, são várias as situações, resultantes de familias disfuncionais, que são acolhidos por decisão do Tribunal/ Comissão de Protecção de Crianças e Jovens – CCPJ.
Neste momento presta serviço a cerca de 45 utentes, rapazes e raparigas.
De referi que 20 são em regime de CAR – Casa de Atendimento Residencial, em regime de internato.
No CAP – Centro de Apoio Preventivo, recebe 25 utentes, este é um serviço que dá uma resposta semelhante as ATL, com algumas especificidades.

Uma equipa de 36 profissionais

No apoio ao trabalho com as crianças e jovens a instituição conta com equipas de profissionais: a Equipa Técnica, com seis pessoas, na área de formação, desde Assistente Social, Psicólogo, educador Social e Animador; a Equipa Educativa, composta por Educadoras e Auxiliares; a Equipa da Noite, porque a instituição funciona 365 dias, por ano, 24 horas por dia; e a Equipa de Serviços Gerais, dos serviços de cozinha, lavandaria e limpeza. Um total de 36 trabalhadores.

Em termos técnicos somos uma média empresa

O orçamento do Instituto Ferroviários do Barreiro, é para cima dos 400 mil euros. Sendo financiado na ordem dos 90% pela Segurança Social, por apoios de parceiros e pelas receitas do aluguer de garagens.
“Podemos dizer que em termos técnicos somos uma média empresa.”, sublinha a Presidente de Direcção.
Do municipio recebem apoios pontuais, cedência de autocarros no Verão para idas à Praia, dão apoio de recursos para actividades, apoios de palco, material de som, e foi uma das instituições que recebeu receitas oriundas da Pista de Gelo - “mantemos boas relações com a edilidade”, refere Regina Gamito.

Há uma coisa que aqui não falta é a alimentação.

“A maior dificuldade que temos é gerir o valor que recebemos da Segurança Social, versus, dar resposta à necessidades permanentes que temos, quer na resolução de problemas de manutenção, quer para concretização de actividades.
Há uma coisa que aqui não falta, e, sobre isso falamos de peito cheio, não falta a alimentação.
Assim como todo o acompanhamento médico que seja necessário, seja dentista, seja psiclogo, seja oculista. Eles têm tudo.”, refere a Presidente da Direcção.
“E mais, eu desafiaria três quartos da população, em que as crianças tenham as mesmas actividades que os nossos têm, praticam desporto, desde a Natação ao Futebol, actividades que praticam nas instalações e em colectividades, por exemplo o Grupo Muzenza, promove a Capoeira”, acre´scenta Maria Eugénia Costa.

Objectivo é encontrar condições para a criança sair

Rute Lucas Ramos, salienta que o objectivo quando as crianças são colocadas no Instituto é que “fiquem pouco tempo nesta casa, porque uma instituição não é o ambiente mais adequado para o desenvolvimento de uma criança ou jovem. Pretende-se sempre encontrar um ambiente familiar. O objectivo é encontrar condições para sair, encontrar uma resposta para a criança. Mas, muitas vezes, as crianças ficam nestas casas até aos 18 anos”.
Recorda que, por vezes, as crianças quando chegam a esta casa – “não trazem valore, nem rotinas, trazem comportamentos desviantes, não tiveram uma supervisão de um adulto, nem uma educação adequada ao longo da vida. Por isso têm dificuldade em cumprir regras. Inicialmente têm dificuldades em se ajustar, e, quando aqui chegam vêm muito revoltados. Somos a nova familia deles”.

Temos histórias de sucesso

Vamos conversando e vamos conhecendo histórias de vida. Crianças que entraram no Instituto Ferroviários do Barreiro. Ali cresceram e ali descobriram um sentido paras as suas vidas.
“Temos um Fuzileiro. Temos um na Força Área. Temos uma Hospedeira de Bordo. Temos um DJ. Temos muitos que aqui entraram, sem familia, e hoje têm a sua vida orientada, têm a sua familia. Isto faz-nos sentir que valeu a pena, que vale a pena o nosso trabalho. Temos histórias de sucesso várias e temos outras situações mais dificeis”, refere a presidente de Direcção, acrescentando – “valeu a pena, sim valeu a pena”, afirma com um sorriso e emoção.

