Conta Loios

reportagem

No Feriado Municipal da Moita
Homenageados os que contribuem para valorizar o concelho

No Feriado Municipal da Moita<br />
Homenageados os que contribuem para valorizar o concelho Foi com emoção que Orlando Alexandre, hoje à tarde, no Auditório Fernando Lopes Graça, recebeu das mãos de Rui Garcia, Presidente da Câmara Municipal da Moita a Medalha de Mérito Desportivo, um reconhecimento pelo seu contributo para valorização do desporto no município.

Orlando Alexandre, neste reconhecimento público, que decorreu no âmbito das comemorações do Feriado Municipal do concelho da Moita, esteve rodeado de familiares e muitos amigos que estiveram ao seu lado ao longo da sua longa carreira desportiva.
Após receber a distinção referiu que, anteriormente, já tinha sido homenageado, até por Câmaras Municipais, nomeadamente Loulé, mas homenagem pela Câmara Municipal da Moita – “estou emocionado”.

Na biografia lida por Paula Rosado, sublinhou-se que Orlando Alexandre “é uma nome incontornável do desporto português e do concelho da Moita, afirmando-se particularmente no ciclismo, a modalidade do seu coração”.
Foi Alves Barbosa que o inspirou e o fez apaixonar por bicicletas. Tinha 15 anos comprou a primeira bicicleta e foi nos Jogos Juvenis do Barreiro que obteve as primeiras vitórias.

Representou o Sport Lisboa e Benfica na Volta a Portugal. Participou na Volta à Espanha. No ciclismo foi polivalente, sendo reconhecido pela sua perícia como massagista. Acompanhou Joaquim Agostinho, na sua carreira na Volta a França, a mais importante prova do ciclismo mundial.
Foi Director Desportivo de diversas equipas, com destaque para a Sicasal/Acral.
Depois de deixar para trás o ciclismo no ano de 2001, ligou-se ao futebol, sendo massagista do Pinhalnovense, durante ma década.
Na sua casa, no Chão Duro, tem um espólio museológico, com o objectivo de motivar os jovens para a prática do ciclismo.

Nas suas palavras deixou uma mensagem aos seus atletas, um agradecimento, um reconhecimento, sublinhando que um treinador só alcança sucesso, com o seu sucesso que for conquistado pelos atletas, de entre o público presente, entre fortes aplausos, escutou-se : “És grande”.
E, sentada ao meu lado, escutei a filha dizer para o lado- “É o teu avô!”.

São momentos como este que fazem sentir o calor de uma comunidade, a força de uma terra que é feita das suas gentes.
Dos trabalhadores do município que receberam a Medalha de Mérito Municipal, nomeadamente :

Maria Boa Viagem
César Jesus Paulino
José Cruz Palmeiro
Paula Oliveira Mamede
Rui Tomé Caleiras
Mariana Neves Bolinhas
António Manuel Cardoso
Constantino Serra Canhão
Maria Adelaide Baranito

Ou os agentes económicos, como referiu Rui Garcia, presidente da Câmara Municipal da Moita, que normalmente nunca são noticia, porque noticia são os grandes, mas que ao longo de muitas décadas desenvolvem uma actividade económica de proximidade marcada de afectos.

Foram distinguidos com a Medalha de Mérito Económico e Social – “O Ninho de Águia”, na Baixa da Banheira, cuja actividade remonta ao ano 1940 – de Taberna do Tio Augusto, passou a Taberna da Tia Adelaide e, por fim, Noélia e José Cardoso assumiram o Café «O Ninho de Águia”.

O Oculista Ideal da Moita que desde o ano 1979, num tempo que foi pioneiro nesta actividade na Moita, António Corona, abriu esta óptica que serviu gerações, que, desde 1998, integra um grande grupo do sector.

Ainda, o Pronto a Vestir Maria da Luz, em Alhos Vedros, que abriu as suas portas em 1980, uma alentejana que veio viver para Alhos Vedros e fez desta a sua terra, erguendo uma das principais retrosarias da zona, mantendo-se viva e dinâmica.

No que diz respeito a Medalha de Mérito Desportivo, também foi distinguida Liliana Cá, que reside no Vale da Amoreira, onde iniciou a sua prática de atletismo. Foi atleta do Recreativo da Quinta da Lomba, do Sporting Clube de Portugal.
Sagou-se campeã nacional em 2009 e 2010, depois de ter conquistado em 2007 a Medalha de Bronze, em Yalta, na Taça da Europa.
Em 2021 bateu o record nacional de lançamento de disco, fixando a marca em 66,50 m.
Foi uma presença de referência nos Jogos Olimpicos de Tóquio.

No final trocamos breves palavras de simpatia, partilhamos uma fotografia, e, nesses breves momentos, registamos o seu afecto, simplicidade e humanismo.

A Medalha de Honra do Município foi entregue ao Agrupamento 371 do CNE – Corpo Nacional de Escutas, na Baixa da Banheira, fundado em 1971, completa este ano no dia 28 de Novembro – 50 anos, tendo contribuído ao longos destas décadas para formar diversas gerações e sendo uma instituição com presença activa na comunidade.
Curioso, por esses tempo, há 50 anos, comentei como o Chefe que recebeu a medalha – “sabe há 50 anos fui fundador de um grupo de escutas, o 63, da Graça em Lisboa”.

Em naquele instante, recordei aquela frase de Banden Powel – “procura deixar o mundo um pouco melhor que encontraste”.
Afinal, foi esse o contributo dado nas suas vidas e vivências por todos os homenageados.

Como referiu Rui Garcia que, normalmente neste dia, na sua intervenção faz sempre uma reflexão sobre a vida municipal, a vida politica local, regional e nacional, este ano, por estamos em período eleitoral, limitou a sua intervenção a prestar um reconhecimento e gratidão aos homenageados, que simbolizam a riqueza, a multiculturalidade, o pulsar económico, são a expressão viva da comunidade.

S.P.

Ver fotografias

https://www.facebook.com/media/set?vanity=jornalrostos&set=a.10158194210562681

14.09.2021 - 23:16

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2021 Todos os direitos reservados.