Conta Loios

reportagem

Conhecer as Freguesias do Distrito de Setúbal...Samouco - Alcochete
«A Câmara tenta de alguma forma hostilizar-nos»

Conhecer as Freguesias do Distrito de Setúbal...Samouco - Alcochete <br>
«A Câmara tenta de alguma forma hostilizar-nos» . Centro de Saúde precisa médico e enfermeiro

. São necessários mais meios para a GNR

Uma Junta de Freguesia onde não há autarcas a tempo inteiro, nem com meios tempos, onde o exercício da função de eleito é desempenhada – “porque dá gozo trabalhar pela nossa terra”.

A freguesia do Samouco, concelho de Alcochete, tem 3.143 habitantes, 2.685 eleitores, é liderada pela CDU, num concelho onde a Câmara Municipal foi conquistada à CDU pelo PS.
É a única freguesia onde que foi ganha com maioria absoluta, é a freguesia que recebem menos verbas do Orçamento de Estado, e, por parte da Câmara Municipal de Alcochete é feita uma transferência na ordem dos 45 mil euros, por delegação de competências, nomeadamente a descentralização do Mercado Municipal, a manutenção do Coreto, algumas obras ao nível do Ensino e bancos dos jardins.

Escultura em homenagem à BA6

Uma freguesia que está na proximidade da BA 6 - Base Aérea do Montijo – que sendo localizada no concelho vizinho influencia a vida do Samouco, por essa razão, com trabalho voluntário e a criatividade dos autarcas, numa rotunda foi erguida uma escultura para homenagear os 105 anos da BA6.

É o amor à camisola

O Samouco, apesar da sua origem estar datada ao ano 1243, só no ano 2004, no dia 9 de Dezembro, viu aprovada na Assembleia da República a sua elevação à categoria de Vila.
Uma comunidade, como sublinha Pedro Ferreira, Presidente da Junta de Freguesia do Samouco – “é uma Vila pacata” onde as “pessoas integram-se bem e gostam de estar aqui e viver aqui”.

Vida associativa centenária

A freguesia tem diversas instituições que dinamizam actividades culturais desportivas e sociais com as quais a junta de freguesia mantém uma boa relação e cooperação.
A Sociedade Filarmónica Samouquense, foi fundada em 1919, para assinalar o centenário a Junta de freguesia ergueu um monumento junto ao Coreto. A banda do Samouco é a banda residente para as touradas no Campo Pequeno, em Lisboa.
A Associação Desportiva Samouquense, fundada em 1965, dedica sua actividade ao futebol e tem as sevilhanas.
O Sporting Clube Samouquense dedica-se ao Futsal, agora um pouco parado.
A Associação de Reformados e Idosos, promove o convivio e acções recreativas.
“Para todas as associações nós atribuimos apoios financeiros para as suas actividade”, sublinha Pedro Ferreira.

Uma relação fraterna com a Igreja

No plano da intervenção social o Presidente da Junta de Freguesia refere “o excelente trabalho realizado pelo Centro Sócio Caritativo, que dá apoio alimentar a cerca de 50 familias”.
“Nós damos apoios alimentares. É o nosso abraço. Felizmente, estas crises não fizeram aumentar o número de pessoas carenciadas. A situação para algumas familias são situações pontuais”, refere o autarca.
Por outro lado sublinham a importante acção desenvolvida pelo Centro Social de S. Brás, um IPS, que assume as missões de Centro de Dia e Creche, assim como o apoio domiciliário.
“Nós temos aqui um padre que é cinco estrelas”, comentam numa nota no decorrer da conversa.
Recordam que a situação de pandemia não vai permitir que se realizem as tradicionais Festas de Nª Srº do Carmo, mas, para superar essa falha, no próximo dia 18 de Julho, com a presença do Bispo de Setúbal, vai realizar-se uma Missa Campal, respeitando todas as regras da DGS. Uma actividade que conta com o apoio logistico da junta de freguesia.
Pedro Ferreira, salienta o importante trabalho que ao longo do ano é realizado pela Associação de Festas Populares para dar dimensão anualmente a um dos pontos altos da vida cultural que atrai milhares de pessoas ao Samouco.