A nossa ideia é que eles abram os horizontes.

“Nós tudo fazemos para que eles percebam que há mais vida para além destas quatro paredes, e há mais vida para além daquela de onde eles vieram. A nossa ideia é que eles abram os horizontes.
Felizmente nós temos um programa com uma entidade – a Experimentáculo, de Setúbal – que proporciona que no verão, promove uma espécie de Erasmus, eles vão para o estrangeiro, em campos de férias, onde eles trabalham artes, do teatro e outras actividades, que, por vezes são esses encontros que os despertam para a vida. Esta uma iniciativa anual, muito importante para os ajudar a descobrir outras culturas e valores”, salienta a Presidente de Direcção.
“Tenho um sonho levar os nosso miúdos à Eurodisney”, afirma com um sorriso enorme.

Empresas apoiam a instituição

Na nossa conversa são referidos, com carrinho alguns apoios que o Instituto Ferroviários recebe, por exemplo o Mac Donalds, todos os meses oferece jantares, e proporciona estágios profissionais, o Rotary Club do Barreiro, deu apoio, a Comissão de Trabalhadores da Aurtoeuropa – “tem sido cinco estrela” – todos os anos pelo Natal; o Talho Central, dá um enorme apoio em descontos e – “oferece almoços aos nossos meninos”. A Manvia ajuda-nos com obras, a H Capital, fez-nos o Telheiro, a DPI La Caixa.
São várias a as empresas que dão o seu contributo para dar força a este trabalho social.

Gostávamos que ali nascesse uma Escola de Artes

No encerrar a nossa conversa, Maria Eugénia Costa, comenta que a instituição tem um projecto em mente de recuperar e remodelar o edificio do Antigo Tribunal do Barreiro, propriedade da instituição.
“Gostávamos que ali nascesse um projecto que fosse uma fonte de receita para a instituição. Sonhamos com uma espécie de uma Escola de Artes – uma escola ao serviço da comunidade. Calculamos que as obras podem rondar os 200 mil euros, pensamos lançar um projecto – “uma telha por dia, o bem que nos fazia”, a ideia era arranjarmos um euro por pessoa, de toda a população barreirense.” , refere.

Concretizar os «Apartamentos de Autonomia».

Outro projecto era concretizarmos os «Apartamentos de Autonomia».
O objectivo era ter um andar, ou mais do que um, onde os jovens que começam a ter condições e um projecto de vida, pudessem começar a construir a sua autonomia, tendo algum acompanhamento da instituição, mas começarem a erguer o seu espaço de vida e autonomia – “isto é um sonho nosso”.

Trabalho voluntário

Foi uma conversa animada, de sonhos, de projectos, de histórias de vida, de emoções. Conversamos com Maria Eugénia Costa, presidente da Direcção, que nesta conversa sublinhou que – “os membros da direcção exercem a sua função de forma plenamente voluntária, ou melhor, ainda pagamos para cá estar.”
Rute Lucas Ramos, Assistente Social, que exerce as funções de Directora Técnica, e, Regina Gamito, Assessora de Direção.
O Instituto dos Ferroviários do Barreiro, no centro da cidade, um oásis de esperança

Direcção

Prresidente – Maria Eugénia Costa
Vice Presidente – Rui Machado
Tesoureiro – José Augusto Gonçalves
Secretária - Helena Sardo
Vogal – Pedro Rosa

O cargo de Presidente da Mesa da Assembleia Geral é exercido por Maria Fernanda Pires; e Presidente do Conselho Fiscal, Álvaro Pedro Costa – “um homem que dedicou 25 anos da sua vida como Presidente de Direcção desta casa, tem 80 e poucos anos. Merecia receber essa distinção que atribuem de «Barreiro Reconhecido». Ainda continua a exercer funções de dirigente, já vai para os 40 anos”, refere Maria Eugénia Costa.

António Sousa Pereira

VER FOTOS

https://www.facebook.com/media/set/?vanity=jornalrostos&set=a.10157978959692681

08.06.2021 - 00:24

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2021 Todos os direitos reservados.