Conta Loios

reportagem

Helder Martins, escritor de literatura épico-fantástica
Sente cada vez mais a sua intimidade com as personagens
. Apresentou no Barreiro «Grilhetas da Apatia»

Helder Martins, escritor de literatura épico-fantástica<br>
Sente cada vez mais a sua intimidade com as personagens<br>
. Apresentou no Barreiro «Grilhetas da Apatia» <br>
Ontem à tarde, no Auditório Manuel Cabanas, na Biblioteca Municipal do Barreiro, realizou-se a apresentação do livro «Grilhetas da Apatia – Crónicas de Tellargya», de Helder Martins.

No decorrer da sessão Maria João Regalo, Vereadora da Câmara Municipal do Barreiro, salientou que a autarquia presta apoio aos autores na divulgação das suas obras, e, naturalmente, muito mais quando se trata de um autor que é da terra.

Na apresentação da obra António Sousa Pereira, Director do jornal «Rostos, referiu que “Grilhetas da Apatia”, é uma obra que dá continuidade à criatividade das suas obras anteriores, e, nesta obra o desafio é uma viagem em busca de ser o melhor, e ser melhor…uma viagem que começa com a pergunta : o que significa para ti ser «o melhor».
E a resposta é que, ser o melhor é para nos protegermos de tudo – do desconhecido, do tempo, do imprevisto.
Uma viagem que tem inicio na reflexão sobre a importância do conhecimento porque é ele que permite a deslocação de um ponto para o outro.
“Talvez por essa razão a história começa dentro de uma Biblioteca, feita de ilusões e mistérios”, sublinhou .
Uma obra, disse, que nos ensina a aprendermos a não permitir que invadam o nosso espaço, o que somos, porque –“o espaço é um direito que nos define como indivíduos”.
Uma obra na qual o autor nos alerta e faz-nos pensar que a “verdadeira força está, não nas palavras, mas naquilo em que elas se formam como actos”.
Por fim o autor, recorda outra dimensão indispensável na vida de cada personagem, uma realidade que é essencial à história, aquela realidade que se vasculha no bolso – a memória.
A memória, essa, descrita por Helder Martins de uma forma poética, ela é – “um amanhã onde o ontem pudesse ser corrigido”.
Percebemos, nesta obra, que o primeiro combate dos protagonistas, é com a natureza, com os monstros interiores, sombras e medos, fome, resignação, lágrimas e sorrisos.
A trilogia de literatura épico – fantástica, até hoje publicada por Helder Martins - «Templo de Borkudan»; «A asa da consequência» e « Grilhetas da Apatia» - é, sem dúvida, uma lição de humanismo e humanidade, salientou António Sousa Pereira.

Assumir o compromisso com a escrita

Helder Martins a encerrar a apresentação do seu livro, sublinhhou que sente a sua actividade de escritor nas palavras de José Saramago, quando este afirmou que : “ser escritor não é apenas escrever livros, é muito mais uma atitude perante a vida, uma exigência e uma intervenção.”
Recordou que por vezes, neste seu percurso solitário da escrita, sente dúvidas, falta de imaginação, mas depois, quando escuta as palavras das pessoas que apreciam os seus livros, ou quando vai às escolas falar com os jovens sobre os seus livros ou as criticas que recebe, tudo isso motivam-no e fazem-no assumir “o compromisso com a escrita”.
Helder Martins, anunciou que está em marcha o 4º livro, e, afirmou que sente, cada vez mais, a sua intimidade com as personagens.
Refere que de livro para livro a personagem principal vai evoluindo, numa relação bastante conflituosa, mas cada vez mais intimista.

Um euro de caca livro vendido será para a Animalife

Rute, voluntária da Animalife, uma associação com 10 anos de existência que se dedica a apoiar associações que recolhem animais abandonados, ou pessoas sem abrigo, e que, actualmente, dá o seu apoio a 335 entidades, 500 familias e a 100 pessoas sem abrigo, agradeceu o contributo de Helder Martins, que decidiu que um euro de cada um dos seus livros vendidos será destinado a apoiar a Animalife.

29.11.2021 - 20:26

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2022 Todos os direitos reservados.