Dá gozo trabalhar pela nossa terra

Uma Junta de Freguesia onde não há autarcas a tempo inteiro, nem com meios tempos, onde o exercício da função de eleito é desempenhada como diz António Almeirim, Secretário da Junta de Freguesia – “porque dá gozo trabalhar pela nossa terra”.
António Almeirim, tem 83 anos, foi presidente da Junta de Freguesia, durante cinco mandatos.
Os seus olhos brilham ao falar da sua terra, dos trabalho voluntário que realiza – “arranjos de rotundas, fazer bancos dos jardins, dá gozo sentir que aquele é trabalho nosso. É o amor à camisola”.
“Estar na junta de freguesia é uma experiência que fica para a vida. Damos tudo pela nossa terra. Vestimos a camisola” sublinha Pedro Ferreira.
O executivo da Junta de Freguesia é composto por três elementos, para além dos referidos, o cargo de Tesoureiro é exercício por Cristovão Rosado.
A Assembleia de Freguesia do Samouco é composta por 5 eleitos CDU, 3 PS e 1 PSD.

Centro de Saúde precisa médico e enfermeiro

No decorrer da conversa que mantivemos com Pedro Ferreira, o autarca sublinhou o envolvimento da Junta de Freguesia para que a instalação do Centro de Saúde, que foi inaugurado em 2011, numa gestão CDU da Câmara Municipal.
Tem um médico, mas era necessário mais um médico e um enfermeiro, nas férias o Centro fica sem médico.
“As pessoas para s filas às 6 da manhã para marcar consulta, para criar melhores condições foi a Junta de Freguesia que construiu um alpendre, com trabalho voluntários, o nosso trabalho”, salienta António Almeirim.
No decorrer da visita que nos foi proporcionada pela freguesia, visitamos o Centro de Saúde. Observamos as óptimas condições das instalações, que foram construidas num antigo lavadouro, com o pormenor de à entrada ter sido mantido um antigo de tanque de lavagem, um exemplo vivo do carinho e do orgulho de preservar as memórias da comunidade.

Falta diálogo por parte da Câmara Municipal

Os autarcas da freguesia para puderem realizar alguns melhoramentos, como passadeiras elevadas, para evitar circulações a grande velocidade, pequenos calcetamentos e arruamentos, optam por comprar materiais e realizar obras com trabalho voluntário.
António Almeirim, refere que quando nos seus tempos de presidência da Junta de Freguesia, quando participava em Congressos da ANAFRE, ficava admirado sobre o que alguns autarcas diziam sobre as relações da Junta de Freguesia com a Câmara, quando eram lideradas por forças politicas, dado que em Alcochete, isso nunca tinha acontecido, mas, agora, que a junta é CDU e a Câmara é PS, sente essa realidade dade falta de diálogo, falta de informação sobre intervenções da Câmara na freguesia, ou boicotes.
Pedro Ferreira refere por exemplo, a Câmara está a realizar obras na escola e nós não fomos informados do vai ser feito, visitam a obra e não nos convidam – “podia haver colaboração e diálogo”.
Recordam que para resolver o problema da falta de coveiro no Cemitério, que “a Câmara podia colaborar, não ajudou por isso tivemos que recorrer a uma empresa privada a Servilusa que nos presta serviço”.
“A nossa forma de estar na relação com a Câmara é cordial. Convidamos para todos os nossos eventos. Não temos uma forma hostil de relação. A Câmara tenta de alguma forma hostilizar-nos ”, refere Pedro Ferreira.
Sublinha que os assuntos com a Câmara Municipal são veiculados de forma institucional, não fazemos publicamente.
“Reivindicamos, como já o fazíamos coma CDU. Temos que alertar para resolver os problemas. Nós somos quase como fiscais da Câmara. Se nós calarmos, Samouco ficará pior, o que pretendemos é defender a população, por isso, temos uma acção reivindicativa”, referem.

