Conta Loios

moldura

«Rua Gagarin» a nova peça de ArteViva
Jornal Rostos oferece convites aos seus leitores.

«Rua Gagarin» a nova peça de ArteViva <br />
Jornal Rostos oferece convites aos seus leitores. . Convites contacte via jornal@rostos.pt

O resultado foi Rua Gagarin. Uma comédia. Eu não esperava que fosse uma comédia, mas se considerarmos os temas que foram surgindo enquanto escrevia – marxismo e teorias hegelianas da história, anarquismo, psicopatologia, existencialismo, doença mental, terrorismo político, niilismo, globalização e a crise da masculinidade – não poderia ser outra cois

SINOPSE

O resultado foi Rua Gagarin. Uma comédia. Eu não esperava que fosse uma comédia, mas se considerarmos os temas que foram surgindo enquanto escrevia – marxismo e teorias hegelianas da história, anarquismo, psicopatologia, existencialismo, doença mental, terrorismo político, niilismo, globalização e a crise da masculinidade – não poderia ser outra coisa.
Na região das minas de carvão, em Fife, na Escócia, na pequena vila de Lumphinnans, há uma rua com o nome do cosmonauta soviético Yuri Gagarin. Entretanto, as minas fecharam e o muro de Berlim caiu.
Ali perto, em Dunfermline, numa arrecadação de uma fábrica de computadores, dois trabalhadores raptam o Sr. F. Van de Hoy. Com motivações diferentes. Mas nada está tão mal que não possa piorar…

“Quis escrever algo sobre o século XX (…) Também quis escrever uma peça sobre economia, que tem sido o tema dominante (e único?) da política moderna e a fonte do verdadeiro poder no nosso tempo cada vez mais globalizado. Finalmente, eu quis escrever sobre os homens e a nossa infinita capacidade de auto-ilusão. (…) O resultado foi Rua Gagarin. Uma comédia. Eu não esperava que fosse uma comédia, mas se considerarmos os temas que foram surgindo enquanto escrevia – marxismo e teorias hegelianas da história, anarquismo, psicopatologia, existencialismo, doença mental, terrorismo político, niilismo, globalização e a crise da masculinidade – não poderia ser outra coisa.” (Gregory Burke, Junho 2001)

Autor - Gregory Burke
Tradução - João Rosas
Música - Fast Eddie Nelson
Encenação - Jorge Cardoso
Interpretação - Gonçalo Cardoso, Henrique Gomes, Ricardo Guerreiro e Rui Quintas

Cenografia - João Pimenta
Figurinos - Ana Pimpista
Luminotecnia- João Henrique Oliveira
Assistência Encenação - Catarina Santana
Operação Técnica - Maria Inês Santos
Design Gráfico - João Pimenta
Fotografia - Cláudio Ferreira
Apoio Cenográfico - António Santinho |

Apoio Geral - João Henrique Oliveira
Traduções p/ programa -Ana Sofia Samora e Genoveva Pimpista

Produção Executiva - Catarina Santana
M/16

81ª produção da ArteViva – Companhia de Teatro do Barreiro

No Teatro Municipal do Barreiro
Sessões às sextas e sábados, às 21h30

Reservas: 910 093 886, 910 083 541, arteviva.reservas@gmail.com

21.11.2019 - 16:59

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2019 Todos os direitos reservados.