Conta Loios

moldura

Barreiro - Plataforma Cidadã Braamcamp é de Todos refere na Resolução da CMB
Existe «plágio» no texto que foi copiado de um estudo do Brasil

Barreiro - Plataforma Cidadã Braamcamp é de Todos refere na Resolução da CMB<br />
Existe «plágio» no texto que foi copiado de um estudo do Brasil A Plataforma Cidadã Braamcamp é de Todos salienta que o Executivo Municipal “quando encontra obstáculos” opta pelo “refúgio num discurso politizado e negacionista”, a qual é a “única forma de defender o indefensável”.

A Plataforma Cidadã Braamcamp é de Todos apresentou, uma Providência Cautelar, liminarmente admitida pelo Tribunal Administrativo de Almada em 31 de Março.
As razões da apresentação da Providência Cautelar assentaram, nomeadamente, no seguinte:

a) As deliberações tomadas pelo Executivo e Assembleia Municipal serem nulas e de nenhum efeito;
b) A construção de prédios ser um atentado à biodiversidade, contrariando a necessidade de valorização das componentes ambientais, socioeconómicas, culturais e paisagísticas e
c) Não contribuir para a prevenção e minimização dos riscos ambientais e a protecção do património cultural, assim como,
d) Contraria as orientações do Plano Metropolitano de Adaptação às Alterações Climáticas da área Metropolitana de Lisboa, quando aconselha que existindo a possibilidade do território ficar submerso e ao aquecimento, é fundamental a criação e preservação de espaços verdes urbanos para a redução dos efeitos negativos das alterações climáticas

Entretanto, o Presidente da Câmara Municipal do Barreiro apresentou uma Resolução Fundamentada para poder desencadear acções no processo de venda da Quinta Braamcamp, nomeadamente a abertura de propostas dos concorrentes.
A Resolução Fundamentada não anula a Providência Cautelar, mas permitiu alguns actos administrativos, como a abertura de propostas candidatas à compra daquele território.
Segundo refere a Plataforma Cidadã Braamcamp é de Todos, esta Resolução “assenta em pressupostos que não são verdadeiros, e procura justificar a venda da Quinta do Braamcamp com a situação financeira provocada pelo COVID 19”.
A Plataforma Cidadã Braamcamp é de Todos, destaca que na Resolução, existe “plágio”, no texto que foi copiado e não citado, um estudo do Brasil de Flavio Faria de Araújo: “Empresariamento Urbano: concepção, estratégias e críticas”.
E acrescenta que “o referido texto postula exactamente o contrário do que é concluído pelo Presidente da Câmara”.

A Plataforma Cidadã Braamcamp é de Todos salienta que o Executivo Municipal “quando encontra obstáculos” opta pelo “refúgio num discurso politizado e negacionista”, a qual é a “única forma de defender o indefensável”.

12.05.2020 - 14:59

Imprimir   imprimir

PUB.

Pesquisar outras notícias no Google

Design: Rostos Design

Fotografia e Textos: Jornal Rostos.

Copyright © 2002-2020 Todos os direitos reservados.