São necessários mais meios para a GNR

Numa nota, sobre a segurança na comunidade o presidente da Junta de Freguesia do Samouco, referiu que embora não existindo graves situações de insegurança, há situações pontuais de assaltos a viaturas ou residências.
“Gostávamos que existisse maior presença da GNR, mas para tal o Posto de Alcochete precisava de ter mais recursos humanos e viaturas para poder dar respostas a toda a sua área”, salienta o autarca.
“Pedimos uma reunião ao Ministro da Administração Interna, não respondeu até hoje e continuamos à espera”, acrescenta Pedro Ferreira.

O 25 de Abril é único

António Almeirim, fala emocionado do 25 de Abril, as lágrimas tocam os seus olhos, sublinha que esta é uma data assinalada na freguesia de forma muito especial, envolvendo todos os alunos da escola do ensino básico – a cantar o Hino nacional no hastear da bandeira, e a alegria da manhã infantil são um momentos únicos.
“O 25 de Abril no Samouco é único”, comentam.
A freguesia nas suas instalações dá espaço para o funcionamento da Associação de Pais e Encarregados de Educação.
“Nós apoiamos as escolas e os pais, neste período do COVID disponibilizamos diversos recursos”, refere Pedro Ferreira.
“Este ano vamos realizar de novo o Concurso de Desenho para os Jardins de Infância e Escola Básica, o tema é : Samouco em tempo de festa”, sublinha.

Biblioteca uma porta aberta à comunidade

Após a nossa conversa fomos dar uma volta pela freguesia, parando em diversos pontos, conhecendo os espaços públicos.
A Biblioteca que funciona com o apoio de um funcionário da Câmara Municipal é um espaço aberto e que presta serviço à comunidade, nomeadamente, na área informática.
Nas instalações da junta de freguesia está sediado o Lions Clube de Alcochete.

Dar vida ao comércio local

A Junta de Freguesia do Samouco mantém uma estreita colaboração como comércio local, estimulando a relação da comunidade com os estabelecimentos, numa iniciativa visando promover o comércio de proximidade, foram 45 estabelecimentos que aderiram a um sorteio de cupons, com base nas compras no comércio local.
“O COVID aproximou as pessoas do comércio local”, salienta Pedro Ferreira.

Um mandato gratificante

“Estamos cá na junta de freguesia com a confiança da população. Estamos a chegar ao final e levamos a consciência tranquila com o trabalho que fizemos.
Sabemos que não fizemos tudo, porque o este é sempre um trabalho inacabado.
Estamos conscientes que damos tudo pela nossa terra. Este tem sido um mandato cansativo, mas tem sido um mandato gratificante”, refere a finalizar a nossa conversa Pedro Ferreira.

Falta humanizar a actividade da apanha da amêijoa

No decorrer da visita deparamos com uma operação de controle de centenas de pessoas que diariamente se dedicam à apanha da amêijoa, pessoas vinda da Tailândia do Nepal que trabalham na precaridade, em condições desumanas.
“Nós não somos contra esta actividade, queremos é que existam condições condignas, que tenham segurança social. Falta humanizar esta actividade”, comenta Pedro Ferreira.
São milhares de pessoas que diariamente entre no «mar do tejo», onde recolhem toneladas da amêijoa.

Roteiro pelas freguesias do Distrito de Setúbal

E com esta reportagem damos inicio ao «Roteiro pelas Freguesias», queremos conhecer as freguesias do distrito de Setúbal.
Fica o nosso agradecimento pela forma amável e simpática como fomos recebidos.
Fomos conhecer uma realidade autárquica onde ser autarca é ser voluntário, dar de si pela comunidade.

António Sousa Pereira



VER FOTOS

https://www.facebook.com/media/set/?vanity=jornalrostos&set=a.10158076619017681

10.07.2021 - 20:19

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2021 Todos os direitos reservados.