Conta Loios

reportagem

Sítio das Marinhas na Moita - Centro de Interpretação Ambiental
Um encontro com a história e património natural do Estuário do Tejo.

Sítio das Marinhas na Moita - Centro de Interpretação Ambiental<br>
Um encontro com a história e património natural do Estuário do Tejo.<br>
Ontem participei numa visita guiada ao Sítio das Marinhas - Centro de Interpretação Ambiental, no concelho da Moita.

O concelho da Moita tem uma zona ribeirinha que ronda os 20 km, uma zona com características muito especificas, que é uma das melhores zonas ribeirinhas naturais, do estuário do Tejo, que não foram afectadas pela industrialização.

Ontem, pela manhã, participei numa visita guiada ao Sítio das Marinhas - Centro de Interpretação Ambiental, no concelho da Moita.
Recebidos pelos Técnicos da Câmara Municipal da Moita, feita a confirmação das inscrições, foram constituídos dos grupos de 10 pessoas cada, para garantir comunicação e o distanciamento social.
Uma manhã de sábado agradável, com o sol a deitar-se na zona de sapal e os olhos a perderem-se na paisagem, misturando-se com as sombras dos flamingos, garças.
Lisboa espreitava na distância. O Barreiro acenava com as chaminés. O Montijo olhava os aviões que sobrevoavam, bem alto, espreitando, o lugar onde teimosamente Lisboa quer construir o novo aeroporto, introduzindo o ruído e retirando a beleza natural que hoje, felizmente, ainda é possível sentir nos olhos e na respiração.
Nos participantes, naquela visita matinal, estavam pessoas oriundas do concelho da Moita, pais e filhos, e, de outras zonas do Barreiro, Lisboa e Oeiras.

No concelho da Moita chegaram a existir 81 salinas

O concelho da Moita tem uma zona ribeirinha que ronda os 20 km, uma zona com características muito especificas e como foi dito, pela guia Carla Almeida, “é uma das melhores zonas ribeirinhas naturais, do estuário do Tejo, que não foram afectadas pela industrialização”.
O estuário do Tejo que é um dos mais importantes estuários da Europa, foi salientado.
Recordou que a Câmara Municipal da Moita dinamizou este projecto no ano 2012 - Sítio das Marinhas - Centro de Interpretação Ambiental – com a finalidade de preservar o conhecimento do sal, preservar uma marinha, que é gerida pela autarquia.
É a única Câmara no país que tem um projecto ambiental desta natureza, que mantém, com visitas guiadas, gratuitas.
No concelho da Moita chegaram a existir 81 salinas que produziam 16 mil toneladas de sal, nos meses de junho, Julho e Agosto.

Aqui produzimos 6 toneladas de sal por ano

Entramos na zona das salinas, sente-se o cheiro da maresia, o brilho branco e cristalino do sal.
Zé Castelo recebe-nos, sorrindo, partilhando experiências, faz-nos tocas o sal, pega en bocados de argila que diz – “este é o fundo, o sal está por cima”, e, acrescenta –“este barro é muito para a pele, é muito usado por banhistas na praia do Rosarinho.
Chamo-lhe salineiro e Zé castelo corrige – “não é Salineiro, é Marnoto”.
Recorda que o sal, naquelas salinas é produzido por um processo natural – sol, água do rio, argila e vento.
“Aqui produzimos 6 toneladas de sal por ano. Um talho produz, em 10 ou 12 dias, cerca de 650 Kg de sal”, salienta Zé Castelo, que fala entusiasmada e abraça os sal, de forma terna, como que abraça algo que sentem com o coração.

Uns momentos para partilhar a natureza

Depois das salinas, caminhamos pela zona do sapal, e pelas margens naturais, a natureza pura, aqui, nas margens do Tejo. Há pessoas que fazem a sua caminhada, uns solitários, outros em pares e até familias. Cruzam-se por nós – “ Bom Dia”.
Na ciclovia, ciclistas pedalam e conversam animadamente.
Num ponto do percurso paramos para tocar, na distância, a natureza com os olhos utilizando o binóculo/Telescópio, sentimos a beleza dos flamingos, garças e outras espécies. Os peixes saltam. Robalos ou Douradas.
Uma manhã pura e limpa. Uns momentos para partilhar a natureza. Contemplar e sentir o Tejo e as suas memórias.

Zona ribeirinha é maioritariamente Reserva Ecológica Nacional

O Sítio das Marinhas, funciona como Centro de Interpretação Ambiental, dispõe de uma exposição, que contem informação, gravuras, imagens das marinhas. Um encontro com a história e património natural do Estuário do Tejo.
De referir que a zona ribeirinha do Concelho da Moita é maioritariamente classificada como Reserva Ecológica Nacional, sendo constituída na sua maior parte por antigas salinas, que não estão em funcionamento, sapais, caniçais, lodos e areias.
Estas áreas são habitats do estuário do Tejo, onde aves encontram alimentação e local para nidificação, durante todo o ano, mas sobretudo durante o Outono e Inverno.
Uma visita que vale a pena. Um local para um convívio com a natureza, sem dúvida, uma zona a preservar e a manter, quer na sua dimensão de educação ambiental, quer como nicho turístico para quem gosta de sentir a natureza.

António Sousa Pereira

VER FOTOS

https://www.facebook.com/media/set/?vanity=jornalrostos&set=a.10158156346417681

22.08.2021 - 20:36

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2021 Todos os direitos reservados.