reportagem

Barreiro recebeu evento AMA Fora da Caixa
“Ser empreendedor é ter a capacidade de reagir após levar um murro no estômago”

Barreiro recebeu evento AMA Fora da Caixa <br />
“Ser empreendedor é ter a capacidade de reagir após levar um murro no estômago” A AMA – Associação de Marketing e Atitude Empresarial realizou este sábado um encontro com empresários do Barreiro, conduzida por Orlando Henrique, director distrital de Setúbal, no Salão Nobre dos Bombeiros Voluntários do Sul e Sueste, com vários oradores e com a presença do vice-presidente da Câmara Municipal do Barreiro, Rui Braga, e do Comandante da corporação anfitriã, Acácio Coelho.

Rui Braga começou por relembrar “a história industrial do Barreiro, que sempre nos colocou na linha da frente como empreendedores, de que foi exemplo a CUF, que mesmo com todos os problemas que causou a nível ambiental, foi a empresa que desenvolveu o termo ‘empreendedorismo’”.
Sublinhando o interesse do actual executivo camarário no desenvolvimento económico, Rui Braga relembrou os projectos desenvolvidos “como a StartUp Barreiro, o Regulamento Municipal de Concessão de Incentivos ao Investimento e o Barreiro 21, que funcionará como um canal com as empresas e como incubadora para tratar de todas a actividade empresarial”.

O combate à perda de população no concelho é uma das preocupações apontadas pelo autarca “pelo que temos de trabalhar pelo aumento da empregabilidade, não esquecendo pontos como a saúde e a habitação. No concelho temos um dos melhores parques industriais do distrito, a Baía Tejo, que embora esteja subaproveitada, tem um enorme potencial e é uma grande oportunidade para esta geração de empreendedores, fazendo parte de um triângulo que potencia mais valias, a par com a StarUp Barreiro e com o Pólo do Politécnico de Setúbal.”

Dando como exemplo o concelho de Oeiras e o trabalho realizado por Isaltino Morais, o vereador destacou também a importância da ligação entre o poder político e os empresários “porque cabe ao primeiro conseguir dar os passos para promover o desenvolvimento e reter o investimento quer ao nível local, quer nacional. Por isso é muito importante para este executivo saber com precisão que empresas temos no concelho, o que nos permite criar uma comunidade mais forte para ligar pontes com as empresas e assim conseguirmos aproveitar todas as oportunidades que surgem, até a nível europeu.”

Sobre novos investimentos no concelho, destacou “a vinda da Sonae com um empreendimento em Palhais, e uma nova unidade de Saúde da CUF na Quinta das Canas”.
Num tom mais pessoal, Rui Braga lembrou “as duas vezes que, como empresário, perdi tudo, porque também fui um dos lesados do BES, mas voltei a reerguer-me porque ser empreendedor é ter a capacidade de reagir após levar um murro no estômago.
No entanto, na altura o que me motivou foi a rede de contactos que criei ao longo dos anos. É essa rede que queremos criar aqui no Barreiro, porque se tivermos um tecido empresarial forte, teremos empresas a facturar mais, e se aqui apenas pagam Derrama acima dos 150 mil, queremos mais empresas capazes de facturar valores que as levem a pagar esse imposto.”
Aos presentes garantiu que “a porta da Câmara Municipal está sempre aberta, e exorto-os a usarem a StarUp Barreiro, foi para vós que nela investimos”.

Bombeiros Voluntários do Sul e Sueste: “Passámos do oito ao oitenta”

Na sua intervenção, o Comandante Acácio Coelho fez um historial da corporação que em julho assinala os 129 anos, “criada pela necessidade de socorro à unidade industrial e à linha de caminho de ferro no Barreiro, o que levou a que durante muitos anos os presidentes da Associação Humanitária e os Comandantes fossem funcionários da CP”.
Acerca da actividade actual da corporação, que integra 106 operacionais, o Comandante destacou “as três Equipas de Intervenção Permanente, e as duas ambulâncias do INEM, com três equipas, o que é uma mais valia para o concelho e me deixa dormir mais descansado.
Temos também o único carro pesado de desencarceramento ferroviário, que nos foi cedido pela empresa Metro Transportes do Sul.

Conseguimos passar do oito ao oitenta na garantia de socorro às populações, não apenas do Barreiro como também do país.”
Acácio Coelho lamentou que se mantenha “o problema financeiro para a compra de equipamentos de proteção individual para cada bombeiro. Para terem uma ideia, equipamentos para fogos urbanos, rurais, capacete, botas e farda fica por cerca de 2.000 euros por operacional, o que para muitas corporações é uma utopia.”
Apresentou alguns dados relativos à actividade dos últimos anos, garantiu que “nunca parámos, mesmo que todos tenhamos tido covid19, embora em alturas diferentes, e fizemos 3.259 transportes de doentes covid durante 2022, com equipas totalmente equipadas, um investimento da Câmara Municipal, a quem agradeço, assim como à Junta de Freguesia.”

“Sozinhos não somos ninguém”

Antes do início do painel de oradores, interveio Liz Silva, presidente da AMA Empresarial, entidade que completou onze anos esta sexta-feira, 3 de março.
“Sozinhos não somos ninguém, quanto mais fortes, mais preparados estamos para enfrentar os desafios”, começou por afirmar, recordando depois o processo que levou à criação de uma associação dirigida aos Marketer do distrito de Aveiro.
“A AMA nasceu para o tratamento quase pessoal com os empresários, e quebrámos as regras, criando sinergias naturalmente e sem barreiras. Mas foi um processo incrível, porque depois outras empresas vieram atrás de nós, o que ajudou a que nos posicionássemos no que somos hoje em dia.”

Liz Silva reconheceu que “a pandemia foi terrível, mas nunca abandonámos os nossos parceiros e recorremos ao Instagram e ao Facebook para que as pessoas não se esquecessem das marcas”.
E um dos aspectos que realçou foi “a necessidade de apostar na comunicação por parte das empresas, porque esse é até um dos principais instrumentos para a guerra e paz.
Uma boa comunicação leva ao crescimento da marca, mas oitenta por cento das empresas em Portugal não sabe comunicar, por falta de formação, interesse ou informação, também porque 99 por cento do tecido empresarial são pequenas ou micro-empresas.”

Depois de explicar o que a AMA tem para oferecer aos empresários, “a realização de eventos para debater ideias, como este hoje no Barreiro; a formação em Marketing e espaços para que todos se encontrem”, Liz Silva referiu o lema da empresa, simbolizado pelo avião de Gago Coutinho no site da AMA, “porque ele sonhou alcançar o impossível”.


04.03.2023 - 20:39

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2023 Todos os direitos reservados.